Campanha 100 dias orando pela família - Devocional dos 100 dias completo

By segunda-feira, setembro 23, 2013 ,



Campanha de Oração em Favor da Família






Nossa Família no Altar do Senhor

Devocionais dos 100 dias da Campanha.

1º Dia
FAMÍLIA E ORAÇÃO – TUDO A VER
Leitura Diária: Mateus 01
Quando olhamos para o mundo atual verificamos que a situação das famílias é uma das crises constantes em qualquer parte do mundo. Isto acontece nos países que vivem a modernidade líquida em que o conceito de família se dissolveu e o importante é apenas o indivíduo. Muitas vezes, nessas sociedades, os filhos são problemas ao invés de serem aquilo que diz a Palavra, recompensa do Senhor. Estes, por sua vez, não obedecem aos pais e não os honram na velhice. Os pais não sabem cumprir seus papéis. Os relacionamentos não são duradouros e as pessoas são descartáveis.
Em países em que a pobreza é enorme, os filhos são vendidos e são objeto de tudo quanto é exploração. Em alguns, são entregues a líderes religiosos para serem educados, mas na verdade são também explorados.
Também neste caso, os pais não sabem cumprir seus papéis. Embora os relacionamentos sejam duradouros, muitas vezes só subsistem por causa da opressão social. Diversas mulheres são repudiadas sem qualquer motivo apenas para que seus esposos possam ter novas mulheres.
No Brasil não é muito diferente a situação de crise. Basta vermos quantos conflitos entre pais e filhos existem e como o número de divórcios aumenta a cada ano. A violência doméstica é uma realidade triste.
Além disso, a família sofre ataques de diversos tipos, seja por meio de leis que tentam mudar sua configuração, ou dos meios de comunicação que tentam impor sua forma de pensar contrária à Palavra de Deus.
Tudo isso deve ser encarado como realmente é, uma ação contra Deus, pois a família é um projeto Seu. Ele tem as respostas sobre as dificuldades do ser humano. Ele criou a família e tem a solução para a convivência. Nele encontramos o que precisamos.
É com a oração que venceremos esta luta. É de joelhos que veremos as famílias de nosso país serem restauradas e impedidas de se desfazerem. Sem oração não há solução. Com oração, tudo é possível.
Que nestes 100 dias você se comprometa com Deus não apenas a orar, mas a ser melhor membro de sua família e cumprir de forma correta o seu papel.

Oremos:

I) Por mais oração nas famílias;
2) Pelo socorro de Deus à situação de crise em que está a família no Brasil e no mundo;
3) Pela restauração das famílias de nosso país;
4) Para que as famílias que permanecem nos padrões bíblicos sejam guardadas por Deus de se desfazerem;

5) Para que nós mesmos sejamos melhores membros de nossas famílias e cumpramos corretamente nossos papéis.
Escritor: João Marcos, Pr. – Diretor Executivo da Junta de Missões Mundiais
 2º Dia
Eu e Deus (a sós com Deus)
Leitura Diária: Mateus 2
Uma grande necessidade do crente é manter vida devocional a sós, ele e Deus. É bom ter parceiros de oração, orar em grupo, com a família e com o cônjuge. Mas os momentos a sós com Deus permitem a confissão, o quebrantamento, o derramamento das aflições diante do Senhor. São momentos em que existem apenas a pessoa que ora e Deus. Não significa excluir as demais pessoas da vida e das preocupações. São momentos em que a pessoa cuida de si mesma.

Uma aeromoça me explicou por que, em caso de risco num voo, quando as máscaras de oxigênio caírem, o adulto deve ajustar a máscara primeiro em si, e depois na criança ao lado. Se o adulto for colocar primeiro na criança, esta pode se assustar e a recusar. O adulto poderá desmaiar e acabar não ajustando a máscara nele nem na criança. “Primeiro cuide de si, depois cuide dos outros”.

Para sermos úteis aos outros e instrumentos nas mãos de Deus precisamos cuidar de nós mesmos. Os pais que querem transmitir valores espirituais aos filhos precisam cuidar primeiro de sua vida. Os momentos a sós com Deus nos fortalecem, levam-nos a ter intimidade espiritual com ele, ajudam em nosso amadurecimento.

Impressiona em Jesus que Ele passava longos momentos a sós com o Pai. Sua vida de oração pessoal era notável (Lc 6.12, I 1.1 e 22.41). Isto lhe dava forças para sua missão. Por mais ocupados que sejamos os momentos mais importantes são os que usamos com Deus.

Lutero separava uma hora por dia para a oração. Quando tinha muitas coisas por fazer, e o dia se afigurava difícil, ele separava duas. Seja isso um exemplo para nós. Nossos momentos pessoais com Deus devem ser os mais importantes do dia. O vigor espiritual e a disposição para o serviço, seja secular ou ao Senhor, é ampliado pela oração pessoal.

Oremos:
1) Para que as nossas famílias desenvolvam uma vida devocional saudável;
2) Para que haja mais confissão, quebrantamento e derramamento de aflições em nossos momentos a sós com Deus;
3) Para que os pais sejam exemplos de vida de oração para seus filhos;
4) Para que nossa vida de oração cresça, e não diminua;
5) Para que nosso vigor espiritual e a nossa disposição para o serviço sejam ampliados pela oração pessoal.

Escritor: Pr. Isaltino Gomes Igreja Batista Central de Macapá

3º Dia
Nós e Deus  (culto doméstico)
Leitura Diária: Mateus 3
o culto doméstico tem um valor imensurável. A família se posta unida diante de Deus. Ela cria um poderoso vínculo e aprende a submeter-se a uma autoridade maior que todos da casa. Dá noção de ordem e subordinação. Mantém-se unida. Como disse alguém: “Você não pode brigar com uma pessoa com quem ora todos os dias”.

O culto doméstico deixa marcas indeléveis na vida dos filhos. Eles veem os pais orar, aprendem com eles e assimilam o seu caráter espiritual. Paulo comentou que a fé de Timóteo veio da sua mãe e da avó (2Tm 1.5). Não se diz que foi no culto doméstico, mas que veio do lar. Muitos pais hoje terceirizam a formação espiritual dos seus filhos, legando-a aos professores da EBD ou ao pastor. Esta responsabilidade é do lar, não da igreja.

No Antigo Testamento, a educação espiritual cabia aos pais (Dt 6.6,7). O homem era o líder espiritual da família. Os homens hoje têm deixado essa responsabilidade para suas esposas. É deles. O pai é o sacerdote da família. Jó acordava de madrugada e oferecia sacrifícios pelos filhos, pensando que talvez tivessem pecado Jó 1.5). Não se fala do culto doméstico, mas da oração intercessória feita por um pai. No culto doméstico, os filhos veem o zelo dos seus pais, seu interesse por eles e veem os pais orarem por eles.

Além de criar um ambiente espiritual no lar, o culto doméstico cria uma cultura de oração na família.
Não basta dar coisas aos filhos. Dar alimentação, cuidado e educação é obrigação. Mas dar rumo espiritual é o maior legado que os pais podem deixar aos filhos.

“Eu e Deus” é uma grande necessidade para nossa vida. “Nós e Deus” é um tesouro para os filhos e uma blindagem da família neste mundo imoral. Proteja seu lar.

Oremos:
1) Pela união das famílias diante do Senhor no culto doméstico;
2) Para que os membros de nossas famílias desenvolvam a cultura de orarem juntos;
3) Para que o lar seja um ambiente de culto constante a Deus;
4) Pelos homens, para que liderem suas famílias ao culto doméstico;
5) Pelos filhos, para que encontrem alegria e satisfação ao cultuarem a Deus com seus pais em casa.
 4º Dia
A Importância da Bíblia para a Família
Leitura Diária: Mateus 4
Deuteronômio 6.1-4 é um dos textos mais ricos da Bíblia. O versículo 4, denominado de “shemá”, é para os judeus o que João 3.16 é para nós. É a doutrina da unicidade de Deus, a mais profunda do judaísmo. O Deus Único revelou “estatutos e mandamentos” para que “tu, teu filho e o filho do teu filho” guardem todos os dias da vida (v. 2). É um princípio válido também para nós. O Deus Único, que se revelou em Jesus, deixou sua Palavra para que a guardemos, nós e nossos filhos.
A observância da Palavra Revelada prolongaria os dias da nação. Quando Israel e Judá, os reinos divididos, se afastaram da Palavra veio a ruína dos dois. A Palavra de Deus é fonte de vida, de preservação da família e até mesmo da sobrevivência nacional. Para uma família, particularmente, a Bíblia é de extremo valor. Ela mol- da o caráter das crianças, dá aos pais orientações sobre como criar os filhos no bom caminho, e instrui em todas as áreas da vida! Provérbios, por exemplo, é fascinante! Como é atual, com recomendações sobre sexo, trabalho, bebida, lazer, ira, fidelidade conjugal, criação dos filhos, etc.
A Bíblia não é um livro embolorado nem o mero registro de coisas antigas. É o livro que vem de Deus, tendo o Espírito Santo como autor último (2Pe 1.21). Ela vem do Deus que criou o homem e constituiu a família (Gn 2.18-24) e que, encarnando-se, escolheu uma família onde nasceu e foi criado (Lc 2.51). A Trindade ama a família e Deus Filho viveu em uma família. A Bíblia é a Palavra de alguém que ama a família.
Que nenhuma família batista deixe de ter a Bíblia como sua regra de fé e conduta. Que ela seja lida, ama- da e vivida em nossos lares. A casa que tem a Escritura como norma está firmada sobre a rocha. Não será derrubada (Mt 7.24,25).A que não a tem corre riscos (Mt 7.26,27).

Oremos:
1) Pela observância e valorização da Palavra na família;
2) Para que a Bíblia seja lida, amada e vivida em nossos lares;
3) Pelos pais, para que busquem nas Escrituras a base da educação para seus filhos;
4) Pelos pais, para que não transfiram para a igreja a responsabilidade que é primeiramente deles: a de instruírem seus filhos na Palavra de Deus;
5) Pelas nossas igrejas, para que sejam instrumentos de capacitação de pais para a educação cristã no lar.
5º Dia
A Importância da Oração para a Família
Leitura Diária: Mateus 5
A maior parte do tempo de lazer de uma família se passa da televisão ou navegando na Internet. O volume de informações é enorme e nem sempre sadio, pois “o mundo jaz no Maligno” (IJo S.19).A violência é mostrada como entretenimento (até os desenhos animados trazem uma incrível pancadaria!), adultério, vida marginal, linguagem vulgar e mediocridade. Impressiona como se exalta a mediocridade e se glorifica o banal. Um site exibia como manchete uma atriz num balcão de uma farmácia e a legenda: “Fulana de Tal compra esmalte”. E daí? Milhares de mulheres compraram esmalte naquele dia. Dirão que a compradora era famosa. Compra de esmalte é notícia? Justifica o espaço ocupado? O propósito é banalizar a vida e massificar as pessoas com futilidades. É o padrão do mundo: não se ocupem com coisas sérias; fiquem com o trivial.

Uma paráfrase de Romanos 12.1 diz: “Não permitam que o mundo comprima vocês no molde dele”. Você não deve ser formatado pelo banal e deixar sua vida escorrer pelo ralo da mediocridade. Sua vida é valiosa. Molde-a pela Palavra de Deus e alimente-a pela oração. A família precisa de oração e precisa orar junta, por- que é vítima de um processo de desmanche dos meios de comunicações, que tudo banalizam e enlameiam com seus padrões imorais.

A família precisa se defender. Sua melhor arma de defesa é a oração. Efésios 6.10-18 é uma descrição atualíssima do que vivemos neste mundo e de como devemos nos portar. Sem vida espiritual subsidiada pela oração (Ef 6.18) cairemos como pessoas e como famílias.

Que cada família batista realize o culto doméstico e ore em conjunto. Assim ela poderá resistir aos poderes das trevas que lutam contra ela. Ore por cada membro de sua família diariamente. Mencione-os diante de Deus. Ore pela sua família como um todo. Que a família ore.

Oremos:
1) Por uma vida de oração sólida e edificante na família;
2) Por diminuição de nosso interesse por entretenimento em contrapartida ao aumento do nosso deleite na Palavra e na oração;
3) Para que nossas famílias não se amoldem ao mundo;
4) Para que as famílias se defendam dos valores deste século por meio da oração;
5) Por cada membro de nossas famílias.
6º Dia
A Família e a Igreja
Leitura Diária: Mateus 6
A igreja primitiva reunia-se em vários lugares. No templo (At 2.26), nas sinagogas (At 6.9, 13.15, 14.1), na beira de rios (At 16.13 e 16) e nos lares (At 12.12). As reuniões nos lares foi herança judaica. Os judeus prezavam o ensino religioso em casa (Dt 6.1-9). Os primeiros cristãos cultivaram a fé no âmbito familiar. As famílias se envolviam com a igreja. Por vezes a igreja era nas casas, reduto da família.
A igreja é para a família. Erram pais que não levam os filhos à igreja e os deixam em casa no domingo.
Erram pais que levam os filhos à igreja e faltam porque têm outros compromissos. Não é elegante dizer isso, mas há pais que praticamente empurram os filhos para fora da igreja com suas ausências, suas queixas e seus comentários desairosos sobre os irmãos. A igreja há que ser amada pela família. Os pais devem sinalizar aos filhos o valor da igreja.
Um casal sempre se ausentava dos cultos para ir a concertos no teatro. A música era melhor que a da igreja. A qualidade musical das igrejas caiu muito, mas o domingo é o dia do Senhor, dia da família ir à igreja cultuar a Deus. Um dia o filho começou a se negar a ir à igreja. Queria ir a shows de rock ou aos estádios. Os pais foram ao pastor, que Ihes disse:” Vocês lhe ensinaram isso: igreja é um lugar aonde a gente vai quando não há lugar melhor para ir”.
A igreja é o melhor lugar do mundo para a família. Nela se aprende a Bíblia, adora-se a Deus, há edificação e correção. A melhor socialização é com os filhos de Deus. Este autor se criou em bares. Seu pai possuiu três. Morou em fundos de bar. Converteu-se adolescente. Lamenta não ter sido criado na igreja! Deus lhe deu a bênção de criar seus filhos na igreja.
Faça da igreja o segundo lar de sua família! Será uma bênção para ela!

Oremos:
1) Pelos pais, para que não estimulem” seus filhos a abandonarem a igreja com suas palavras e ações;
2) Pelos filhos, para que, independentemente do eventual mal exemplo de seus pais, perseverem na comunhão cristã;
3) Para que tenhamos cada vez mais alegria em nos reunirmos com os irmãos;
4) Para que os crentes encontrem seus melhores amigos entre irmãos;
5) Pelas nossas famílias e nossas igrejas, para que sejam bênçãos umas para as outras.
7º Dia
A Santidade no Lar
Leitura Diária: Mateus 7
“Eu e a minha casa serviremos ao Senhor” é uma declaração encontrada no discurso final de Josué Os 24.15). Deve ser nossa também. Nossos lares devem ser local de adoração e serviço a Deus. Lugares santificados. A presença do Senhor deve ser constante e perceptível a todos quantos conviverem conosco.
A santidade do lar não é uma frase de efeito, mas atos práticos. Pornografia, filmes que glorificam valores anticristãos, conversas indecorosas, nada disto deve ter espaço em nossas casas. A santidade não são gestos ou frases, mas uma atitude de vida e uma postura diante de Deus. Não se restringe à hora do culto doméstico, mas a todos os momentos da vida caseira. E começa quando o lar é oferecido a Deus como lugar de sua habitação, e Jesus é o hóspede invisível, mas presente em todas as ocasiões. Colossenses 3.12-17 se aplica também ao lar.
Em mais de quarenta anos de ministério este autor teve o privilégio de conviver com lares santificados.
As conversas eram edificantes, o respeito mútuo era notório, e a paz era o pano de fundo. Visitar aquelas famílias era receber uma injeção de espiritualidade. Mas há lares que não honram a Deus. Há discussões por ninharias, um clima de beligerância e fala-se mal da vida alheia. Tais lares são minoria. Mas prejudicam o Reino. São lares tóxicos.
Nossos lares devem ser lugar de santidade. Ore diariamente oferecendo seu lar a Deus. Não apenas os filhos, mas as conversas, o que se vê na televisão, o que se lê, os sites por onde se navega (Fp 4.8). Seu momento em casa deve ser um ato de culto. Não cultue a Deus apenas no momento dominical, no templo. Cultue-o com sua vida doméstica. Trate cada membro de sua família com amor e respeito. Seja santo em sua casa. Faça do seu lar um lugar santo.

Oremos:
1) Por santidade na família;
2) Pelos nossos lares, para que sejam locais de adoração e serviço a Deus;
3) Para que a presença de Deus seja constante e perceptível em nossas casas;
4) Oferecendo nosso lar a Deus;
5) Para que cada membro de nossas famílias viva uma vida de santidade dentro e fora do convício familiar.
8º Dia
Os Propósitos de Deus para a Família
Leitura Diária: Mateus 8
A família não é mero evento sociológico. Foi constituída por Deus e ocupa lugar especial em seu coração.
A história da salvação começa com seu desejo de abençoar todas as famílias da terra (Gn 12.3). Ele preza a família e a criou no Éden. Ela é sagrada, embora as forças do mal tentem destruí-Ia hoje. Exatamente por isso precisamos ver os propósitos de Deus para ela.
Gênesis 2.18 traz o primeiro propósito de Deus para a família: prover companhia para as pessoas. A solidão pode enriquecer, mas em boa parte das vezes desintegra alguém. A família cristã deve ser um espaço enriquecedor. Deuteronômio 6.4-9 mostra outro propósito de Deus para a família: instruir seus membros nos caminhos do Senhor. Nela, seus membros devem ser orientados e também corrigidos. Davi foi um homem muito piedoso, mas sua família foi uma bagunça. Não foi um castigo de Deus por causa de seu pecado com Bate-Seba e pela morte de Urias (pecados hediondos). Deus lhe perdoou esses pecados (2Sm 12.13). I Reis 1.6 sugere um motivo: ele nunca corrigiu Adonias, e o mimou em demasia. Há pais que não instruem os filhos nos caminhos do Senhor, não os corrigem e sempre os defendem, mesmo quando errados. Pecam contra Deus e contra eles (Pv 23.13,14,29.15 e 17).
Os pais de Jesus mostram outro propósito de Deus para a família: um lugar para ensinar os filhos a obedece- rem e prover-Ihes crescimento mental, físico e espiritual (Lc 2.51). Na família se transmite a fé aos filhos (2T m 1.5).
A família deve ser também lugar de alegria conjugal. Os cônjuges devem se regozijar um com o outro, ter prazer na companhia um do outro e viver uma vida conjugal amorosa, porque assim terão uma vida feliz v 5.15-23).
Que os propósitos divinos para as nossas famílias não sejam prejudicados por nós. Que se cumpram!

Oremos:
1) Pelo cumprimento dos propósitos de Deus para nossas famílias;
2) Pela preservação da família contra as forças do mal;
3) Para que nossas famílias sejam um espaço abençoador;
4) Para que nossas famílias cumpram bem o papel de instruir seus membros nos caminhos do Senhor, inclusive com cor- reação quando necessário;
5) Pelos pais, para que saibam transmitir fé aos filhos, e também viver uma vida conjugal amorosa e prazerosa.
9º Dia
Amigos Verdadeiros
Leitura Diária: Mateus 9
Alguém declarou muito poeticamente que “Amigo é coisa pra se guardar no lado esquerdo do peito”.
É modo figurado de dizer que amigos devem ser entesourados no coração. Isso nos chama a atenção para afirmações bíblicas. É o caso de Provérbios 17.7, que deixa bem claro que “O amigo ama em todos os momentos; é um irmão na adversidade” (NVI). E não fica igualmente explícito que é do coração, onde está entesourado o amigo, que nascem e progridem os caminhos da vida (“Guarda com toda a diligência o teu coração, porque dele procedem as fontes da vida [Pv 4.23 VIB]).

Isso ocorre quando estabelecemos uma teia saudável de relacionamentos. O poeta João Cabral de Meio Neto deixou uma brilhante página intitulada ‘Tecendo a Manhã”:

Um galo sozinho não tece uma manhã: ele precisará sempre de outros galos. De um que apanhe esse grito que ele e o lance a outro; de um outro galo que apanhe o grito de um galo antes e o lance a outro; e de outros galos que com muitos outros galos se cruzem os fios de sol de seus gritos de galo,
para que a manhã, desde uma teia tênue,se vá tecendo, entre todos os galos.
E se encorpando em tela, entre todos, se erguendo tenda, onde entrem todos, se entretendo para todos, no toldo (a manhã) que plana livre de armação. A manhã, toldo de um tecido tão aéreo
que, tecido, se eleva por si: luz balão.

Neste jogo de imagens, cores, nuances, quase ouvimos o canto dos muitos galos que fazem surgir o Sol travestido de balão multicor puxando o dia após si. A imagem é perfeita para a teia de relacionamentos de amizade que irrompem em corações dispostos a guarda-los no “lado esquerdo do peito”, os quais, amigos, serão amados todo o tempo, e apoiarão na hora da adversidade.


Oremos:
1) Por uma vida espiritual saudável e que gere relacionamentos saudáveis;
 2) Para que nós mesmos sejamos verdadeiros amigos de nossos amigos, especialmente na hora da adversidade;
3) Pela salvação dos nossos amigos;
4) Para que o modo com que conduzimos nossas amizades reflita um genuíno testemunho cristão;
5) Pelas famílias de nossos amigos.
Escritor: Pr. Walter Batista (Igreja Batista Sião em Salvador)
10º dia
EVANGELIZAR OS AMIGOS QUE NÃO CONHECEM A JESUS
(Evangelização de Amigos)
Leitura Diária: Mateus 10
A mais expressiva forma de amizade é passar ao amigo uma boa notícia. Existe mesmo um termo técnico nas modernas teorias de evangelismo: A Evangelização por Amizade.

Um episódio no ministério de Jesus Cristo retrata de certo modo esta afirmação. Pessoas que conheceram a Jesus falam disso a seus próprios amigos. Está este evento em João 4. O verso 28 destaca que a anônima moradora do vilarejo samaritano, surpresa e eufórica, deixou seu instrumento de trabalho, o cântaro cor qual abasteceria a família de seu suprimento de água, voltou à vila, e chamou os amigos despertando-lhe curiosidade com a pergunta, “Venham ver um homem que me disse tudo o que tenho feito. Será que ele não Cristo?” (v.29). Ela estaria antecipando a afirmação apostólica, “O que vimos com os nossos olhos, o que contemplamos  isto proclamamos a respeito da Palavra da vida. A vida se manifestou e dela testemunhamos, e proclamar a vocês a vida eterna”(1João 1.1,2).
Na realidade, a Evangelização por Amizade está baseada num princípio extremamente simples. Use-me antiga imagem: a evangelização é “um mendigo dizendo a outro mendigo onde conseguir pão”. Simples demais: Cristo Jesus é o Pão da Vida. Para quem está na posição do poeta de Israel que exclamava, “A minha alma 1 sede de Deus, do Deus vivo” (SI 42.2), para quem está sedento da Água da Vida e faminto do Pão dos Céus informação de que em Cristo tudo isso pode ser saciado é a melhor notícia a ser recebida! Um amigo contar ao outro sobre Jesus é firmar ainda mais as bases de um relacionamento saudável.
Oremos:

1) Para que Deus nos desperte e capacite cada vez mais a pregar o evangelho para nossos amigos;
2) Pela salvação dos nossos amigos e de suas famílias;

3) Por um testemunho de Cristo mais poderoso de nossa parte nos nossos círculos de relacionamentos;

4) Para que Deus também use outras pessoas e outros meios para alcançar os nossos amigos;
5) Que Deus trabalhe com graça e poder nos corações dos nossos amigos mais resistentes ao evangelho.

Escritor: Pr. Walter Batista (Igreja Batista Sião em Salvador)
11º Dia
AMIGOS NA ESCOLA
Leitura Diária: Mateus 11
Escola é ambiente de formação. Formam-se atitudes, o caráter, a vida social, a consciência, a ética, os valores e as amizades. Todos nós temos amizades nascidas na escola. Às vezes, nos primeiros anos do Ensino Fundamental e que nos acompanham com atenção, carinho e gestos de amabilidade e sociabilidade ao longo dos anos.
Alguns colegas apenas estavam na sala de aula, não causaram muita impressão e seus nomes nem são lembrados. Outros foram colegas de equipe em determinadas disciplinas, criando uma amizade mais estreita. Mas foram, igualmente, apenas colegas de escola. Terceiros, ainda, foram objeto de uma amizade mais profunda. Aquela amizade que os gregos chamaram de filia, um amor de alta consideração. O relacionamento criado tem sido saudável. Acompanham nossa história de vida e nós acompanhamos as deles.
É o teor de Provérbios 27.10: “Não abandone o seu amigo nem o amigo de seu pai; quando for atingido pela adversidade não vá para a casa de seu irmão; melhor é o vizinho próximo do que o irmão distante” (NVI). Esse é o amigo de todas as horas! Carlos Drummond de Andrade, o poeta de Itabira, até expressou, “Fácil é ser colega, fazer companhia a alguém, dizer o que ele deseja ouvir. Difícil é ser amigo para todas as horas e dizer sempre a verdade quando for preciso. E com confiança no que diz”. Esses são amigos.
No entanto, a quantos destes reais amigos que vêm do tempo de escola temos falado de Cristo?

Mais apropriado é falar daqueles que ainda estão na escola conosco. Isso vale para quem está no ensino fundamental, médio ou superior. Por esse motivo, visto que, para alguns, somos a única Bíblia que irão ler, que nossa vida seja um testemunho vivo, palpável e comunicativo dos poderosos atos de Deus em Jesus Cristo. Não deixe passar a oportunidade de ser esse evangelista!
Oremos:
1) Por nossos amigos e colegas de estudos e suas famílias;
2) Para que tenhamos um testemunho eficaz de Cristo entre nossos amigos e colegas de escola ou faculdade;
3) Pedindo perdão a Deus por todas as oportunidades perdidas de evangelizar aqueles que já dividiram as salas de aula conosco;
4) Pelo despertamento de adolescentes e jovens para serem verdadeiros evangelistas nas escolas e nas faculdades;
5) Para que a vida reta dos alunos cristãos autentique a pregação do evangelho aos seus amigos.
Escritor: Pr. Walter Batista (Igreja Batista Sião em Salvador)


12º Dia
AMIGOS NA IGREJA
Leitura Diária: Mateus 12
A igreja é o Corpo de Cristo. O apóstolo Paulo o declara com todas as letras: “Vocês são o corpo de Cristo, e cada um de vocês, individualmente, é membro desse corpo” (I Co 12.27 – NVI). lsso implica que a igreja de Jesus Cristo é infinitamente mais que uma organização: é um Organismo. Somos células, órgãos e membros deste Corpo. Trabalhamos para o bem comum, pois à medida que cada um realiza sua tarefa, exerce seu dom dado por Deus (carisma), todos crescem.
Somos também uma Família. Uma família amorosa, na qual somos estimulados com o objetivo de crescer na graça e no conhecimento de Cristo, aprofundando na doutrina e no coração do Pai com a finalidade de nos apoiarmos na caminhada cristã.
Como família, estamos em paz. Paz com Deus, com a consciência e com os irmãos. Como bem expressou o apóstolo Paulo, “Pois ele é a nossa paz, o qual de ambos fez um e destruiu a barreira, o muro de inimizade” (Efésios 2.14 – NVI), concluindo com uma fortíssima expressão, “Portanto, vocês já não são estrangeiros nem forasteiros, mas concidadãos dos santos e membros da família de Deus” (v.19 – NVI).
Somente famílias desajustadas deixam de apresentar estas características de fortaleza espiritual, equilíbrio moral e saúde em todos os sentidos. Isso não é esperado da Família de Cristo e dos santos, que deve ser um exemplo de amizade adequada e absolutamente salutar.

Um relacionamento saudável na igreja de Cristo lembrará sempre que “É melhor ter companhia do que estar sozinho, porque maior é a recompensa do trabalho de duas pessoas. Se um cair, o amigo pode ajuda-Io a levantar-se. Mas pobre do homem que cai e não tem quem o ajude a levantar-se!” (Ec 4.9, I O).
Oremos:

1) Por relacionamentos saudáveis na igreja;
2) Para que cada um de nós contribua mais para a edificação do corpo de Cristo;
3) Para que os membros da igreja se apoiem mutuamente na caminhada cristã;
 4) Para que os relacionamentos entre os membros de nossas igrejas sejam exemplos de amizades salutares;
5) Pelos membros de nossas igrejas que estão afastados e distantes.
Escritor: Pr. Walter Batista (Igreja Batista Sião em Salvador)
13º Dia
AMIGOS NO TRABALHO
Leitura Diária: Mateus 13
Que maravilha de exortação deixada pelo Mestre: “Vocês são a luz do mundo. Não se pode esconder uma cidade construída sobre um monte. E, também, ninguém acende uma candeia e a coloca debaixo de uma vasilha. Pelo contrário, coloca-a no lugar apropriado, e assim ilumina a todos os que estão na casa. Assim brilhe a luz de vocês diante dos homens, para que vejam as suas boas obras e glorifiquem ao Pai de vocês, que está nos céus” (Mateus 5.14-16 – NVI). É na escola que somos luz do mundo! É na igreja que somos luz do mundo! É na família que somos luz do mundo! É no trabalho que somos luz do mundo!
No sítio do interior do Nordeste onde moravam meus antecedentes, lembro-me que, criança urbana, olhava com muita curiosidade o ritual de acender os candeeiros tão logo chegavam as primeiras sombras da noite. Eram colocados em lugares estratégicos, no alto, para que sua luz de querosene trouxesse alguma claridade à sala, à cozinha ou aos quartos. Quem acenderia uma vela para a colocar no chão? Seria desperdício e inutilidade.
Cristo quer ensinar que seja no trabalho, no comércio, na caserna, no órgão público ou no comércio informal, somos luz. Fluorescente, incandescente, lanterna, de candeeiro Aladdin, de querosene ou vela, cada um com sua dimensão, possibilidade ou talento, há de ser reflexo da Luz de Jesus Cristo, Ele, sim, a verdadeira Luz, segundo João 8.12; Ele, sim, Aquele que nos possibilita jamais andar em escuridão, recebendo a bênção da luz da vida.
Como luz do mundo, o crente em Jesus Cristo, na sua vocação, é o melhor missionário ao estabelecer um relacionamento saudável com seus colegas de” profissão. Essa é a filosofia de um instituto internacional de capacitação da liderança evangélica: o melhor missionário é alguém do próprio meio (país, região ou vocação profissional).
Oremos:

1) Pelos nossos amigos e colegas de trabalho e suas famílias;
2) Para que todos nós sejamos luz do mundo no nosso trabalho;
3) Para que nós tenhamos verdadeira consciência missionária no nosso ambiente de trabalho;
4) Pela salvação dos nossos amigos de trabalho e de seus familiares;
5) Para que Deus trabalhe com poder e graça nos corações de nossos amigos de trabalho mais resistentes ao evangelho.

Escritor: Pr. Walter Batista (Igreja Batista Sião em Salvador)
14º Dia
A AMIZADE NO CÍRCULO FAMILIAR
Leitura Diária: Mateus 14
Nem todo parente é amigo. Por outro lado, como esclarece a Palavra de Deus, Há um amigo que é mais chegado do que um irmão” (Pv 18.24b – VIB). É verdade.
É preciso lembrar, no entanto, que círculo familiar tem o mesmo DNA. E família foi o espaço que Deus nos deu para sustento e crescimento. A família cristã tem valores bem estabelecidos, e se rege pela palavra, pelo ensino e pela visão de Jesus Cristo.
Nem sempre, porém, os familiares se aturam. É o que acontece quando ocorre a chamada “rivalidade entre irmãos”, termo que conceitua o estado de animosidade entre filhos de um casal, com início, quantas vezes, na infância bem remota. Para que disso aprendamos, há exemplos concretos na Escritura Sagrada: Caim e Abel, Esaú e Jacó.
No entanto, quando o relacionamento é efetivamente saudável, queremos o melhor para os parentes de sangue. Assim aconteceu com dois irmãos que se tornaram discípulos de Jesus: André e Simão Pedro. O texto de João 1.40,41 coloca deste modo, “André, irmão de Simão Pedro, era um dos dois que tinham ouvido o que João dissera e que haviam seguido a Jesus. O primeiro que ele encontrou foi Simão, seu irmão, e lhe disse: ‘Achamos o Messias’( isto é, o Cristo)” (NVI). Que inspirador. Uma pessoa torna-se discípula de Jesus, o Mestre, e comunica esse fato a seu parente.

Um breve exame nos mostra que, na nascente igreja apostólica, muitas famílias se uniam ao redor do núcleo da fé: Jesus Cristo. Loide, Eunice e Timóteo (2Tm 1.5), o policial-carcereiro da cidade de Filipos e seus familiares (At 16.26-34), famílias várias da comunidade cristã de Roma (Rm 16.7, I 0-13, 15), além das inúmeras senhoras e famílias que sustentavam e ajudavam o ministério de Jesus Cristo.
Seria demais dizer que família é uma preciosidade a ser estimada, cuidada e amada nas orações e na proclamação da Palavra?


Oremos:
1) Por relacionamentos saudáveis no círculo familiar;
2) Para que sejamos pacificadores dentro de nossas famílias;
3) Pela salvação de nossos familiares;
4) Para que os familiares mais velhos sejam exemplos de vida cristã a serem imitados pelos mais novos;
5) Para que a proclamação do Evangelho por nossas bocas e vidas comece nas nossas famílias.

Escritor: Pr. Walter Batista (Igreja Batista Sião em Salvador)
15º Dia
“AMIGOS VIRTUAIS!”

Leitura Diária: Mateus 15 
Amigo virtual é fenômeno contemporâneo. Na verdade, a primeira rede social surgida no mundo ocorreu em 1995. Chama-se classmates.com, está ativa, e é um grande sucesso nos Estados Unidos e Canadá.


Não faz muito tempo, alguém se admirava, “O quê?! Você não tem Orkut?” Hoje, praticamente todos estão ligados, “curtindo” e “compartilhando” o Twitter, o Facebook, o Linkedln e tantos outros criando uma imensa tenda que abriga usuários que “adicionam” “amigos” que trazem outros “amigos” … e terminamos por perder a conta de quem são nossos “amigos” ou “seguidores” nessas redes sociais, as quais, por sua vez, cunham a vida do usuário e trazem outra enorme rede de oferecimento, de vendas de coisas e gadgets que a pessoa pesquisou como um tremendo espião que, por vezes, sabe mais de seus gostos e preferências, algo que você nem imaginou pudesse acontecer.
Não creio que 10% dos “amigos virtuais” que uma pessoa tem são, realmente, amigos … Ou se têm interesse verdadeiro em saber como você está.


Porém, uma coisa podemos determinar: há um fabuloso e rico potencial nas redes sociais. Líderes da igreja podem usá-Ias como uma ferramenta de contato e ministração aos seus liderados. Pensou em criar um Grupo Fechado com os alunos de sua Classe de Adolescentes ou de Jovens, os mais tendentes a se ligarem a essas redes?


Um professor cristão do ensino fundamental ou médio (mesmo do ensino superior) pode criar um Grupo com seus alunos e passar a mensagem do evangelho transformador aos seus pupilos. Um aluno cristão pode e deve fazer o mesmo com seus colegas de classe.


Sim, adicione seus colegas crentes e descrentes. Estabeleça uma aliança forte e um relacionamento saudável com eles. Aliança de simpatia, interesse pela saúde, bem-estar e situação espiritual de cada um. Diga-lhe que está orando por ele ou por ela. Repasse-lhe esperança e fé em Cristo. Alegre-se com os resultados.


Oremos:


1) Por nossos amigos virtuais e por suas famílias;
2) Para que tenhamos sabedoria e discernimento para usarmos as redes sociais mais para a evangelização e o compartilhar cristão do que para atividades fúteis e que não edificam;
3) Para que os relacionamentos virtuais sejam um canal eficaz para a proclamação do evangelho;
4) Por mais santidade no meio virtual;
5) Por nós e por nossos familiares, para que não negligenciemos os hábitos devocionais saudáveis por causa da internet.

Escritor: Pr. Walter Batista (Igreja Batista Sião em Salvador)

16º Dia
O Homem Saudável tem Relacionamento Saudável com Deus
Leitura Diária: Mateus 16
 “O que ouvimos aprendemos, que nossos pais nos contaram, não os esconderemos de nossos filhos; mas conta- remos à vindoura geração os louvores do SENHOR, seu poder e as maravilhas que fez.” Salmo de Asafe 78.3.4.
Asafe escreveu de olho no futuro da família. Ele nos ensina que o futuro começa hoje, que passa pela transmissão de valores de pais para filhos. A Bíblia, mais do que ninguém, nos ensina a importância do homem, da mulher, do pai, da mãe e dos filhos. O homem não está acima de todos na família e sim o nosso Deus.
Nestes dias queremos pensar na importância do homem. Homens, o relacionamento é uma palavra-chave na melhor compreensão da família hoje, e Deus sempre soube disso. Ele quer que tudo dê certo entre você e a sua mulher, com seus filhos, com outros parentes e com a sociedade.
Mas tem um segredo. Primeiro precisamos nos relacionar bem com Deus, o nosso Pai, e o mais Ele nos garante – “Entrega o teu caminho ao SENHOR, confia nele, e o mais ele fará” (Salmo 37.5). Ele é o pai de Amor. Ele nos ama e com Ele nós vamos amar conforme I Co 13.4-8: “O amor é paciente, é benigno; o amor não arde em ciúmes, não se ufana, não se ensoberbece, não se conduz inconvenientemente, não procura os seus interesses, não se exaspera, não se ressente do mal; não se alegra com a injustiça, mas regozija-se com a verdade; tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta. O amor jamais acaba; mas, havendo profecias, desaparecerão; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, passará;”
São quinze atitudes. Continue sendo homem e ame sempre mais.
Os dicionários nos dizem que saudável é: aquele “que goza de boa saúde, física ou mental”. Também precisamos do bom relacionamento. O saudável é aquele que goza de boa saúde própria e que transmite saúde aos outros. Mas a fonte de alimento está em Deus e na sua Palavra, e assim todos os dias todos do seu bairro, da sua cidade, do Brasil vão saber da sua saúde espiritual. Experimente viver isso com Deus e o mais Ele fará.
Oremos:
1) Pelos homens, para que tenham relacionamentos saudáveis com Deus;
2) Que os homens bus- quem o alimento em Deus e na sua Palavra;
3) Para que esse bom relacionamento reflita nas famílias e na sociedade;
4) Para que os homens gozem de boa saúde própria e que transmitam saúde aos outros;
5) Para que os adolescentes e jovens amadureçam na direção de se tornarem homens saudáveis em todos os sentidos.
17º Dia
O Homem Saudável tem Relacionamento Saudável com a Esposa
Leitura Diária: Mateus 17
“Então Elcana, seu marido, lhe disse: Ana, por que choras? E por que não comes? E por que está maio teu coração? Não te sou eu melhor do que dez filhos? Então Ana se levantou depois que comeram beberam em SUó” (I Samuel 1.8,9).
Tem muita esposa por aí em busca desse marido, que para elas é o seu virtual. Pior, tem muita irmã em Cristo que se casou com servo de Deus que não a trata assim. Ninguém merece um marido “casca grossa”. Lembra-se da primeira reflexão, homem, se você é de Deus, agradará a Deus e agradará a sua esposa e não o contrário. Duvido da fé de alguém que se diz crente e que trata mal a sua esposa, que é “uma bênção do Senhor”
Elcana afirmou mais do que ele podia fazer. Ele não podia ser como dez filhos porque nenhum filho Ana tivera até então. Ela só queria um filho e ele não podia dar. Resolver ele não podia, mas ele amava, amava com carinho, com gestos, com palavras doces. Ele fazia o que podia, e assim ele a consolou.
E Deus ouviu o clamor deste marido e de sua esposa e Ihes deu um filho para se orgulharem a vida inteira: SAMUEL. Não transforme o pedido, o clamor, o sofrimento para a sua esposa, em uma dor ainda maior. Apazigue. Tire por menos. Adoce. Mais do que isso, seja um marido que dizendo “não te sou melhor do que dez filhos” a mulher não conteste. Ana sabia que só isso não resolvia, mas não contestou o doce marido que Deus lhe dera. Ele se garantia.
Na minha experiência como conselheiro de família há mais de 25 anos, tenho me deparado com frequência com o modelo de homem macho, mais macho do que homem para quem a sua mulher lhe parece um mero objeto. E muitos crentes ainda justificam a sua atitude usando o texto bíblico como se a Bíblia o aprovasse. Pena. Eu e você devemos ser os melhores maridos. Mesmo que sua mulher seja chata. Porque tem mulher chata. Só o amor conquista.
Da próxima vez que você quiser “engrossar” com a sua esposa que você já tantas vezes chamou de o amor da sua vida, ó homem, lembre-se deste nome: ELCANA, como aquele que adoçou a vida de ANA.
Oremos:
1) Pelos homens, para que tenham relacionamentos saudáveis com suas esposas;
2) Para que de forma alguma tratem mal suas esposas;
3) Para que amem suas esposas com gestos e palavras doces;
4) Para que sejam amigos de suas esposas, dividindo os seus sofrimentos;
5) Para que os adolescentes e jovens aprendam a desde já a tratar com respeito e amabilidade aquelas que poderão vir a ser suas futuras esposas.

18º Dia
O Homem Saudável tem Relacionamento Saudável com a Família
Leitura Diária: Mateus 18

“Mas contigo estabelecerei minha aliança; entrarás na arca, tu e os teus filhos, tua mulher e as mulheres de teus filhos contigo” (Gênesis 6.18).
Um momento lindo em família quando você obedece à voz de Deus e Deus abençoa a sua família. Como outros homens na Bíblia a marca de Noé foi a da obediência irrestrita ao nosso Deus.
a momento decisivo de Noé na Arca com a sua família tem um texto em paralelo bíblico no Antigo Testamento (A T). É o momento em que Josué convoca o seu povo e fala da triste situação da sociedade e diz: Façam o quiserem das suas vidas, “mas eu e a minha casa (família) serviremos ao Senhor” (Josué 24.15b). E todo o povo lhe disse que faria o mesmo, servindo ao Senhor.
Perceba no texto bíblico que os dias de Noé como os dias de Josué se parecem com os nossos dias hoje. porque temos uma sociedade também entregue ao pecado e achando graça da sua própria desgraça. Leia Gênesis 6.5-7: “E viu o Senhor que a maldade do homem se multiplicara sobre a terra e que toda a imaginação dos pensamentos de seu coração era só má continuamente”. E Deus os puniu severamente. “Porque de Deus não se zomba aquilo que o homem plantar isso também ceifará. (Gálatas 6.7).
Nós e a nossa família, hoje como nos dias de Josué, somos chamados a fazer a diferença. A tomar decisões santas em meio a uma sociedade pecadora. Sabemos da forte tendência pós-modernista que leva a nossa sociedade a ter prazer em pecar e é nesse contexto contemporâneo que devemos dar o nosso testemunho de que o nosso compromisso é com o Deus eterno da Bíblia e com os seus valores, que são saudáveis.
Homem, lembre-se finalmente de Abraão, que em Gênesis 12.1-3 é chamado para abençoar todas as famílias da terra e foi mesmo uma bênção, porque obedeceu a Deus e foi sem temer, sem reclamar da vida, foi por causa do seu amor ao Pai, não que ele fosse sem falhas, mas porque deu o melhor que pôde para viver na presença de Deus. Ele foi abençoado por Deus, e você pode fazer assim também.
Oremos:
1) Pelos homens, para que sejam bênçãos para suas famílias;
2) Para que obedeçam irrestritamente ao nosso Deus;
3) Para que saibam discernir a voz de Deus na liderança espiritual de suas famílias;
4) Para que tomem decisões santas e, assim, façam diferença em meio a uma sociedade corrompida; 5) Para que testemunhem um compromisso firme com o Deus eterno da Bíblia e com os seus valores, que são saudáveis.
 19º Dia
O Homem Saudável tem Relacionamento Saudável com os Amigos
Leitura Diária: Mateus 19
 A Bíblia diz em Provérbios 17:17 “ O amigo em todo o tempo; e para a angústia nasce o irmão”.
Você vive em comunhão com Deus em Cristo Jesus, ama com respeito a sua mulher e a seus filhos, Além disso, como cristão você tem uma igreja local, que é outra família. Você tem ainda amigos no trabalho e na faculdade e tudo isso é o mundo onde você vive em sociedade e tudo isso é benção de Deus também.
A lealdade é parte de uma amizade genuína. Um bom testemunho do cristão vale como grande pregação nos dias de hoje. Para isso você vai precisar de lealdade. A Deus e aos amigos.
Você sabe que o melhor amigo que podemos ter é Jesus. A Bíblia diz em João 15:15 “Já não vos chamo servos, porque o servo não sabe o que faz o seu senhor; mas chamei-vos amigos, porque tudo quanto ouvi de meu Pai vos dei a conhecer”. Sentimos a falta de termos bons amigos, muitos falam que na verdade só tem um ou dois amigos. É que há falta de sinceridade, honestidade, bom caráter e outras pedras preciosas. Apesar de não ser tão fácil, mantenha assim mesmo boas amizades com homens e mulheres seus amigos. Pode uma porta para a evangelização.
Que características necessitamos para ter e ser um bom amigo? A Bíblia diz em Filipenses 2:3, 4 “Nada façais por contenda ou por vanglória, mas com humildade cada um considere os outros superiores a sim mesmo; bênçãos e bens com seus amigos e a até com outros que venham a precisar da sua ajuda cristã. A Bíblia diz em Provérbios que “Mais vale um vizinho que está perto do que um irmão que está longe”. Um amigo de verdade se preocupa conosco de tal forma que tem que ser honesto conosco, mesmo que nos ofenda. Isso é ratificado na leitura de Provérbios 27:6 “ Fiéis são as feridas dum amigo. Mas os beijos dum inimigo são enganosos”. Não cobre dos amigos; seja amigo deles em Cristo Jesus.
Com sua família junto de você a fé em Cristo, dando seu testemunho, acenda a luz de Jesus nas trevas da sociedade sem Deus. Faça amigos e leve-os a Cristo.
Oremos:
1)Pelos homens, para que sejam amigos verdadeiros e leais uns dos outros; 2) Para que desempenhem um bom testemunho de cristão; 3) Para que haja sinceridade, honestidade e bom caráter nos relacionamentos de amizade; 4) Para que os amigos aprendam a compartilhar bênçãos e bens uns com os outros; 5) Para que os homens cristãos estejam abertos a novas amizades com o fim de abrir novas portas para a evangelização.

 20º Dia
O Homem Saudável tem Relacionamento Saudável com a Sociedade
Leitura Diária: Mateus 20
 “Acaso não sabeis que vosso corpo é templo do Espírito Santo que está em vós, qual tendes da parte de Deus, que não sois de vós mesmos? … Agora, pois, glorificai Deus no vosso corpo” ( 1 Co 6.19).
Temos que viver o nosso tempo com os olhos nos princípios da Bíblia, mas não pendurados no passado.
Nosso tempo é hoje e é outro mesmo. Veja que as pessoas, por exemplo, estão hoje numa sala de espera de aeroporto ou de uma clínica de saúde com os olhos nos seus modernos celulares poderosos ligados no mundo e baixando e-mails e fazendo consultas e sem falar sequer com o vizinho: “Bom dia, como vai o senhor”. O meu mundo está fechado só para mim embora eu viva numa sociedade com familiares juntos e separados.
Nos tempos de hoje da sociedade contemporânea tecnológica, com mulheres independentes e homens muito presos aos negócios, os casais ainda esperam viver aquela paixão de cinema ou fazer parte do tradicional “viveram felizes para sempre”. Essa construção ficou ainda mais difícil hoje na ótica do relacionamento.
Estejamos atentos porque essa não é uma missão fácil quando tratamos de sentimentos, pessoas e personalidades diferentes. Manter um relacionamento saudável requer outras condutas além de apenas amar o companheiro. A Bíblia deve ser o modelo, o padrão por excelência, ou vamos ser embrulhados na conspiração que separa os casais e filhos hoje.
Às vezes nos vemos presos demais à sociedade e aos seus valores, seus bens de consumo, e agimos como se fôssemos daqui, mas o que diz a Bíblia? Ela diz que o nosso mundo não é aqui, não fomos feitos para o sofrimento, não fomos feitos para morrer, infelizmente o ser humano deste século tem perdido suas esperanças, tem deixado de lado os seus sonhos, sua família. Talvez você realmente tenha abandonado a sua vida. A nossa pátria é a celestial.
Palavras finais: Deus conhece você, sabe as suas lutas, suas dores, não há nada que Ele não possa fazer, mas onde Ele está? Ele está apenas a uma oração de distância. A oração é a respiração da alma. Se você está sem ar para continuar vivendo, ore. Que Deus lhe dê forças em qualquer situação, em qualquer momento ou em qualquer lugar.
Oremos:
I) Pelos homens, para que tenham relacionamentos saudáveis perante a sociedade; 2) Para que revelem a glória de Deus ao mundo por intermédio de suas vidas; 3) Para que não sejam envolvidos pela conspiração que separa os casais e filhos; 4) Para que não sejam aprisionados pela sociedade e seus valores; 5) Para que vivam como cidadãos da pátria celestial.
 21º Dia
Homem Saudável tem Relacionamento Saudável com a sua Igreja
Leitura Diária: Mateus 21
 Paulo, homem e apóstolo, escreveu: “Rogo-vos, pois, eu, prisioneiro no Senhor, que andeis de modo digno da vocação a que fostes chamados, com toda a humildade mansidão, com longanimidade, suportando-vos uns aos outros em amor, esforçando-vos diligentemente por preservar a unidade do Espírito no vínculo da paz; há somente um corpo e um Espírito, como também fostes chamados numa só esperança da vossa vocação; há um só Senhor, uma só fé, um só batismo; um só Deus Pai de todos, qual é sobre todos, age por meio de todos está em todos” (Efésios 4.1-6).
Por intermédio da Bíblia saberemos o que devemos fazer para sermos ainda melhores em santidade na presença do nosso Deus. Esta é a atitude bíblica exigida dos cristãos para a preservação da unidade, atitude que precisa ser precedida de humildade, mansidão, longanimidade e amor. Sem estas quatro virtudes, o esforço será inútil.
Pertencemos a uma só família: a família de Deus. A sociedade jaz no maligno, mas a igreja ainda é o melhor lugar do mundo, é aos pés do Salvador. Não importa onde vivemos no Brasil, somos irmãos e irmãs com o mesmo Pai. Por causa disso, Deus deseja que sejamos o mais unidos possível.
Algumas vezes isso não é possível (“se possível, quanto depender de vós, tende paz com todos os homens” [Romanos 14.18]), porém devemos fazer o nosso melhor para manter a unidade na família de Deus. Mesmo quando alguém nos ferir e for difícil estar próximo, podemos e devemos perdoar em nosso coração porque aquela pessoa é da família.
Normalmente quando nos deparamos com pessoas que nos confrontam ou afrontam, não compartilham das mesmas ideias que nós ou que até mesmo nos contradizem, geramos resistência a tais pessoas e nossa atitude normalmente é de tentarmos nos afastar o mais rápido possível delas, não é verdade?
Clame ao Senhor nessas horas, peça perdão a Deus e ao seu irmão, seja uma força para o outro ainda que ele seja que tenha falhado, declare o seu amor a Cristo e ao seu irmão e você vai presenciar uma bênção transformadora. Experimente fazer isso.
Oremos:
I) Pelos homens, para que se relacionem de forma saudável com suas igrejas; 2) Para que usem de humildade, mansidão, longanimidade e amor na vida em comunidade; 3) Para que saibam preservar a unidade da igreja; 4) Para que estejam dispostos a pedir perdão e a perdoar-se mutuamente; 5) Para que os homens sejam bênçãos em suas igrejas e sejam exemplos de vida para adolescentes e jovens.

22º Dia
O Homem Saudável Testemunha de Cristo a Outras Pessoas
Leitura Diária: Mateus 22
“Como, porém, invocarão aquele em quem não creram? E como crerão naquele de quem nada ouviram? E como ouvirão se não há quem pregue? E como pregarão se não forem enviados? Como está escrito: Quão formosos são os pés dos que anunciam coisas boas!”(Rm 10.14, I 5).
Amados, por que será que quando nos encontramos com Cristo, graciosamente recebemos a salvação, não fomos levados logo para a nossa casa, o céu? Porque o Pai nos manteve aqui com o propósito de implantar o seu Reino! Eu e você somos os instrumentos, os vocacionados por Ele para o seu projeto na terra. Por isso a Palavra de Deus, levando salvação, precisa ser pregada em toda a terra. Por homens e mulheres salvos por Jesus.
Uma testemunha é alguém que dá testemunho, alguém que testifica algo que sabe por experiência pessoal. O testemunho pessoal do cristão em relação à obra de Deus em sua vida pode ser muito poderoso. Certo dia, Jesus curou um homem possesso (Mc 5.1-19). Quando o homem curado quis seguir Jesus, o Senhor lhe disse: “Vá para casa, para a sua família e anuncie-Ihes quanto o Senhor fez por você e como teve misericórdia de você” (Mc 5.19).
Fica claro que a soberania de Deus é absoluta, resultando na salvação daqueles que mereciam a condenação eterna, mas se arrependem e aceitam a salvação que Ele oferece mediante a morte do seu Filho. Essa é a medida da sua graça. Deus ama a humanidade e quer que todos sejam salvos, mas não pode salvar os que rejeitam a salvação que Ele providenciou. O homem carcereiro de Filipos foi salvo com a sua família (Atos 16.31).
Homens de todo o Brasil, vale a pena investir todas as nossas energias para viver e difundir a proposta do Reino de Deus, pois ela garante uma vida de muita paz e alegria. Jesus morreu por esta causa. Venceu a morte, ressuscitou e nos enviou o Espírito Santo. O testemunho de Jesus Cristo vai sendo difundido em todo mundo, pelos seus seguidores, com muita coragem.
Precisamos nos mover, sair da paralisia e anunciar as verdades do reino de Deus para todos os povos.
A ordem, o comando já foi dado a cada um de nós, e que o Espírito de Deus nos instrua e fortaleça nessa importante tarefa. Que Ele nos abençoe. Amém.
Oremos:
I) Pelos homens, para que sejam testemunhas fiéis de Cristo a outras pessoas; 2) Para que sejam pregadores do evangelho e sustentadores da obra missionária em toda a terra; 3) Para que sejam corajosos na difusão da proposta do reino de Deus na terra; 4) Para que sejam instruídos pelo Espírito de Deus e fortalecidos nessa importante tarefa; 5) Para que mais homens aceitem os desafios do campo missionário.

23º Dia   
Mulheres Saudáveis têm Relacionamento Saudável com Deus
Leitura Diária: Mateus 23
“Respondeu-lhe Senhor: Marta! Marta! Andas inquieta e te preocupas com muitas coisas. Entretanto, pouco é necessário ou mesmo uma só coisa; Maria, pois, escolheu a boa parte, esta não lhe será tirada” (Lucas 10.41,42).
Relacionamento é convivência com outra pessoa. Nós, mulheres, temos muitos afazeres dentro e fora de nossa casa. Os afazeres que temos geralmente não são coisas ruins. A exemplo disso temos o texto que citamos da ocasião em que Jesus estava na casa de Marta e Maria. Marta estava fazendo uma coisa boa, pensando no bem-estar de Jesus, preparando um banquete digno do Senhor, porém, foi exortada com a Palavra de Jesus, quando disse que um prato seria suficiente e que Maria havia escolhido a boa parte. Jesus deu a Ela a oportunidade de entender a necessidade de priorizar o relacionamento com Deus.
Hoje não é diferente! Temos muitas coisas a fazer! E são coisas boas, porém a Palavra de Deus nos adverte: “Precisamos escolher a boa parte! Nesses 100 Dias de Oração pela Família, precisamos glorificar a Deus, priorizando nosso relacionamento com Ele, buscando-o sempre em primeiro lugar em nossa vida. É necessário separarmos um tempo diário para leitura e meditação da Palavra de Deus, buscando-o em oração para crescermos em nossa intimidade com Ele. “buscai, pois, em primeiro lugar, o seu reino e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas” (Mateus 6.33).
Deus quer falar conosco e isso acontece também nos momentos de oração pessoal com Ele. Vale a pena Experimentar!
 Oremos:
I) Para que cada membro da família prefira estar com o Senhor Jesus e ouvi-lo; 2) Para que cada membro da família rejeite a atitude de preocupar-se com muitas coisas e se esquecer de Deus; 3) Para que tenhamos muito bom relacionamento com cada membro de nossa família; 4) Para que não entendamos mal a atitude de Maria e, por outro lado, deixemos de cumprir nossas tarefas do lar.; 5) Para que as nossas muitas preocupações nos levem a orar sem cessar.

24º Dia  
Mulheres Saudáveis têm Relacionamento Saudável com o Marido
Leitura Diária: Mateus 24
“Então Senhor Deus declarou: Não é bom que o homem esteja só; farei para ele alguém que o auxilie lhe corresponda” (Gênesis 2.18).
Para sermos mulheres saudáveis precisamos glorificar a Deus, buscando um relacionamento saudável com nosso marido. Fomos criadas por Deus para sermos auxiliadoras e o mais maravilhoso é que fomos indicadas por Deus para cumprir essa linda tarefa junto do nosso companheiro.
Precisamos buscar um relacionamento saudável de companheirismo, estando sempre ao lado dele em todas as situações, procurando sempre ser uma esposa mais afável e satisfeita com o que tem. Precisamos também mostrar para ele apoio, permitindo que ele perceba que estamos junto com ele sempre. Precisamos incentivá-lo e encorajá-lo nos momentos de turbulência que às vezes recaem sobre o casal, buscando diariamente uma comunicação saudável, conversando sobre os assuntos que ele necessita expor, pedindo a Deus para nos ajudar a ouvi-Io e não somente falar, compreendendo as inquietações que a vida, o trabalho, o ministério que ele realiza trazem sobre seus ombros.
Acima de tudo, o que mais nos ajuda a permanecer nesse relacionamento saudável com ele é orar diariamente por ele. Ter um tempo de conversa com Deus quando vamos entregar a Deus a vida daquele que Ele nos deu como esposo. Devemos também, como mulheres que glorificam a Deus, orar com ele, escolhendo o melhor horário para ele para orar juntos diariamente. Esse tempo de oração juntos faz uma grande diferença dentro do lar. Como mulher que glorifica a Deus, precisamos a cada dia buscar esse relacionamento saudável com nosso marido. Está em nossas mãos porque Deus nos fez para sermos essa auxiliadora em todos os momentos. É desejo de Deus fazer de cada uma de nós essa mulher!
Oremos:
I) Por mulheres que sejam verdadeiras ajudadoras de seus maridos a fim de que eles nunca se sintam sós; 2) Para que as esposas sejam mulheres saudáveis e dispostas a auxiliarem seus maridos: 3) Para que as turbulências entre casais não impeçam a boa comunicação entre eles; 4) Para que os casais leiam a Bíblia e orem juntos diariamente e como prioridade absoluta; 5) Por esposas que busquem estar a sós com Deus muito cedo, diariamente.

25º Dia   
Mulheres Saudáveis têm Relacionamento Saudável com a Família
Leitura Diária: Mateus 25
“Corra ao seu encontro e pergunte ela: Está tudo bem com você? Tudo bem com seu marido? E com seu filho? Ela respondeu: Está tudo bem” (2Reis 4.26).
A mulher que deseja glorificar a Deus na sua família por intermédio de um relacionamento saudável precisa buscar em Deus sabedoria suficiente dada por Ele para responder de acordo com a sua vontade. “A mulher sábia edifica a sua casa” (Provérbios 3 1.10).
Nesses 100 dias de oração, precisamos buscar a Deus, orar com nossa família, nos esforçar para resgatar o culto doméstico, buscando a Deus, pedindo sabedoria conforme Tiago 1.5: “Quem tem falta de sabedoria, peça a Deus que a todos dá liberalmente”. A mulher citada no texto em destaque responde: “vai tudo bem”. Ela estava aguardando a solução das dificuldades por meio do homem de Deus e por isso, respondeu “vai tudo bem”, que quer dizer: paz, saúde e prosperidade. Quando a mulher vai bem com seu marido ela influencia bem para toda a família. Por isso precisamos, como mulheres de Deus, nos entregar juntamente com o nosso cônjuge aos cuidados do Senhor e fazer com alegria o que Ele diz que é certo e melhor, sabendo que nossa esperança descansa no poder de Deus e não no nosso próprio poder.
Tenho experiência na minha própria família quando minha mãe tinha os joelhos marcados pela oração a favor de seus filhos e como resposta a essa oração em família, meus irmãos e eu também estamos no Senhor e eu tenho a grande alegria de ser fruto dessa vida de intercessão em família. Precisamos ter um Brasil melhor e isso precisa começar pela família. Vamos ser a mulher saudável que Deus deseja tendo um relacionamento saudável com nossa família.
Oremos:
I) Para que cada esposa saiba realmente como está o seu marido e vice-versa; 2 ) Por esposas que nunca esqueçam que “a mulher sábia edifica a sua casa” e vençam os problemas; 3) Por mulheres que glorifiquem a Deus e influenciem toda a família a fazer o mesmo; 4) Por mulheres que resgatem o alegre momento do culto doméstico diário em seus lares; 5) Por mulheres que tenham seus joelhos marcados por orações por si, seu esposo e seus filhos.

26º Dia  
Mulheres Saudáveis tem Relacionamento Saudável com os Amigos
Leitura Diária: Mateus 26
“O amigo ama em todos os momentos; é um irmão na adversidade” (Provérbios 17.17).
Como mulher cristã que tem desejo de glorificar a Deus diante de seus amigos, devemos estar ligadas no melhor amigo, que é Jesus. Tendo como modelo o Senhor Jesus, temos possibilidade de ser uma mulher saudável diante dos amigos que temos. Deus nos fez para vivermos na dependência um do outro. Ninguém vive só. Deus tem colocado pessoas diante de nós para sermos amigos e demonstrar a essas pessoas que podemos glorificar a Deus por intermédio de nosso relacionamento. Você tem que cultivar suas amizades diariamente. Todo relacionamento saudável é construído com respeito, com amor, com sinceridade …
Assim deve ser nosso relacionamento com as pessoas que nos cercam para que possamos, por meio dele, glorificar a Deus. Precisamos cultivar um relacionamento saudável e sincero, com interesses que não se limitem aos interesses pessoais, mas interesse em ver as pessoas bem, interesse sincero de crescer com a experiência dos outros e aprender com os mais experientes que o que mais vale na vida não é dinheiro, nem fama, nem ao menos sucesso, mas a felicidade que transcende tudo isso.
Aquele prazer de deitar numa cama ao fim de um longo dia e pensar que ajudou as pessoas, que não feriu nem magoou ninguém e que as pessoas admiram você não pelo o que você parece ser aos outros, mas pelo que você realmente é, uma mulher que luta para glorificar a Deus por meio de um relacionamento saudável. Devemos não só cultivar os amigos que temos, mas termos um objetivo de fazer novos amigos, sempre procurando dar atenção e ajudar no que for possível, “para que vejam as nossas boas obras e glorifiquem ao nosso Pai, que está nos céus”. Sugiro que nesses 100 dias de oração, façamos uma lista de nossos amigos para orar por eles, para que todos se tornem pessoas que venham a glorificar a Deus. Pense nisso!
Oremos:
I) Para que em qualquer momento sejamos verdadeiros amigos dos que nos pedem socorro; 2) Para que encontremos verdadeiros amigos em momentos de adversidades; 3) Para cultivarmos amizades construídas com respeito, amor e sinceridade; 4) Para que ao deitarmos em nossas camas possamos estar certos de que não magoamos ninguém; 5) Para que tenhamos uma lista de oração com nomes de amigos para intercessão diária.


27º Dia  

Mulheres Saudáveis têm Relacionamento Saudável com a Sociedade
Leitura Diária: Mateus 27
“Não se amoldem ao padrão deste mundo, mas transformem-se pela renovação da sua mente, para que sejam capazes de experimentar comprovar boa, agradável perfeita vontade de Deus” (Romanos 12.2).
Para sermos mulheres saudáveis que glorifiquem a Deus teremos que viver em contraste com os moldes do mundo, e assim vamos poder mostrar a todos que temos condições de ter relacionamentos saudáveis numa sociedade corrompida, porque vamos firmar a bandeira de Cristo diante de tanta podridão aconteci da no mundo em que vivemos.
Percebemos em nossa sociedade pessoas frustradas nas áreas afetivas pelo meio em que vivem. Muitas vezes desistimos das pessoas tão facilmente como se fossem objetos, ao passo que a Bíblia nos ensina que Deus não desiste de nós. Em 1João 4.20 diz: “Se alguém afirmar: Eu amo a Deus, mas odiar seu irmão, a quem vê, não pode amar a Deus, a quem não vê”. Como amar a Deus e nos relacionar com Ele se não conseguimos nos relacionar com o nosso próximo?
Independentemente do período da sua vida você pode dizer: “EU NÃO ESTOU SÓ”, gerando cura pessoal, amizades saudáveis e relacionamentos cristãos. Como mulher saudável que deseja glorificar a Deus por intermédio de relacionamento saudável na sociedade, precisamos ser sal e luz. Uma das características do sal é a cura, não somente para dar sabor, mas também para dar saúde em uma sociedade tão corrompida. Onde passarmos, onde falarmos, onde vivemos vamos espalhar o sal para que as pessoas percebam que temos algo em nós que ajuda a não estragar o ambiente.
Durante os 100 dias de oração, vamos tirar tempo para pedir a Deus que nos use na transformação de nossa sociedade. Não podemos nos conformar, precisamos transformar.
Oremos:
I) Para que as mulheres glorifiquem a Deus pela renovação diária de suas mentes; 2) Para que as mulheres não se amoldem aos padrões do mundo; 3) Para que não desistamos de ajudar com a Palavra pessoas frustradas afetivamente ao nosso redor; 4) Para que, como sal, levemos cura e sabor a uma sociedade tão corrompida; 5) Para que em qualquer instante da vida possamos dizer:
“EU NÃO ESTOU SÓ.”


28º Dia   

Mulheres Saudáveis têm Relacionamento Saudável com a Igreja
Leitura Diária: Mateus 28
~~E peço também a você, leal companheiro de jugo, que ajude a essas mulheres, pois lutamao meu lado na causa do evangelho” (Filipenses 4.3a).
A mulher tem grande responsabilidade na vida da igreja porque, como parte do corpo de Cristo, ela precisa desempenhar seu papel em servir aos outros. Como filhos de Deus, somos chamados na Bíblia de pedras vivas, geração eleita, sacerdócio real, povo adquirido, nação santa. Precisamos viver dentro da igreja a comunhão com os irmãos para que o mundo veja em nós pessoas que estão imitando Jesus.
No texto em destaque percebemos o quanto as mulheres ajudavam na obra missionária. Missões começa dentro da igreja e vai até os confins da terra. Precisamos ser luzeiro de primeira grandeza, precisamos ser intercessores, formando assim um grande exército que mantém acesa a chama da fé, para que o inimigo não prevaleça, levando-nos a derrotas. Precisamos estar prontas a dar nosso ombro uns aos outros para que sinais e maravilhas continuem acontecendo em nosso meio.
O relacionamento saudável dentro de nossas igrejas é de fundamental necessidade, para que mais rapidamente possamos conquistar nossa pátria para Cristo. A mulher cristã como esposa, mãe ou filha, precisa ser exemplo para que por intermédio de sua atuação na igreja, pessoas possam perceber como vale a pena seguir a Jesus.
Nesses 100 dias de oração, vamos continuar com mais determinação, glorificando a Deus por meio de relacionamentos saudáveis em nossas igrejas. Vamos orar para que isso venha se tornar real em todas as igrejas do Brasil. Deus quer fazer uma grande obra em nosso meio. Precisamos alargar nossas fronteiras para além de nossos limites atuais. Precisamos ir até a ponta do galho da árvore, pois nossa confiança está posta no Senhor e Ele vai nos sustentar. Relacionamento saudável na igreja precisa ser visível para que o nome de Jesus seja cada dia mais engrandecido. Para isso Deus quer usá-Ia. Você está disposta?
Oremos:
I) Para que as mulheres amem com toda a força de seus corações a amada noiva de Cristo – a igreja; 2) Para que as mulheres de hoje reproduzam a vida daquelas que lutaram pela causa do evangelho; 3) Para que nas igrejas as mulheres sejam sempre símbolo da perfeita comunhão entre os irmãos; 4) Por que mulheres sejam operosas obreiras na causa do Senhor; 5) Por mulheres que possam ser chamadas filhas de Deus, por serem pacificadoras dentro da igreja

29º Dia

Mulheres Saudáveis têm Relacionamento Saudável com Outras
Leitura Diária: Marcos 1
“Então, deixando o seu cântaro, mulher voltou à cidade disse ao povo: Venham conhecer um homem que me disse tudo quanto tenho feito. Será que Ele não é o Cristo?” (joâo 4.29).
Deus espera que sejamos um luzeiro de primeira grandeza. Esse luzeiro precisa ser tão forte que atinja

nossa família, nossa rua, nosso bairro, nossa cidade, nosso estado, o Brasil e até os confins da terra. O Poder já temos, a mensagem já temos, a experiência de Jesus em nós já temos, agora é obedecer à ordem deixada para todos nós: “Ser Testemunha”.
Como missionária dos batistas brasileiros, tenho a alegria de dizer que estou cumprindo a missão que recebi desde que nasci em Cristo, isto é, desde o dia que aceitei Cristo como meu Salvador pessoal. A Bíblia é clara em dizer que uma alma vale mais que o mundo todo. No Nordeste, onde trabalhei mais de 24 anos na plantação de igrejas, no Sudeste, onde estou atualmente, percebo que a carência de Deus nas vidas é a mesma em toda a parte. Assim como a mulher samaritana deixou o cântaro, devemos deixar tudo o que nos impede para anunciar Jesus Cristo à cidade.
Como mulheres saudáveis que precisamos ser, temos que testemunhar de Cristo. Onde vivemos, onde moramos, onde trabalhamos, em todos os lugares existem pessoas aguardando por nossas atitudes. Estava no metrô em São Paulo e comecei a orar pelas pessoas que estavam perto de mim. Deus então me fez sentir que eu deveria não apenas orar, mas também testemunhar. Dirigi-me a um senhor para falar a ele sobre Jesus. Ele correu de mim. Ficou com medo que eu fosse alguém que estaria com intenção ruim, mas finalmente, depois de correr atrás dele na estação, consegui chegar perto dele. Ele muito sério me perguntou por que eu estava perseguindo a ele. Então eu disse que tinha um recado para falar a ele e era Deus quem tinha mandado esse recado. Ele ficou calado, ouvindo o recado de Deus e dentro de 15 minutos, ele estava entregando sua vida a Cristo Jesus. Deus quer usar a sua vida para testemunhar dEle às outras pessoas.
Nesses 100 dias de oração, vamos estar diante de Deus pedindo que Ele nos use com poder para que outras pessoas venham conhecer a Jesus como Salvador e Senhor de suas vidas. Vamos aceitar mais esse desafio?



Oremos:
1) Por mulheres que sejam luzeiros de primeira grandeza em seus lares, vizinhança e em suas igrejas; 2)Por mulheres que sejam fiéis testemunhas de Cristo onde colocarem os seus pés, a começar no lar; 3)Por mulheres que não se envergonhem de testemunhar de Cristo onde estudam e trabalham; 4) Por mulheres que se esforcem em não falhar de orar nestes 100 dias de oração pela família; 5) Por mulheres que envolvam toda a sua família e sua igreja a participar dos 100 dias de oração.

30º dia

Amor no Casamento
Leitura Diária: Marcos 2
Talvez você conheça as palavras gregas para designar o amor, que são “ágape”, “philos” e “eros”, A primeira, ágape, se refere ao amor sacrificial, doador. A segunda denota o amor entre amigos. A terceira, “eros” o amor entre um homem e uma mulher, o amor erótico. Mas você conhece as palavras que o hebraico tem para a palavra amor? Também são bem significativas.
A primeira delas é “raiva”. Esta palavra denota o amor que se demonstra pela amizade, companheirismo.
Um casal precisa cultivar este tipo de amor. Quando Deus criou a mulher e a deu ao homem, estava presente este desejo. Deus criou o casamento para haver companheirismo entre homem e mulher. Um casamento em que não haja amizade, companheirismo o propósito divino não está sendo realizado.
A outra palavra “ahavá”. Esta palavra hebraica designa o amor em que um está voltado para o outro. O coração, tanto do marido quanto da esposa, está um voltado para o outro. Há afeto, compromisso de união. É um amor forte (Ct 8.6).
A terceira palavra é “dod”, Esta palavra se aplica ao amor físico entre um homem e uma mulher no contexto do casamento. É a palavra que corresponde a “eros”, no grego.
No casamento o amor é o alicerce que sustenta a relação. Paulo em Coríntios 13 resume como deve ser este amor: paciente, benigno, sem ciúmes, não orgulhoso, despojado de interesse mesquinho, não irritante, alegre e duradouro (I Co 13.4-13). Um amor assim, que só pode ter sua origem no próprio Deus, fará do casamento um testemunho vivo da teologia bíblica do casamento para os filhos, amigos e para toda a sociedade. O mundo carece deste modelo de casamento e se não encontrar nos casais cristãos, em quem mais poderá encontrar? Portanto, para cultivar este tipo de casamento só mesmo buscando na eterna fonte de todo o amor, Deus, porque Ele é amor (I Jo 4.8).

Oremos:
1)      Para que os casamentos sejam cercados sempre de um amor verdadeiro;
2)      Para que os cônjuges sejam genuínos companheiros e amigos uns dos outros;
3)      Para que haja cada vez mais afeto, compromisso e satisfação na união conjugal;
4)      Para que marido e mulher desenvolvam mais as características do verdadeiro amor conforme I Coríntios 13;
5)      Para que os nossos casamentos sejam um testemunho vivo das verdades de Deus sobre o matrimônio.

Escritor: Pr. Gilson Bifano  (Ministério OIKOS)

31º Dia
Compreensão no Casamento
Leitura Diária: Marcos 3
Existe um pensamento do psicólogo Jacob Levy Moreno (1889-1974) que pode ajudar muito os casais no cultivo da compreensão mútua. Jacob Moreno escreveu: “Um encontro de dois: olho no olho, face a face. E, quando estiveres perto, arrancarei teus olhos e os colocarei no lugar dos meus; e tu arrancarás meus olhos e os colocarás no lugar dos teus. Então olhar-te-ei com os teus olhos e tu me olharás com os meus”. Com estas palavras, ele acreditava na inversão dos papéis para se ter um melhor nível de relacionamento humano. Mas, antes dele, Deus já deixava claro que esse é o entendimento. Pedro, um apóstolo casado, escreveu sobre a importância desta atitude para a vida a dois (I Pd 3.7). Compreender o cônjuge é essencial para viver um casamento feliz e duradouro.
A essência da compreensão está em Gênesis 2.7; 18-22. Ambos foram criados de matéria-prima diferente. O homem, do pó da terra; a mulher, da costela do homem. Homens e mulheres são diferentes em sua essência. Compreender esta verdade é questão básica para a vida a dois. Homens e mulheres são diferentes nos aspectos físicos, espirituais, emocionais e sociais. Muitas das diferenças foram sendo arraigadas pela cultura, mas muitas delas têm a sua origem na própria criação.
Entender que o cônjuge é diferente na maneira de ver o sexo e a sexualidade, por exemplo, fará toda a diferença e proporcionará uma harmonia nesta área da vida. Essas diferenças são na essência originária da criação, outras são culturais e religiosas. No aspecto financeiro, por exemplo, homens e mulheres encaram o dinheiro de maneira diferente. Para a mulher, dinheiro é sinônimo de estabilidade, segurança. Para homem pode significar poder. A recomendação de ser viver com entendimento em I Pedro 3.7 embora seja dirigida aos maridos, pode ser aplicada às esposas também. Siga a recomendação de Jacob Moreno e, acima de tudo, do conselho bíblico para ter um casamento aprovado por Deus.

Oremos:
 1)      Para que haja mais compreensão entre os cônjuges;
2)      Para que marido e mulher saibam compreender e respeitar suas diferenças;
3)      Para que haja mais harmonia sexual no casamento;
4)      Para que os casais sejam parceiros na administração das finanças;
5)      Para que os nossos casamentos sejam aprovados por Deus.
 Escritor: Pr. Gilson Bifano  (Ministério OIKOS)

32º Dia
Diálogo Saudável
Leitura Diária: Marcos 4
Em qualquer relacionamento o diálogo é fundamental para sua manutenção. No relacionamento de Deus com o homem, antes da queda, a comunicação já estava presente. No cair da tarde, Deus se apresentava para dialogar com o homem (Gn 3.8). Com a queda, o diálogo saudável, por parte de Deus, sempre esteve presente (Hb 1.1). Já no Novo Testamento, Deus se comunicou com o homem por intermédio do Verbo (que no grego quer dizer ‘Jogos’ = palavra). O mesmo deve acontecer no relacionamento marido e esposa. O diálogo é fundamental para se manter um casamento de qualidade, mas quais são as características de um diálogo saudável?
Vamos tomar, por exemplo, a clássica toalha molhada sobre a cama. Num diálogo saudável evita-se a acusação. Ao invés de a esposa dizer (pois é quase sempre o homem que faz isto), “você sempre deixa a toalha molhada sobre a cama!”. A esposa procura dizer: “Querido, eu fico muito cansada com mais esta tarefa de sempre levar a toalha molhada para o banheiro novamente”. Percebeu? Num diálogo saudável, ao invés de acusar, a esposa procura externar seus sentimentos.
Também não deve haver gritaria. “EU NÃO AGUENTO MAIS COM ESTA TOALHA MOLHADA EM CIMA DA CAMA TODAS AS VEZES QUE VOCÊ TOMA BANHO”. Gritar não resolve, além de ser uma atitude que devemos tirar de nossa nova vida em Cristo (Ef 4.3 I). Além do mais, nesta frase pode estar presente a mentira. Será mesmo que todas as vezes o marido deixa a toalha molhada sobre a cama?
O marido, por sua vez, deve estar pronto para ouvir e responder com mansidão e procurar cooperar para não causar irritação à esposa. Um conselho de ouro para cultivar o diálogo saudável está em Provérbios 15.1. Se os casais colocassem em prática este conselho bíblico o casamento daria, com certeza, um salto de qualidade. Usei o exemplo da toalha molhada. Poderia ter usado a clássica demora das mulheres em se arrumar.

Oremos:
1) Por mais diálogo no casamento;
2) Para que marido e mulher evitem a acusação;
3) Para que os cônjuges sejam amorosos, razoáveis e construtivos nas críticas;
4) Para que estejam prontos a ouvir e cooperar para a não irritação do outro;
5) Para que marido e mulher sempre se respondam de forma branda.
 Escritor: Pr. Gilson Bifano  (Ministério OIKOS)

33º Dia
Perdão no Casamento
Leitura Diária: Marcos 5
Dr. Russell Shedd, expositor bíblico conhecido em nosso país e fora dele, disse, num tom humorístico, que quando Jesus disse que deveríamos perdoar setenta vezes sete pensava no casamento (Mt 18.21-35). Acho que o Dr. Russel Shedd tem razão, pois a pergunta sobre perdão partiu de Pedro, um discípulo casado (Mc 1.29-39).
É claro que Jesus usou estas palavras para mostrar que é importante, em todos os relacionamentos humanos, perdoar sempre. Mas é no casamento, seguramente, que devemos nos lembrar das palavras de nosso Salvador.
Quando dois pecadores, como é caso de um homem e uma mulher, resolvem firmar o compromisso do casamento, esta recomendação de Jesus deve ser vivida todos os dias.
Desmont Tutu, bispo anglicano sul-africano, disse certa vez, num momento crítico de seu país, uma frase profunda: “Sem perdão não há futuro para relacionamento entre indivíduos nem entre nações”.
Sem perdão não há futuro para os casamentos!
Entretanto, perdoar não é esquecer. Isto se chama amnésia. Perdão pode ser como uma cicatriz. Está ali presente, deixando uma marca, mas não exerce nenhuma influência sobre o sistema imunológico da pessoa. A ferida foi cicatrizada. Quando perdoamos, a ofensa, embora possa ser recordada, não tem mais influência sobre a vida do casal. Passou!
Quando perdoamos também não significa que aprovamos a ofensa. Não. O ato praticado é condenável, mas foi perdoado.
Perdoar é deixar de exercer o direito de fazer a justiça com as próprias mãos.
Na Bíblia encontramos vários ensinamentos sobre o perdão. Nossas orações não serão ouvidas se não perdoarmos ao outro (Mc 11.25,26), Deus é o exemplo perfeito de disposição para perdoar (SI 86.5). Tolerância e perdão são duas atitudes importantes para qualquer relacionamento, especialmente no casamento (Cl 3.13). Quer ter suas faltas perdoadas pelo cônjuge, então perdoe também, pois este é o ensino bíblico (Mt 6.12).

Oremos:
1) Por mais perdão no casamento;
2) Para que o perdão seja ministrado entre os cônjuges de maneira bíblica;
3) Para que marido e mulher vençam a tentação da vingança;
4) Para que haja mais tolerância entre os consortes;
5) Para que Deus promova restauração nos corações e nos relacionamentos devastados pela falta de perdão.
 Escritor: Pr. Gilson Bifano  (Ministério OIKOS)

34º Dia
Santidade no Casamento
Leitura Diária: Marcos 6
Viver a santidade no casamento é um desafio. As impurezas (pecados) tendem se incrustar em todos os compartimentos da vida conjugal.
Na vida financeira, por exemplo, o pecado pode estar presente na forma de propina, da sonegação, de retenção do dízimo (At 5.1-1 I).
Na vida sexual, a impureza está presente quando há egoísmo, pornografia, adultério, fornicação e outros pecados (I Co 6.15-20).
Nos relacionamentos com as famílias de origem o pecado está presente quando há amargura, falta de perdão, maledicência (GI 5.19-21).
Gosto muito do conceito da “tenda sagrada do casamento”, de Gary Smaley, autor americano. Para ele, quando um casal chama Deus para fazer parte da vida conjugal está construindo uma tenda sagrada.
Um casal que deseja realmente deixar um legado para os filhos e netos, deve cultivar a presença de Deus em todas as áreas da vida a dois.
Para cultivar a santidade no casamento só tem um jeito: cultivar a presença de Deus. Deus não habita onde há pecado porque Ele é Santo (I Pd 1.16).
Participar dos trabalhos da igreja é importante, ter um código de ética elevada também ajuda, mas é só com a presença de Deus nos corações que os cônjuges conseguirão evitar o pecado e viver a santidade que Deus deseja para a vida a dois.
Viver a santidade no casamento além de agradar a Deus, porque Ele é santo, há de causar um impacto na vida dos filhos e de todos que estiverem ao redor.
Paulo ao escrever sua carta aos Tessalonicenses exortou-os a viver uma vida de santidade (I Ts. 4.7). Esta é a vontade de Deus para todos, solteiros e casados. A luta contra o pecado, que tenta se alojar no coração de homens e mulheres, é grande e constante. Só tendo Deus presente no casamento é que a santidade será uma realidade.

Oremos:
1) Por mais santidade no casamento;
2) Para que os casais sejam santos na vida financeira;
3) Para que haja mais pureza na vida sexual no casamento;
4) Para que marido e mulher desenvolvam relacionamentos saudáveis com os familiares de seus cônjuges;
5) Para que nossos casamentos cultivem sempre a presença de Deus.
 Escritor: Pr. Gilson Bifano  (Ministério OIKOS)

35º Dia
Sexualidade Saudável
Leitura Diária: Marcos 7
Vivemos numa sociedade erotizada. Esta erotização tem levado muitas pessoas, inclusive crentes, a desenvolverem uma sexualidade doentia.
Antes de aprofundar o assunto é preciso afirmar que sexualidade é mais do que relações sexuais. Sexualidade é um componente da personalidade de um indivíduo, do seu modo de ser, de se comunicar, de experimentar as sensações dos sentidos, de se expressar e viver a vida, de ver a si mesmo, de se aceitar como pessoa.
A sexualidade está presente desde o nascimento até a morte.
Casais de desejam viver uma sexualidade saudável devem ter a percepção de que quando andam de mãos dadas, por exemplo, estão desenvolvendo uma sexualidade saudável. Lembrem-se sempre, casados, que sexualidade é mais do que relação sexual.
Mas é certo que quando se cultiva uma sexualidade sadia a relação sexual recebe seus benefícios.
O apóstolo Paulo em I Coríntios 7.1-6 nos dá alguns conselhos sobre como viver o sexo e a sexualidade no casamento.
Casais devem saber que um dos propósitos de Deus para o sexo é evitar a imoralidade (v2), que ambos, marido e esposa, devem procurar proporcionar prazer sexual um ao outro (v 3), os corpos se pertencem mutuamente (v 4). A interrupção das relações sexuais deve ser evitada, salvo por mútuo consentimento, mesmo assim por pouco tempo para um fim específico (v 5). Casais devem saber que são alvos das tentações sexuais (v 5).
A Bíblia fala também que na vida sexual do casal devem estar presentes o romance (leia com seu cônjuge Cantares de Salomão), a alegria (Pv 5.17-19), a pureza (I Co 6.18; Hb 13.4) e, embora esquecido nos dias de hoje, o desejo de procriação, pois Deus criou o sexo também para este propósito (Gn 1.27,28).
A Bíblia não é manual para vida sexual do casal, mas nestes textos e em tantos outros podemos encontrar conselhos para o casal viver, no contexto do casamento, uma vida sexual saudável.


Oremos:
1) Por uma sexualidade saudável;
2) Para que Deus ajude os casados a evitar a imoralidade;
3) Para que Deus proporcione aos casais uma vida sexual saudável;
4) Para que marido e mulher se fortaleçam no Senhor para vencer as tentações na área sexual;
5) Para que cresça o nível de romance nos casamentos.
 Escritor: Pr. Gilson Bifano  (Ministério OIKOS)

36º Dia
Vida Financeira Saudável
Leitura Diária: Marcos 8
Você sabia que, na Bíblia, existem mais de 3.600 citações sobre dinheiro, riqueza e bens materiais? Você sabia que Jesus falou, para seus discípulos, mais sobre dinheiro, riqueza e bens materiais do que em fé e oração? Dezesseis das trinta e oito parábolas contadas por Jesus tiveram o dinheiro, bens materiais como ponto de partida.
Será por quê?
Com certeza, Deus conhece o seu e o meu coração. Ele sabe que o dinheiro pode se tornar, para o homem e para a mulher, um problema sério tanto para a vida individual, como para o próprio casamento.
John Gotmann, especialista americano na área de família e casamento, pesquisou a vida conjugal de 3 mil casais e chegou a uma conclusão interessante. A primeira fonte de conflitos conjugais não é sexo, mas o dinheiro. Não importa, segundo John Gotmann, se o casal ganha muito ou pouco. Se não souber lidar com ele, o dinheiro se tornará um problema sério para a qualidade de vida conjugal que Deus deseja para os casais.
Só nos Evangelhos podemos encontrar alguns ensinamentos seguros oferecidos por Jesus. O dinheiro é importante, mas jamais deve ocupar o primeiro lugar de nossas vidas (Mateus 6.24). Nossa fonte de sustento não está no dinheiro, mas em Deus (Mateus 6.25). Jesus jamais condenou a riqueza, mas deixou claro que pode ser um sério empecilho para a salvação (Mateus 19.23).
O apóstolo Paulo também se preocupou em ensinar sobre o tema. O casal cristão deve saber que deve tomar cuidado com o desejo ardente de ganhar dinheiro (ITm 6.7-10). Deus nos dá dinheiro para, além de manter a família, usar no sustento de sua causa (Fp 4.14-16). Dinheiro não cai do céu, mas é fruto de trabalho (ITs 3.8-12).
Casais, sejam sábios com o uso do dinheiro no casamento. Lembrem-se da história de Ananias e Safira (At 5.1-1 I).

Oremos:
1) Por uma vida financeira saudável no casamento;
2) Para que o dinheiro não ocupe o primeiro lugar na vida dos casais;
3) Para que os cônjuges percebam em Deus a fonte de sustento;
4) Para que os corações de marido e mulher não sejam apanhados pelas garras da cobiça;
5) Para que os casais tenham saúde e disposição para o trabalho e sejam sábios na utilização de seus salários. 
Escritor: Pr. Gilson Bifano  (Ministério OIKOS)
37º Dia
Exemplo de Comunhão com Deus
Leitura Diária: Marcos 9
“Decorrido o turno de dias de seus banquetes, chamava Jó a seus filhos e os santificava; levantava-se de madrugada e oferecia holocaustos segundo o número de todos eles, pois dizia: Talvez tenham pecado os meus filhos e blasfemado contra Deus em seu coração. Assim o fazia Jó continua- mente” Jó 1.5).
Podemos começar afirmando que a função dos pais, na família, assemelha-se à função sacerdotal, no sentido de que deve servir como promotor da devoção familiar e da comunhão do seu lar com o Senhor.
O sacerdote, a rigor, era aquele que intercedia pelo povo e, ao mesmo tempo, auxiliava os frequentadores do templo no cumprimento dos preceitos litúrgicos de adoração, contrição e serviço a Deus.
A função sacerdotal foi extinta a partir do sacrifício oferecido por Cristo. Ele não era apenas o Cordeiro de Deus que estava sendo sacrificado, mas também – como ensina a Carta aos Hebreus – o sacerdote que oferecia ao Senhor um sacrifício eterno para a remissão dos pecados do mundo (Hebreus 4.14-16).
Por isso, é claro que não necessitamos mais de sacerdotes no que se refere a termos acesso a Deus, pois Cristo é o único mediador entre Deus e os homens (I Timóteo 2.5,6).
Entretanto, em termos simbólicos, os pais possuem certa responsabilidade sacerdotal. São eles que de- vem motivar, instruir e conduzir a vida devocional da família.
E, para tanto, é indispensavelmente necessário que sejam um exemplo de comunhão e devoção. Pais que não oram, não leem a Bíblia e não mantêm uma postura coerente com a autêntica espiritualidade não podem exigir que seus filhos o façam. Afinal, são espelho e referência do lar. Tal como Jó, que sem esmorecer intercedia constantemente por seus filhos (Jó 1.5), os pais devem exercer com fidelidade papel de sacerdotes da sua família.
Oremos:
1) Para que os pais sejam exemplos para os filhos no relacionamento com Deus;
2) Que o pai assuma o seu papel como sacerdote em casa;
3) Para que os filhos recebam o exemplo positivo de seus pais com alegria e o imitem por toda a vida;
4) Para que os pais tenham uma vida comprometida com a oração e com o estudo da Bíblia;
5) Para que a família cultive uma vida devocional diária.
 Escritor: Carlos Novaes – Pastor da Igreja Batista Barão da Taquara

38º Dia
Exemplo de Relacionamento Conjugal
Leitura Diária: Marcos 10
“Criou Deus, pois, homem à sua imagem, à imagem de Deus criou; homem mulher os criou” (Gênesis 1.27).
O relacionamento entre marido e esposa é fator fundamental para manter o equilíbrio e a saúde emocional da família. Em especial, dos filhos.
As palavras de Paulo em Efésios 2.21-27 não estabelecem uma hierarquia de exército. Não é essa a sua pretensão. O que Paulo faz é apelar à unidade inicial de Gênesis, antes da queda, descrita nos dois primeiros capítulos: a mulher como companheira idônea do homem. Portanto, os dois se completando.
E, além disso, os dois refletem a imagem de Deus quando em harmonia. O homem revela apenas uma parte da imagem de Deus. A mulher, da mesma forma, revela também uma parte da imagem divina. A inteireza da imagem de Deus é refletida tão somente na conjugação do homem com a mulher (Gênesis 1.27).
Marido e esposa devem, pois, caminhar em sintonia, sabendo lidar com os momentos difíceis e solucionar os conflitos que ocorrerem. Somente o verdadeiro amor conjugal, em que há submissão mútua, tolerância recíproca e companheirismo unívoco, pode manter sadio e estabilizado o relacionamento conjugal.
Quando Cristo disse que o segundo mandamento, tão importante quanto amar a Deus, era amar o próximo (Marcos 12.29-3 I), com certeza se referiu àqueles que são os próximos mais próximos, ou seja, quem mora debaixo do mesmo teto e dorme na mesma cama. O amor ordenado por Cristo, portanto, começa no lar e, em especial, entre marido e mulher.
 Oremos:
1) Pela manutenção do equilíbrio e da saúde emocional da família;
2) Pelas mulheres casadas, para que sejam companheiras idôneas;
3) Pelos maridos, para que amem suas esposas como Cristo amou a igreja;
4) Para que os casais reflitam a imagem de Deus por meio de harmonia, submissão, tolerância e companheirismo;
5) Para que marido e esposa saibam lidar com os momentos difíceis e solucionar os conflitos que ocorrerem.

Escritor: Carlos Novaes – Pastor da Igreja Batista Barão da Taquara


39º Dia
Exemplo no Cuidado Espiritual da Família
Leitura Diária: Marcos 11
“Ouve, Israel, SENHOR, nosso Deus, é o único SENHOR. Amarás, pois, SENHOR, teu Deus, de todo teu coração, de toda tua alma e de toda tua força. Estas palavras que, hoje, te ordeno estarão no teu coração; tu as inculcarás teus filhos, delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e ao deitar-te, e ao levantar-te. Também as atarás como sinal na tua mão, e te serão por frontal entre os olhos. E as escreverás nos umbrais de tua casa e nas tuas portas” (Deuteronômio 6.4-9).
As orientações em Deuteronômio 6.4-9 são importantíssimas para que a espiritual idade da família seja mantida e cultivada.
O povo de Deus se preparava para tomar posse definitiva da terra prometida. Moisés repassava ao povo os mandamentos e orientava-os a serem obedientes e fiéis à vontade divina para que pudessem prosperar na nova terra.
Entre aquilo que era requerido estava o ensinamento da Palavra de Deus aos filhos. Os lares, de fato, devem ser o ambiente natural para que a Palavra de Deus seja ensinada e aprendida.
O cuidado espiritual da família depende, obviamente, do posicionamento dos pais em termos de iniciativa e motivação. Os ensinos do evangelho só serão apreendidos se forem expostos contínua e sistematicamente.
Não há como negligenciar essa grande responsabilidade. E os pais não podem se omitir. É no lar, é no contexto da família e da vida familiar que a Palavra de Deus adquire feições concretas para ser aplicada à experiência pessoal.
É interessante notar, tanto nos livros de Reis quanto nos de Crônicas, onde são narrados os feitos dos monarcas de Judá e Israel, que junto aos sucessos e insucessos desses reis são mencionados os nomes dos seus pais. Como se as Escrituras fizessem questão de mostrar que o que faziam ou deixavam de fazer, no que tange a erros e acertos, era entendido como uma consequência natural do tipo de orientação recebida dos pais.
A espiritual idade de uma família depende do conhecimento da Palavra de Deus. E o conhecimento da Palavra de Deus só existe onde ela é ensinada e colocada em prática.
 Oremos:
1) Pelos pais, para que ensinem a Palavra de Deus aos seus filhos;
2) Pelos lares, para que sejam um ambiente natural para que a Palavra de Deus seja ensinada e aprendida;
3) Para que os ensinos do evangelho sejam expostos na família de forma contínua e sistemática;
4) Para que os pais não se omitam diante dessa grande responsabilidade;
5) Para que o conhecimento da Palavra de Deus seja colocado em prática na família.
 Escritor: Carlos Novaes – Pastor da Igreja Batista Barão da Taquara


40º Dia
Exemplo de Integridade
Leitura Diária: Marcos 12
“Nem todo que me diz: Senhor, Senhor! entrará no reino dos céus, mas aquele que faz a vontade de meu Pai, que está nos céus. Muitos, naquele dia, hão de dizer-me: Senhor, Senhor! Porventura, não temos nós profetizado em teu nome, e em teu nome não expelimos demônios, e em teu nome não fizemos muitos milagres? Então, Ihes direi explicitamente: nunca vos conheci. Apartai-vos de mim, os que praticais a iniquidade”(Mateus 7.21-23).
A ideia de integridade é a de alguma coisa preservada em sua inteireza ou nas diversas dimensões da sua manifestação. Integridade, portanto, não tem a ver apenas com o discurso que se faz, mas com as ações e práticas relacionadas a esse discurso.
O Senhor Jesus é bastante contundente quando trata disso em Mateus 7.21-23. O Reino de Deus pertence a quem conhece a vontade divina e obedece a ela. Não se trata apenas de uma postura religiosa, nem de mera submissão a ritos e credos. O seguidor de Jesus vive como o Senhor ensinou a viver.
Da mesma forma, nossos lares precisam de princípios e valores que levem seus integrantes a viverem, de maneira plena, os ensinos da Palavra. E viver a Palavra significa ter uma conduta ou um andar que correspondam ao que se aprende com ela.
Quando os filhos percebem que os pais têm um discurso diferente do comportamento, é claro que terão maior resistência ao que está sendo ensinado. Se os filhos entenderem que os ensinos do evangelho não são importantes para seus pais, a ponto de fazê-los viver de acordo com eles, também não os acharão importantes ou necessários para as suas próprias vidas.
O mesmo capítulo 7 de Mateus, em seu desfecho, refere-se à casa erguida sobre a rocha, que, diferentemente da que estava erguida sobre a areia, permanece em pé, apesar da tempestade e dos ventos. Só há verdadeira integridade de vida quando os lares estão firmados nos princípios e valores do evangelho de Cristo, a rocha que permanece.
 Oremos:
1) Pelos pais, para que sejam exemplos de integridade para seus filhos;
2) Pelos pais, para que o seu discurso seja autenticados por ações e práticas;
3) Para que pai e mãe vivam como o Senhor ensinou a viver;
4) Para que os nossos lares vivenciem princípios e valores da Palavra de Deus e, assim, permaneçam firmes na rocha;
5) Pelos filhos, para que vejam e copiem os exemplos de integridade de seus pais.

Escritor: Carlos Novaes – Pastor da Igreja Batista Barão da Taquara



41º Dia
Exemplo no Amor por Missões
Leitura Diária: Marcos 13
“Se, com a tua boca, confessares Jesus como Senhor e, em teu coração, creres que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo. Porque com o coração se crê para justiça e com a boca se confessa a respeito da salvação. Porquanto a Escritura diz: Todo aquele que nele crê não será confundido. Pois não há distinção entre judeu e grego, uma vez que o mesmo é o Senhor de todos, rico para com todos os que invocam. Porque: Todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo. Como, porém, invocarão aquele em quem não creram? E como crerão naquele de quem nada ouviram? E como ouvirão, se não há quem pregue? E como pregarão, se não forem enviados? Como está escrito: Quão formosos são os pés dos que anunciam coisas boas!” (Romanos 10.9-15).
O interesse pela obra missionária deve começar no lar. O belo texto de Paulo, em Romanos 10.9-15, deixa claro que a pregação do evangelho, para alcançar aqueles que devem ouvir para crer, só se efetiva por meio dos pés que proclamam as Boas-Novas.
Esses pés missionários começam a ser valorizados no lar. Nossos filhos devem ser ensinados a amar missões, a orar pelos missionários e a contribuir com a expansão do evangelho em nossa nação e no mundo.
Uma boa maneira de fazer isso é aproveitar os cultos domésticos ou os momentos de devoção em família, dentro do contexto específico e da realidade de cada lar. Nessas propícias ocasiões, palavras explicativas sobre o que os missionários estão fazendo (há revistas oferecidas pelas juntas missionárias contendo farto material informativo a respeito disso), orações por situações específicas vividas pelos missionários e a motivação para que haja uma oferta da família para o sustento de missões costumam ajudar bastante no aprendizado do interesse pela obra missionária.
É claro que, além disso, devemos alertar sempre que cada um de nós também possui um desafio missionário, ou seja, o de ganhar familiares, vizinhos, amigos e conhecidos em geral para o Senhor Jesus. Uma família com o coração em missões torna-se ainda mais fortalecida e envolvida nas coisas concernentes ao reino de Deus e ao corpo de Cristo, a igreja.
 Oremos:
1) Para que a obra missionária efetivamente comece no lar;
2) Para que haja proclamação do evangelho na família;
3) Para que os filhos dos crentes sejam ensinados a desde cedo amar missões;
4) Para que as famílias realizem o culto doméstico e aproveitem a ocasião para promover missões;
5) Para que cada membro da família assuma a sua parte em missões.

 Escritor: Carlos Novaes – Pastor da Igreja Batista Barão da Taquara


42º Dia
Exemplo de Mordomia
Leitura Diária: Marcos 14
“Pois será como um homem que, ausentando-se do país, chamou os seus servos e Ihes confiou os seus bens. A um deu cinco talentos, a outro, dois e a outro, um, a cada um segundo a sua própria capacidade; e, então, partiu” (Mateus 25.14, I 5).
Mordomia é uma palavra que vem de mordomo. Mordomo, por sua vez, é o administrador. Aquele que não é o proprietário, mas se encarrega de administrar os bens do seu patrão. Há uma parábola muito sugestiva, contada por Jesus, para mostrar a forma como administramos as coisas que o Senhor nos confia (Mateus 25.14-30). A parábola é uma clara advertência a que sejamos mordomos fiéis.
O lar é o local ideal para as primeiras aprendizagens a respeito da mordomia bíblica. No lar, devemos ser desafiados a administrar bem o que temos, o que pertence à família. Crianças devem ser advertidas contra o consumismo, por exemplo, tão promovido pelos meios de comunicação. Também devem ser ensinadas a preservar bens, a não desperdiçar, a cuidar para que aquilo que é de todos continue sendo mantido para o proveito de todos.
O exemplo dos pais também é extremamente importante nesse particular. Em especial no que se refere à contribuição financeira para o sustento da casa do Senhor e a expansão missionária. Lares que vivem como mordomos fiéis são uma bênção inestimável para o reino de Deus e a igreja de Cristo.
 Oremos:
1) Pelos pais, para que sejam exemplos de mordomia;
2) Pelos pais, para que desde cedo instruam seus filhos quanto à mordomia cristã;
3) Para que os pais sejam bons administradores dos bens da família, evitando os desperdícios;
4) Para que as crianças não sejam pegas pelo consumismo de nossos dias;
5) Para que os nossos lares sejam bênção na contribuição financeira para o reino de Deus e a igreja de Cristo.

Escritor: Carlos Novaes – Pastor da Igreja Batista Barão da Taquara

43º Dia
Exemplo no Amor ao Próximo
Leitura Diária: Marcos 15
“Alegrai-vos com os que se alegram chorai com os que choram. Tende o mesmo sentimento uns para com os outros; em lugar de serdes orgulhosos, condescendei com oque é humilde; não sejais sábios aos vossos próprios olhos. Não torneis ninguém mal por mal; esforçai-vos por fazer o bem perante todos os homens; se possível, quanto depender de vós, tende paz com todos os homens” (Romanos 12.15-18).
O capítulo 12 de Romanos, nos versos 9 a 21, enumera uma série de atitudes e posturas que os cristãos devem ter em relação ao próximo, ao semelhante, ao irmão em Cristo.
O amor ensinado por Jesus não depende de afeições ou sentimentos. Não se trata de coisas ligadas às emoções. O amor é uma disposição mental de ajudar aquele que necessita, de ser útil ao outro, de não se vingar e de fazer o bem mesmo a quem queira o nosso mal.
Por isso, de acordo com Lucas 10, foi possível o samaritano ajudar o homem assaltado. E é por isso que podemos orar por nossos inimigos, como ensinado por Jesus em Mateus 5. Simplesmente porque o amor procede da vontade. É algo que resolvemos fazer, independentemente do que sentimos.
Se no lar começarmos a ensinar nossos filhos a amar o próximo, a respeitá-lo, a ver nele alguém também criado à imagem de Deus, a entender que o outro também é amado pelo Senhor, a compreender que Jesus morreu por aquele com quem convivemos, então teremos adultos maduros que saibam viver em amor e solidariedade.
Além disso, o meu próximo mais imediato é aquele que mora comigo. Desse modo, o amor ao próximo começa como amor aos pais, aos filhos e ao cônjuge. As bem-aventuranças mencionadas em Mateus 5.1-12 (mansidão, justiça, misericórdia, pureza, postura pacificadora) devem ser vividas a partir do lar e do convívio familiar.
Que os nossos lares, portanto, sejam locais em que o amor deixa de ser uma boa intenção para se tornar um gesto concreto em favor do outro, uma verdadeira manifestação do amor divino por nosso intermédio.
 Oremos:
1) Pelos pais, para que sejam exemplos de amor ao próximo;
2) Pelos pais, para que adotem um estilo de vida útil às necessidades dos outros;
3) Para que os pais ensinem seus filhos a amar e respeitar o próximo;
4) Pelos filhos, para que cresçam e amadureçam como adultos que amem o próximo;
5) Para que em os nossos lares reine um amor concreto e divino.

Escritor: Carlos Novaes – Pastor da Igreja Batista Barão da Taquara

44º Dia 
Filhos Saudáveis são Obedientes 
Leitura Diária: Marcos 16
“Filhos, obedecei vossos pais no Senhor, pois isto é justo” (Efésios 6:1).
Infelizmente, em muitas famílias são grandes os conflitos entre pais e filhos. Muitas vezes eles têm um fim trágico, a exemplo da morte. Não assistimos essas cenas terríveis somente nos noticiários. Muitas vezes esta é uma realidade em nossas próprias famílias. Nós, servos de Deus, temos um grande desafio: a criação dos nossos filhos na admoestação do Senhor. Como pais cristãos, nossa principal fonte de conhecimento deve ser o melhor manual para criação de filhos existente: a Bíblia Sagrada. Ela nos ensina como proceder em todos os momentos. Uma família que busca viver os ensinamentos da Palavra de Deus no cotidiano do lar terá como resultado uma vida feliz e de adoração a Deus.
A Palavra de Deus em Efésios 6.1 mostra claramente as responsabilidades dos filhos. A primeira delas é a Obediência. “Filhos, obedecei vossos pais no Senhor, pois isto é justo.”Não por medo, não por violências, mas por amor e, principalmente, ela deve ser no Senhor. Ou seja, os filhos devem obedecer a seus pais, reconhecendo que esta atitude é acima de tudo em obediência a Deus. É desejo d’Ele que isto aconteça. E mais:
Paulo mostra que isto é justo!
Nunca podemos esquecer que o padrão bíblico de obediência que Deus requer dos filhos também requer dos pais. Filhos obedientes serão frutos de pais que são obedientes e vivem para a glória de Deus. Jamais um pai pode exigir de um filho a obediência sem que ele mesmo esteja disposto a ser obediente a Deus. Pais obedientes geram filhos obedientes.
Sabemos que muitas vezes não é fácil cumprir o que a Bíblia está ordenando. No entanto, esta atitude de amor agrada a Deus e traz bênçãos sobre a vida do obediente. Não podemos esquecer o conselho do Sábio em Provérbios 6:20 a 23 – “Filho meu, guarda o mandamento de teu pai não deixes instrução de tua mãe; ata-os perpetuamente ao teu coração, pendura-os ao pescoço. Quando caminhares, isso te guiará; quando te deitares, te guardará; quando acordares, falará contigo. Porque mandamento é lâmpada, e a instrução, luz; e as repreensões da disciplina são caminho da vida”.

Oremos:
1) Por filhos saudáveis, que sejam obedientes a seus pais;
2) Pela cessação dos conflitos entre pais e filhos;
3) Pelos pais crentes, para que criem seus filhos na admoestação do Senhor;
4) Pelos filhos, para que entendam que é justo obedecer aos pais no Senhor;
5) Pelos pais, para que vivam para a glória de Deus e de modo a gerar uma obediência natural de seus filhos.
Escritor: Fabricio Freitas – Pastor, gerente executivo de evangelismo da Junta de Missões Nacionais

45º Dia
Filhos Saudáveis Honram seus Pais 
Leitura Diária: Lucas 1
“Honra a teu pai e a tua mãe (que é o primeiro mandamento com promessa), para que tevá bem, e sejas de longa vida sobre a terra” (Efésios 6:2 e 3).
Atualmente, muito se fala sobre longevidade. Inúmeros estudos mostram o que nós, os seres humanos, devemos fazer para vivermos mais tempo e com qualidade. A Palavra de Deus oferece um precioso conselho aos filhos para que obtenham essa longevidade tão desejada por todos. O segredo está no quinto manda- mento. Paulo o cita na sua carta aos Efésios: “Honra teu pai e a tua mãe (que é o primeiro mandamento com promessa), para que te vá bem, e sejas de longa vida sobre terra” (Efésios 6:2 e 3).
Neste texto há duas promessas do nosso Deus aos que honram pai e mãe. Quais são estas promessas?
Em primeiro lugar serão bem-sucedidos – “para que te vá bem“. Muitos filhos têm ido de mal a pior por não honrarem seus pais. Dão ouvidos a muita gente, mas esquecem de ouvir aos seus pais. Isso torna impossível serem bem-sucedidos na vida. Não que os conselhos de amigos devem ser desprezados. Contudo, a voz que deve ecoar em nossos corações deve ser a dos pais. Honrar é muito mais que obedecer, é amar e reconhecer os valores que cada um tem. É possível ser obediente sem amor; basta lembrar o irmão mais velho do filho pródigo. Filho que honra pai e mãe será abençoado com toda a sorte de bênçãos em Cristo.
Em segundo lugar: “… e sejas de longa vida sobre terra.”. Há muitos jovens e adolescentes morrendo muito cedo por não honrar seus pais. Um filho que honra seus pais evita muitos males sobre si. Quantos acidentes, casamentos errados, prejuízos e dores poderiam ser evitados se muitos filhos levassem este texto bíblico a sério.
Neste dia quero convidar você a orar pedindo ao nosso Deus que conceda a cada filho o temor a Deus.
Que os filhos sejam pessoas que honram e respeitam aqueles que tanto os amam. E que cada pai cultive a cada dia o amor e o respeito por seus filhos. Assim, acontecerá a verdadeira harmonia no lar. E você, filho, nunca se esqueça: deseja viver muito e ser bem-sucedido em tudo o que fizer? Honre seus pais e verá o cumprimento da promessa de Deus em sua vida! “Honra teu pai tua mãe, para que se prolonguem os teus dias na terra que SENHOR, teu Deus, te dá.” (Êxodo 20:12).
Oremos:
1) Por filhos saudáveis que honrem seus pais;
2) Pelos filhos, para que saibam ouvir os seus pais;
3) Para que reconheçam o valor de seus pais e os amem verdadeiramente;
4) Para que nossos adolescentes e jovens sigam os conselhos de seus pais e tenham uma vida longa e próspera no Senhor;
5) Por cada pai, para que cultive a cada dia o amor e o respeito por seus filhos.


Escritor: Fabricio Freitas – Pastor, gerente executivo de evangelismo da Junta de Missões Nacionais

46º Dia
Filhos Saudáveis Demonstram Amor aos seus Pais 
Leitura Diária: Lucas 2
“O que maltrata a seu pai ou manda embora a sua mãe filho é que envergonha desonra”(Provérbios 19:26).
Quem não gosta de uma demonstração de carinho? De formas variadas todos gostam de carinho! Infelizmente, para muitos demonstrar carinho e amor aos pais se resume em duas datas durante o ano: Dia das Mães ou Dia dos Pais. Na verdade o consumismo tenta nos influenciar e nos convencer que amar é somente entregar presentes. Filhos saudáveis valorizam seus pais, demonstrando o quanto são importantes. Afinal, o texto Bíblico alerta: “O que maltrata a seu pai ou manda embora a sua mãe filho é que envergonha e desonra.” Filhos saudáveis não são motivos de vergonha para seus pais, ao contrario, são motivos de alegria e gratidão a Deus.
Este é um tempo em que devemos refletir como nós, filhos, temos agido em relação aos nossos pais. A verdade é que não deve haver um dia apenas especial em que demonstramos amor. Hoje mesmo é um dia especial para isso! Se agora, durante esta meditação, você sente saudades dos seus pais, pegue o telefone, ligue para eles e diga o quanto os ama. Se isso não for possível, ore a Deus agradecendo pela vida dos seus pais e por todo o esforço que dedicaram para proporcionar a você o melhor que podiam. Está com raiva por algum motivo? Este também é um tempo de perdoar e pedir perdão. A vida passa muito rápido para que percamos tempo guardando amarguras e rancores.
E mais, se vocês moram juntos, aproveitem o dia para compartilhar uma refeição. Muitas vezes gastamos todo o nosso tempo na TV ou trancafiados em nossos quartos, navegando na internet. Quebre esta rotina e tenha um dia diferente com os seus pais. Reconheça o valor deles e Ihes agradeça por tudo que eles têm feito por você. Reconheça pequenos atos e serviços diários. Ações falam mais que palavras. Por isso, devemos também agir, demonstrando o quanto são especiais.
Não espere estas datas especiais para manifestar o seu amor pelos seus pais, faça isso agora mesmo. A sua atitude os deixará muito felizes. Com certeza, nosso Pai que está no céu festejará conosco todos os dias. Afinal, todos os dias são dias dos Pais e das Mães.
Oremos:
1) Por filhos saudáveis que demonstrem amor a seus pais;
2) Para aumento do nível de demonstração de carinho nas famílias;
3) Pelos filhos, para que saibam amar seus pais mais do que por meio de presentes em datas especiais;
4) Para que saibam valorizar os momentos de convívio com os pais enquanto podem;
5) Para que haja perdão nos relacionamentos entre pais e filhos.


Escritor: Fabricio Freitas – Pastor, gerente executivo de evangelismo da Junta de Missões Nacionais

 47º Dia
Filhos Saudáveis Ouvem seus Pais 
Leitura Diária: Lucas 3
“O filho sábio ouve instrução do pai, mas escarnecedor não atende à repreensão”(Provérbios 13:1).

Quando você está em uma situação difícil ou quando você tem uma decisão importante a tomar quem é o seu auxílio? Sabemos que Deus é a fonte de toda a sabedoria que precisamos. Contudo, o escritor de Provérbios nos aconselha a termos nossos pais como nossos orientadores. Muitos filhos têm buscado orientação longe de casa, na internet ou com pessoas que verdadeiramente não podem ajudar. Filhos saudáveis buscam na Palavra de Deus e em seus pais a orientação correta para saberem como proceder diante das situações enfrentadas no dia a dia. Poderíamos mencionar pelo menos mais dois textos além do apresentado no início desta mediação em que o sábio nos orienta a não desprezarmos os conselhos dos nossos pais. “Filho meu, ouve ensino de teu pai não deixes instrução de tua mãe. Porque serão diadema de graça para a tua cabeça colares, para teu pescoço” (Provérbios 1.8 e 9) e ainda Provérbios 15.5 – “O insensato despreza a instrução de seu pai, mas que atende à repreensão consegue prudência”.
Os pais são conselheiros para os filhos. Não ouvir os pais é desprezar os ensinamentos bíblicos e desperdiçar uma oportunidade de ser bem-sucedido na vida. Atualmente, há muitos jovens e adolescentes que preferem ouvir seus colegas, e muitas vezes acham que seus pais e os mais velhos estão sempre errados, desprezando conselhos preciosos e enriquecedores para suas vidas. Isso é muito perigoso, porque nem sempre os conselhos de nossos colegas são para vida. Você se lembra do caso de Roboão, filho do sábio Salomão? Ao assumir o reino de Israel, tinha que tomar uma importante decisão. O jovem rei preferiu ficar com os conselhos dos seus amigos a ouvir opinião dos sábios conselheiros. Esta decisão insensata trouxe grandes males para Israel – 2Crônicas 10:1-19.
Não estou querendo dizer que os filhos não podem ouvir seus amigos mais jovens, mas a Palavra de Deus ensina que a orientação dos pais é uma importante bússola para sabermos os caminhos em que devemos andar ou as decisões que precisamos tomar. Querido filho, não tenha medo de pedir ajuda aos seus pais e ouvir bons conselhos. Ainda que os conselhos não sejam aquilo que você gostaria de ouvir, vale a pena ouvir, afinal, isso vai resultar em bênção!
Oremos:
1) Por filhos saudáveis que ouvem a seus pais;
2) Pelos filhos, para que valorizem os conselhos de seus pais nos momentos de definição;
3) Pelos pais, para que se permitam ser instrumentos de Deus na hora de aconselhar seus filhos à luz da Palavra;
4) Pelos filhos, para que confiem na sabedoria de seus pais sem precisar passar por experiências amargas;
5) Pelos filhos de pais não cristãos, para que encontrem nos membros mais maduros de suas igrejas os conselheiros bíblicos que faltam em seus lares.

Escritor: Fabricio Freitas – Pastor, gerente executivo de evangelismo da Junta de Missões Nacionais

 48º Dia
Filhos Saudáveis são Agradecidos 
Leitura Diária: Lucas 4
“Então, Jesus lhe perguntou: Não eram dez os que foram curados? Onde estão os nove?”(Lucas 17:17) Onde estão os nove? Esta foi a pergunta de Jesus diante daquele ex-leproso que retornou para agradecer-lhe a cura deste grande mal. É bom recordarmos que a Lei de Moisés ordenava que todos os leprosos ficassem afastados de outras pessoas, como nos mostra Levítico 13.46: “Será imundo durante os dias em que praga estiver nele; é imundo, habitará só; sua habitação será fora do arraial”. Lucas narra que Jesus está indo para Jerusalém a entre as regiões da Samaria e da Galileia em um povoado estava este grupo de dez leprosos. E eles clamam a Jesus: – Jesus, Mestre, tenha pena de nós! Diz o texto Bíblico que Jesus os orienta a irem ao sacerdote para que os examinasse. Enquanto caminhavam, foram curados.
Todos nós, seres humanos, diante das nossas necessidades clamamos por socorro, clamamos por auxilio ao nosso Deus e ao nosso próximo. Somos todos como os dez leprosos! Contudo, algo aconteceu que chama muito a nossa atenção: o fato de apenas um dos dez retornar para agradecer a Jesus. Diz Lucas nos versos 15 e 16 – “Um dos dez, vendo que fora curado, voltou, dando glória Deus em alta voz, prostrou-se com o rosto em terra aos pés de Jesus, agradecendo-lhe; este era samaritano“. Então Jesus faz a pergunta: “Onde estão os nove?”.
Aqui nos podemos notar a existência de dois grupos: um do samaritano que voltou louvando a Deus em alta voz e ao ver Jesus se prostrou e agradeceu, e o outro grupo dos que foram embora e nem se recordaram de dizer obrigado a Jesus. Fica a pergunta: em que grupo você se encaixou? Como filhos saudáveis devemos a cada dia ser como este samaritano. Ter um coração agradecido a Deus e aos nossos pais. Muitas vezes pedimos, pedimos, e, quando somos abençoados por Deus e por nossos pais nem sequer nos lembramos de agradecer. Filhos saudáveis, são filhos agradecidos.
Uma grande maneira de evidenciar nosso amor é ter um coração agradecido. Diga sempre a Deus e aos seus pais “muito obrigado”. É o que a Bíblia nos diz: “Em tudo dai graças; porque esta é a vontade de Deus em Cristo Jesus para convosco” (I Tessalonicenses 5:18).

Oremos:
1) Por filhos saudáveis que sejam agradecidos a Deus e a seus pais;
2) Pelo arrependimento e conversão dos filhos ingratos e rebeldes;
3) Pelo quebrantamento de todo orgulho, para que seja natural para pais e filhos expressar gratidão uns aos outros;
4) Pedindo perdão a Deus pelas vezes em que somos ingratos com Ele e com nossos pais;
5) Para que os filhos se lembrem de reconhecer e retribuir o amor e o cuidado de seus pais, especialmente em sua velhice.

Escritor: Fabricio Freitas – Pastor, gerente executivo de evangelismo da Junta de Missões Nacionais

 49º Dia
Filhos Saudáveis são Íntegros 
Leitura Diária: Lucas 5
“Eis história de Noé. Noé era homem justo íntegro entre os seus contemporâneos; Noé andava com Deus” (Gênesis 6:9).
Diariamente quando lemos os noticiários o que mais notamos é a falta de integridade do ser humano.
A corrupção e o “levar vantagens” tem se tornado algo comum em nossa sociedade. Onde vamos ouvimos sobre violência e maldade. As drogas têm tomado conta e as famílias estão sendo afetadas com a falta de amor e de compromisso. A Bíblia é clara em afirmar: “o mundo jaz no maligno”( 1João 5:19).
No entanto, o texto bíblico nos mostra que Noé era um homem justo, íntegro que andava com Deus.
Ele fez a diferença em sua geração. O verso I I diz que a terra estava corrompida e cheia de violência. O que não é diferente dos dias de hoje. O homem continua se afastando de Deus e indo de mal a pior. Eis um grande desafio para todos nós, sermos como Noé. Fazermos a diferença na nossa geração. Noé fez diferença no seu tempo por meio de uma vida justa e íntegra. Isso só pode ser resultado de um homem que andava com Deus.
O grande segredo para que nossa família, em especial, para que os nossos filhos sejam íntegros é o fato de andarmos com Deus. Quando Deus quis acabar com todos os seres humanos por causa pecado, Noé e sua família foram preservados diante do grande dilúvio. O salmista é claro: “Bem-aventurados os que trilham com integridade o seu caminho, os que andam na lei do Senhor!” (Salmo 119:1).
Atualmente há uma grande necessidade de homens e mulheres íntegros. Filhos que estejam dispostos a fazerem a diferença em uma sociedade corrompida. Defender e viver os valores do reino de Deus em nossos relacionamentos, em nosso trabalho, em todo o tempo. Fazendo a diferença com nossas palavras e ações. Pais íntegros terão a alegria de terem seus filhos bem-aventurados como nos ensina a Palavra de Deus: “O justo anda na sua integridade; bem-aventurados serão os seus filhos depois dele” (Provérbios 20:7).
Que desafio nós, pais, temos diante de Deus e desta geração? Ser exemplo de integridade para nossos filhos! Pois se agirmos como Nóe, andarmos com Deus, cremos que Ele por sua bondade há de nos guardar em todo o tempo. Que sejamos a cada dia exemplo de integridade e justiça para as próximas gerações.
Oremos:
1) Por filhos saudáveis de caráter;
2) Pelas nossas famílias, para que sejam diferenciais de integridade em meio à corrupção do mundo;
3) Por cada membro de nossas famílias, para que andem verdadeiramente com Deus;
4) Pelos filhos, para que cresçam em integridade e façam a diferença em sua geração;
5) Pelos pais, para que sejam exemplos de integridade em seus lares e na sociedade.

Escritor: Fabricio Freitas – Pastor, gerente executivo de evangelismo da Junta de Missões Nacionais

 50º Dia
Filhos Saudáveis não se Conformam com este Mundo 
Leitura Diária: Lucas 6
“E não vos conformeis com este século, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja boa, agradável perfeita vontade de Deus”(Romanos 12:2).
Vivemos num tempo quando os valores do mundo são impostos a nós e principalmente aos nossos filhos. Somos atacados todos os momentos com palavras e imagens que tentam nos fazer aceitar os padrões e formas deste mundo. No entanto, a Palavra de Deus é clara: “E não vos conformeis com este século”.
Notamos que ao longo da história, isso sempre aconteceu.
Nossos filhos são atraídos para longe de Deus, para se afastarem dos padrões de santidade e assumirem os padrões deste mundo. Quando falamos de padrões mundanos, estamos falando deste conjunto de ideias, conceitos e valores que estão sendo adotados pela sociedade, mas que são contrários às orientações da Palavra de Deus.
A Palavra de Deus é muita clara em nos mostrar que nós não somos deste mundo – “Eu Ihes tenho dado a tua palavra, e o mundo os odiou, porque eles não são do mundo, como também eu não sou. Não peço que os tires do mundo, sim que os guardes do mal” (João 17:14 e 15). Não devemos amar as coisas deste mundo – “Não ameis mundo nem as coisas que há no mundo. Se alguém amar mundo, amor do Pai não está nele” (1João 2:15). E devemos sempre ter a firme convicção de que os ensinamentos deste mundo são todos passageiros, mas a Palavra de Deus permanece para sempre – “Ora, mundo passa, bem como sua concupiscência; aquele, porém, que faz vontade de Deus permanece eternamente”.
É por isso que filhos saudáveis buscam não tomar a forma das coisas deste século, ao contrario, são fortalecidos em Cristo e no seu poder, sendo revestidos com a armadura de Deus. (Efésios 6:10 a 12) -”Quanto ao mais, sede fortalecidos no Senhor e na força do seu poder. Revesti-vos de toda armadura de Deus, para poderdes ficar firmes contra as ciladas do diabo; porque nossa luta não é contra sangue e a carne, sim contra os principados e potestades, contra os dominadores deste mundo tenebroso, contra as forças espirituais do mal, nas regiões celestes. ”
Oremos:
1) Por filhos saudáveis que não se conformem com este mundo;
2) Para que Deus guarde os filhos de serem atraídos para longe d’Ele;
3) Para que os filhos se mantenham separados dos padrões do mundo;
4) Para que os filhos não amem o mundo, mas amem a Deus de todo o coração;
5) Pelo revestimento da armadura de Deus na vida dos filhos.

Escritor: Fabricio Freitas – Pastor, gerente executivo de evangelismo da Junta de Missões Nacionais

51º Dia
A Família e a Melhor Idade
Leitura Diária: Lucas 7
Quando Deus criou Adão e Eva, estava planejando a família, que seria a célula manter da sociedade. Famílias bem estruturadas, com a orientação do Senhor, formam uma sociedade saudável.
Toda família tem crianças, adolescentes, jovens, adultos e idosos. Nas famílias cujos membros dão atenção uns aos outros, a convivência entre os familiares é harmoniosa, todos aprendem a conviver em amor uns com os outros e gozam entre si das boas características de todas as faixas etárias, que afloram prazerosamente no relacionamento diário. Um idoso amado e cercado por toda a família, com certeza, terá uma velhice feliz.
Na Bíblia, encontramos exemplos de idosos abençoados por Deus que, vivendo cercados pela família, tornaram-se bênção para todos os que viveram à sua volta. Moisés, Abraão, Jacó, José e muitos outros, em idade avançada, eram respeitados e honrados. Como servos de Deus, tinham palavras sábias, por isso os mais jovens os procuravam para deles receber conselhos. O texto bíblico fala de Jacó, que, perto de morrer, rodeado por seus doze filhos, abençoou-os com bênçãos específicas, uma para cada um deles. Depois disso, descansou tranquilamente, com o sentimento de missão cumprida. Também Abraão, diz a Bíblia, morreu em ditosa velhice (Gênesis 25:7,8; 49:1,33).
Que tipo de tratamento estamos dando aos idosos de nossa família? Que tipo de idoso estamos sendo em nossa família? Dediquemo-nos ao estudo da Palavra e à comunhão com o nosso Pai para termos a sabedoria de Deus. Assim seremos buscados, honrados e tratados com carinho por nossos familiares.
 Oremos:
1) Para que as famílias sejam bem estruturadas e orientadas pelo Senhor;
2) Para que cada membro da família seja atencioso com outro a fim de que haja uma convivência harmoniosa no lar;
3) Para que os mais idosos tenham conselhos sábios para os mais jovens, que, por sua vez, escutem e sigam tais conselhos;
4) Para que haja respeito entra as gerações na família; 5) Para que toda a família busque a comunhão diária com o Senhor.
Escritora: Lúcia Margarida – Professora, diretora executiva da União Feminina Missionária Batista do Brasil

 52º Dia
A Saúde na Melhor Idade
Leitura Diária: Lucas 8
“Acaso, não sabeis que o vosso corpo é santuário do Espírito Santo, que está em vós, o qual tendes da parte de Deus, e que não sais de vós mesmos? Porque fostes comprados por preço. Agora, pois, glorificai a Deus no vosso corpo” (1 Coríntios 6:19,20).
 Deus nos deu um corpo e espera que cuidemos dele por duas grandes razões:
1.Nosso corpo é o templo do Espírito Santo e devemos honrá-lo.
2.Cuidando do nosso corpo desde a juventude, estamos fazendo a nossa parte para ter uma vida saudável e satisfatória, com qualidade.
Se queremos gozar de boa saúde para viver sem problemas na terceira idade, tendo uma vida saudável e produtiva, temos que cuidar do nosso corpo desde a juventude. À proporção que vamos envelhecendo, ocorre a diminuição da nossa vitalidade. Portanto, a falta de cuidado da saúde ocasiona o envelhecimento precoce. Ao passo que hábitos saudáveis contribuirão para uma vida plena e mais intensa, mesmo na terceira idade.
Exercícios físicos e uma alimentação saudável são essenciais para uma vida longeva e de boa qualidade.
A caminhada, entre outros benefícios, intensifica o fluxo sanguíneo, estimula o crescimento de novas ramificações nas células cerebrais e promove a queima das toxinas que aceleram o envelhecimento.
Para preservarmos nosso corpo do envelhecimento precoce, temos que ter um programa que possamos seguir com perseverança. Para isso, há profissionais que podem nos ajudar: geriatras, médicos, nutricionistas, fisioterapeutas, entre outros.
Nada melhor e mais prazeroso que termos um corpo saudável, que nos possibilite uma vida intensa e cheia de boas atividades. Mas a melhor recompensa e a maior alegria residem no fato de que, ao cuidarmos do nosso corpo, estamos agradando a Deus, uma vez que ele é o templo do Espírito Santo.
  
Oremos:
1) Para que honremos nossos corpos como templo do Espirito Santo;
2) Por cuidados com a saúde para que tenhamos vidas saudáveis e produtivas;
3) Para que sejamos despertados para a prática de exercícios físicos e para uma alimentação saudável;
4) Para que homens e mulheres busquem uma medicina preventiva para evitarem um envelhecimento precoce e sem qualidade de vida;
5) Em gratidão a Deus pelo corpo que Ele nos deu e por tudo que Ele tem nos permitido desfrutar.
Escritora: Lúcia Margarida – Professora, diretora executiva da União Feminina Missionária Batista do Brasil

 53º Dia (03/07)
A Melhor Idade e uma Mente Saudável
Leitura Diária: Lucas 9
“Escondi a tua palavra no meu coração para não pecar contra ti. Nunca me esquecerei dos teus preceitos, visto que por eles me tens dado vida. Quanto amo a tua Lei! É a minha meditação todo dia” (Salmo 119:11, 93 e 97).
“Finalmente, irmãos, tudo que é verdadeiro, tudo que é respeitável, tudo que é justo, tudo que é puro, tudo que é amável, tudo que é de boa fama, se alguma virtude há e se algum louvor existe, seja isso que ocupe vosso pensamento” (Filipenses 4:8).
Para preservar a memória, precisamos mantê-la ativa e criativa. A partir dos 25 anos, a cada década, perdemos 2% das células cerebrais. Na juventude e na maturidade, ou estamos estudando ou estamos trabalhando, o que mantém a mente ocupada. Na terceira idade, precisamos arranjar atividades mentais, para que nossa memória não “enferruje”. Quando exercitamos nossa mente, novas conexões se formam entre os neurônios, e a memória mantém-se produtiva.
Quando chega a aposentadoria e deixamos nossa mente descansar, só dormindo, vendo televisão e fazendo tarefas que não exercitem a memória, vamos ficando mais preguiçosos e propensos a desenvolver depressão.
À proporção que o cérebro vai definhando, ele vai deixando de orquestrar as glândulas endócrinas secretoras de hormônios, o que acarreta várias consequências, como instabilidade no humor, déficit de energia e baixa imunidade.
Vamos encher a nossa mente da Palavra de Deus, que, conforme o Salmo 119:93, vai nos dar vida. Vamos seguir o conselho de Paulo aos filipenses e pensar apenas no que é verdadeiro, respeitável, justo, puro, amável e de boa fama. Com certeza, nossas iniciativas e ações serão louváveis, assim seremos vistos como pessoas agradáveis pelos que nos rodeiam.
Buscar servir a Deus em um ministério ou trabalho na igreja de Jesus Cristo dá muito prazer em qualquer faixa etária, mas na terceira idade a mente agradece.

 Oremos:
1) Para que preservemos nossa memória ativa e criativa;
2) Para que Deus permita que as nossas mentes sejam ocupadas com pensamentos saudáveis que glorifiquem o seu nome;
3) Para que tenhamos emoções equilibradas e sadias;
4) Para que a cada dia possamos pensar no que é verdadeiro, honesto, justo, puro e de boa fama;
5) Para que tenhamos iniciativas e ações que glorifiquem a Deus.
Escritora: Lúcia Margarida – Professora, diretora executiva da União Feminina Missionária Batista do Brasil
  
54º Dia
A Melhor Idade e a Responsabilidade com as Gerações Futuras
Leitura Diária: Lucas 10

“Estes, pois, são os mandamentos, os estatutos e os juízos que mandou o SENHOR, teu Deus, se te ensinassem, para que os cumprisses na terra que passas para possuir; para que temas ao SENHOR, teu Deus, e guardes todos os seus estatutos e mandamentos que eu te ordeno, tu, e teu filho, e o filho de teu filho, todos os dias da tua vida; que teus dias sejam prolongados. Ouve, pois, ó Israel, atenta em os cumprires, para que bem te suceda, e muito te multipliques na terra que mana leite mel, como te disse o SENHOR, Deus de teus pais. Ouve, Israel, o SENHOR, nosso Deus, é o único SENHOR. Amarás, pois, o SENHOR, teu Deus, de todo o teu coração, de toda a tua alma de toda a tua força. Estas palavras que, hoje, te ordeno estarão no teu coração; tu as inculcarás a teus filhos, e delas falarás assentado em tua casa, andando pelo caminho, e ao deitar-te, e ao levantar-te.” (Deuteronômio 6:1-7)
Uma das funções mais significativas que Deus planejou para a família é a de transferir os seus ensinos e preceitos através das gerações. “Para que temas ao SENHOR, teu Deus, e guardes todos os seus estatutos mandamentos que eu te ordeno, tu, teu, e o filho de teu filho, todos os dias da tua vida” (v. 2) – diz o texto bíblico.
Nesse texto, vemos claramente a nossa responsabilidade de passar às gerações futuras os mandamentos do nosso Deus.
Diz o versículo 7: “…tu as inculcarás teus filhos, delas falarás assentado em tua casa, e andando pelo caminho, e ao deitar-te, e ao levantar-te.” Não é uma opção, é mandamento de Deus para nós, e os mandamentos dEle nos dão vida e nos abençoam.
O que estamos fazendo para cumprir essa ordenança do nosso Senhor? O culto doméstico é um momento especial para isso. Ele também é um excelente recurso para promover a unidade da família e transmitir os ensinos de Deus às novas gerações.
Toda criança, no tempo de Jesus, decorava trechos do Pentateuco, que era a Bíblia que havia na época.
Quando temos a Palavra gravada em nossas mentes, ela fica também gravada em nossos corações, para ser colocada em prática no momento oportuno. Não há legado mais importante que possamos deixar para nossos filhos, netos e sobrinhos que incentivá-los a memorizar textos bíblicos, que Ihes servirão por toda a vida. E esse incentivo será fortalecido pelo nosso exemplo de vida cristã.
Queridos irmãos, jovens, adultos e da terceira idade, dediquemo-nos a passar às próximas gerações o desejo de aprender cada vez mais a Palavra de Deus.

 Oremos:
1) Para que os pais cumpram com suas responsabilidades perante as novas gerações;
2) Para que os pais inculquem em seus filhos o amor a Deus de todo o coração, alma e forças;
3) Para que os mais idosos sejam exemplo para os mais novos;
4) Para que as famílias não negligenciem a vida cristã dentro do lar;
5) Para que as novas gerações sejam motivadas a servir a Deus como fruto dos exemplo dos seus familiares mais experientes.
Escritora: Lúcia Margarida – Professora, diretora executiva da União Feminina Missionária Batista do Brasil

55º
A Melhor Idade e a Evangelização
Leitura Diária: Lucas 11

“Mas em nada considero minha vida preciosa para mim mesmo, contanto que complete minha carreira e o ministério que recebi do Senhor Jesus para dar testemunho do evangelho da graça de Deus” (Atos 20.24).
O apóstolo Paulo tinha um projeto de vida, pelo qual estava disposto até mesmo; se fosse preciso, a morrer. Nada melhor nesta vida que ter um motivo pelo qual se está pronto a dar a própria vida.
Dar testemunho do evangelho da graça de Deus deve ser mais que um projeto, deve ser a razão do nosso viver. Seja qual for a profissão que exerçamos, devemos ter esse alvo por duas grandes razões:
A primeira, por obediência a Jesus Cristo, já que foi uma ordem deixada por Ele a todos os crentes.
Essa razão já seria suficiente, mas há uma segunda: Como podemos estar a caminho do céu e não indicar aos nossos queridos, conhecidos e até desconhecidos como chegar lá? Especialmente porque sabemos qual é o triste destino dos que não seguem Jesus, o único Caminho.
Não deixemos que nossos dias na terra cheguem ao fim sem participar de um projeto no reino de Deus.
Para os que estão na terceira idade, abrem-se muitas oportunidades de se envolverem em uma área do seu interesse. Isso fará com que tenham uma vida produtiva e muito mais feliz.
Vejamos alguns projetos dos quais pode participar uma pessoa da terceira idade: visitar os campos missionários, envolver-se com os projetos de Missões Nacionais e Mundiais específicos para a terceira idade, envolver-se com os projetos da igreja local na área de missões, evangelismo, ação social, visitação, alfabetização e tantos outros que a igreja desenvolva. E quem não pode sair de casa, pode usar o telefone, a internet, o correio e outros meios de comunicação. O que não podemos fazer é ficar parados, levando uma vida insossa e sem graça, por não termos um projeto que nos dê ânimo, alegria de viver e disposição para trabalhar para o reino do nosso Pai Celestial, apesar da idade e dos achaques a que estamos sujeitos.
Com um bom projeto de vida, não importa sua idade, sua existência será muito mais significativa e, com certeza, mais abençoada e abençoadora.
  
Oremos:
1) Para que cada membro da família esteja pronto para amar a Cristo em qualquer circunstância;
2) Para que testemunhemos o evangelho aos nossos familiares que ainda não conhecem a Jesus;
3) Pela salvação daqueles que não conhecem a Cristo;
4) Para que os jovens e a melhor idade conheçam, visitem e apoiem um campo missionário;
5) Para que cada um de nós use os recursos que Deus nos deu para anunciar as Boas-Novas de salvação a tempo e fora de tempo.
 Escritora: Lúcia Margarida – Professora, diretora executiva da União Feminina Missionária Batista do Brasil

56º Dia
A Melhor Idade e uma Fé Operante
Leitura Diária: Lucas 12
Em Hebreus 11:1, lemos o seguinte: “Fé é a certeza das coisas que se esperam, convicção de fatos que se não veem”. Ter fé, portanto, é crer sem ver, é confiar sem ter a prova. Essa prova vem com a resposta, que é sempre acompanhada de aumento da fé.
A Bíblia traz muitos exemplos de fé e confiança em Deus. No capítulo 11 de Hebreus, temos muitos desses exemplos: Pela fé, Noé construiu a arca e livrou sua família de extinção. Abraão, pela fé, obedeceu a Deus e partiu sem saber para onde ia. Depois, quando foi posto à prova, ofereceu seu filho ao Senhor (Gênesis 12:3; 22:15-17). Pela fé, Moisés, como que vendo o invisível, tirou o seu povo do Egito para conduzi-lo à terra prometida. Pela fé, Raabe, uma meretriz, acolheu em paz os espias e, em decorrência disso, escapou da destruição do seu povo. E o texto diz ainda: “E que mais direi ainda? Certamente me faltará tempo necessário para referir que há respeito de Gideão, Baraque, Sansão, Jefté, Davi, Samuel e dos profetas. Os quais, por meio da fé, subjugaram reinos, praticaram justiça, obtiveram promessas, fecharam bocas de leões…”. E ainda nos servem de exemplo homens e mulheres do Novo Testamento: Pedro, Tiago, João, Maria Madalena, a mulher cananeia e tantos outros. Saindo das Escrituras, destacam-se, por exemplo, os mártires do cristianismo e Jorge Müller, que sustentou uma grandiosa obra de amparo aos órfãos tão somente pela fé, sem nenhuma promessa de ajuda financeira. E ainda hoje, quantas orações respondidas e quantos milagres estão abençoando pessoas que viveram pela fé.
E nós? Que tipo de fé estamos vivenciando? Se nossa fé está débil e por isso nos sentimos inseguros e preocupados, vamos dar atenção à nossa vida espiritual, intensificando a nossa comunhão com Deus. Se não buscarmos manter uma intimidade maior com Ele, investindo mais tempo em sua presença, nossa fé jamais irá se fortalecer.
Creiamos nas promessas da Palavra de Deus, busquemos com ardor a comunhão com o Senhor, dediquemos mais do nosso tempo ao estudo da Bíblia e à oração, sejamos luz por meio de nossa nossas vidas e palavras. Aí veremos nossa fé crescer e gozaremos da verdadeira comunhão com Deus.

 Oremos:
1) Para que nossos irmãos na melhor idade continuem firmes e constantes no Senhor;
2) Para que olhemos para os exemplos de servos do passado e sejamos motivados a segui-los em nossas vidas;
3) Para que vejamos o cumprimento das promessas de Deus em nossas famílias;
4) Para que cada família seja fortalecida por meio da comunhão de cada um de seus membros com Deus.
Escritora: Lúcia Margarida – Professora, diretora executiva da União Feminina Missionária Batista do Brasil


 57º Dia
Frutificando na Melhor Idade
Leitura Diária: Lucas 13
O apóstolo Paulo orava pelo progresso espiritual dos colossenses com um objetivo específico, conforme explicitou na carta que Ihes escreveu: “… a fim de viverdes de modo digno do Senhor, para o seu inteiro agrado, frutificando em toda boa obra, crescendo no pleno conhecimento de Deus. Sendo fortalecidos com todo poder, segundo força da sua glória, em toda perseverança longanimidade, com alegria dando graças ao Pai”(Colossenses 1:10 e 11).
E Jesus, em João 15:5, declara: “Quem permanece em mim e eu nele, esse dá muito fruto; porque sem mim nada podeis fazer”. Portanto, quem está ligado a Deus dá fruto. Que tipo de fruto? O fruto do Espírito, que é amor, alegria, paz, paciência, delicadeza, bondade, fidelidade, humildade e domínio próprio, conforme Gálatas 5:22. Temos essas virtudes em nossas vidas? Se fizermos um autoexame criterioso diante de Deus, descobri- remos que, para que o fruto do Espírito se manifeste cada vez mais em nossas vidas, precisamos intensificar nossa comunhão com Ele.
Além do fruto do Espírito, temos que pensar em sermos portadores das Boas-Novas de salvação para nossos familiares, amigos e conhecidos que não têm Jesus Cristo como seu Salvador. Segundo uma expressão comum entre nós, o fruto de um crente é outro crente. E lemos na Bíblia que aquele que “ganha almas, sábio é” (Provérbios 11:30 b).
Muitos pensam que, por estarem na terceira idade, estão na fase do descanso. Contudo, essa é uma boa fase para buscar mais a Deus, permanecer n’Ele, manifestar as virtudes ou o fruto do Espírito Santo e proclamar as Boas-Novas.
Contudo, nenhum cristão chegará à terceira idade dando frutos, se não tiver interesse em frutificar desde a juventude. Portanto, independentemente da faixa etária em que esteja, desenvolva o hábito de se aproximar das pessoas à sua volta com uma palavra amiga, com um folheto, com uma boa ação e, no momento oportuno, compartilhe com elas a sua experiência com Jesus Cristo. Faça a sua parte, que Espírito Santo fará a obra. Você irá se surpreender com os resultados. Conforme o texto bíblico, você crescerá no conhecimento de Deus, será fortalecido no Seu poder, segundo a força de Sua glória. Assim, com alegria, dará graças a Deus Pai.


Oremos:
1) Para que ao chegar à melhor idade cada membro da família seja frutífero para a glória de Deus;
2) Para que os idosos cresçam na gratidão ao Senhor pelas bênçãos alcançadas;
3) Para que mostrem o fruto do Espírito no seu viver diário;
4) Para que cada família permaneça em Cristo todo o tempo e seja exemplo para os seus vizinhos e familiares que ainda não conhecem a Jesus.
 Escritora: Lúcia Margarida – Professora, diretora executiva da União Feminina Missionária Batista do Brasil

 58º Dia
Enfermidade
Leitura Diária: Lucas 14
“Para que se cumprisse que fora dito pelo profeta Isaías, que diz: Ele tornou sobre si as nossas enfermidades, levou as nossas doenças” (Mateus 8:17).
Quando a Palavra de Deus diz que “Ele tomou sobre si as nossas enfermidades” isto é uma verdade inquestionável; não é uma figura de linguagem, é uma afirmação.
Nenhuma pessoa está livre de ser acometida por uma enfermidade, isto faz parte do ciclo natural da vida. Quase sempre não estamos preparados para enfrentá-la. Alguns enfrentam enfermidades mais longas, outras mais passageiras, mas em todas as circunstâncias o abatimento é natural. Mas este abatimento não pode ser contínuo, mesmo nos casos de enfermidades mais graves ou longas, pois além dos cuidados médicos, que não podem deixar de ser buscados, nós temos em quem buscar sabedoria e amparo nesta hora.
Ao buscarmos os cuidados médicos necessários também buscamos a orientação e o amparo do Médico dos médicos. O Senhor, o nosso socorro bem presente, que já levou sobre si todas as nossas enfermidades. Temos a plena certeza de que jamais seremos abandonados, que jamais seremos esquecidos, que o socorro está sempre presente de forma tal que nenhuma enfermidade nos afetará para sempre, pois o Senhor já as levou sobre si e nos garante a paz nestes momentos de dores.
Nestes momentos podemos em oração entrar na presença do Senhor e colocar diante dele nossos pedidos e também a nossa gratidão pois Ele que tudo conhece sempre nos responde em sua imensa e eterna misericórdia. Por tudo isso podemos dizer: Graças te damos, ó Pai.

 Oremos:
1) Em gratidão a Deus porque Cristo “tomou sobre si as nossas enfermidades”;
2) Por preparação vinda do alto para enfrentarmos os males que nos sobrevêm;
3) Por cura, alívio e conforto, segundo a vontade soberana de Deus;
4) Pelo amparo de Deus e da igreja às famílias que sofrem enfermidades; 5) Pelos profissionais e sistemas de saúde e por avanços na medicina.
 Escritor: Sócrates Oliveira – Pastor, diretor executivo da Convenção Batista Brasileira
  
59º Dia
Violência Doméstica
Leitura Diária: Lucas 15
“Vós, maridos, amai vossas mulheres, como também Cristo amou igreja, e a si mesmo se entregou por ela. VÓS, filhos, sede obedientes vossos pais no Senhor, porque isto é justo. Honra teu pai tua mãe, que é o primeiro mandamento com promessa; para que te vá bem, e vivas muito tempo sobre a terra. vós, pais, não provoqueis à ira vossos filhos, mas criai-os na doutrina admoestação do Senhor’ (Efésios 5.25; 6.1-4).
Este é um tema que seria muito bom se não tivéssemos que lidar com ele, mas esta é uma realidade a que infelizmente não podemos fugir, pois ela está presente no seio de muitas famílias. O ideal de uma verdadeira família não inclui violência, como podemos ver no texto da carta aos Efésios descrito acima. A violência domestica não é nova também dentro do contexto das famílias e está presente de diversas formas e envolve ações físicas, morais e emocionais. A não violência é ideal não apenas no ambiente doméstico, mas em toda a sociedade. A violência é pecado contra Deus, pois ao praticá-la contra outro ser humano ela está sendo praticada contra a criação divina, quanto mais quando isto acontece no seio da família de forma muitas vezes velada e sem a possibilidade de defesa de quem é violentado.
O ensino da Palavra de Deus nos leva a praticar sempre o amor. O texto acima traz a orientação a todos os membros da família. Estes ensinos são para os maridos e mulheres, para filhos e pais e devem ser praticados sempre.
Cabe a cada membro da família a responsabilidade de, com base no amor, cumprir os ensinos da Palavra. Devemos sempre buscar a orientação do Senhor em oração para que todas as famílias possam ser uma bênção e cumprir o que Deus prometeu a Abrão: “E em ti serão benditas todas as famílias da terra”. Deus nos chamou para abençoar a todos com não a violência.

 Oremos:
1) Pela interrupção da violência na família;
2) Por proteção, consolo, coragem e justiça em favor das vítimas da violência doméstica;
3) Por confissão, arrependimento, perdão e cura nas famílias atingidas pela violência;
4) Para que cada membro das famílias cumpra sua responsabilidade com base no amor;
5) Para que as famílias cristãs sejam bênção para as demais famílias da terra.

Escritor: Sócrates Oliveira – Pastor, diretor executivo da Convenção Batista Brasileira
  
60º Dia
A Dor da Perda
Leitura Diária: Lucas 16
Compreender e fazer a vontade de Deus é o ideal que todos nós devemos buscar, mas nem sempre e fácil e aceitável este ideal, especialmente quando isto envolve a separação física de nossos mais queridos. Creio que nenhum de nós algum dia vai se conformar com a dor da separação, mesmo que em termos de compreensão racional isto seja consciente. A dor da perda de um de nossos queridos quer seja de nossa relação parental ou de nossa relação de amizade traz sempre desalento. A partida para a eternidade de todas as pessoas está dentro da soberania de Deus; é a vontade dEle e nós temos que compreender e aceitar, como declara o salmista no Salmo 116:15: “Preciosa é à vista do SENHOR a morte dos seus santos”. O que precisamos fazer é ter consciência e trabalhar para que todos ao nosso redor possam, ao deixar este mundo, viver na presença do Senhor.
Os momentos de tristeza, de dor, de lágrimas também fazem parte da vontade de Deus para cada um de nós. É a forma de sermos tratados, de compreender o quanto somos frágeis e que nada podemos fazer para acrescentar mais dias a nossa vida, a não ser vivermos de tal maneira que quando formos chamados também recebamos a coroa da vitória.
Lembre-se de que somos pó e ao pó voltaremos, mas o sopro de Deus em nós voltará à presença do Pai. A dor da separação é aliviada com esta certeza de que iremos nos encontrar com o Pai e ali não haverá mais dor, ali não haverá tristeza, somente louvaremos para todo o sempre o nosso Senhor.
Levante seus olhos ao céu e clame ao Senhor para que Ele mesmo alivie a dor da separação que possa estar em seu coração.

Oremos:
1) Por conforto do alto para as famílias enlutadas;
2) Por compreensão e aceitação da soberania de Deus em meio à dor pela perda;
3) Por consciência e ação em prol da evangelização;
4) Por uma real percepção da nossa fragilidade e dependência de Deus;
5) Por esperança mediante a certeza do reencontro das famílias na glória.
 Escritor: Sócrates Oliveira – Pastor, diretor executivo da Convenção Batista Brasileira




61º Dia
Ninho Vazio
Leitura Diária: Lucas 17
Os estudiosos do comportamento humano denominam síndrome do ninho vazio o sentimento de solidão, de depressão que passam a ter muito casais depois que um ou mais filhos deixam a casa. Parece que nós, os pais, queremos que aquele bebezinho que chegou um dia para alegrar a casa continue ali sendo cuidado, alimentado e educado por nós, mesmo quando eles já são adultos, já construíram uma carreira profissional e agora encontraram a sua cara-metade e vão continuar o ciclo natural da vida.
Conforme encontramos em Gênesis 1:27,28, “E criou Deus o homem à sua imagem; à imagem de Deus o criou; homem mulher os criou. E Deus os abençoou, e Deus Ihes disse: Frutificai multiplicai-vos, enchei terra, sujeitai-a … “. Claro que a continuidade da vida e o cumprimento desta definição que o Senhor dá, passa por filhos deixando seus pais e iniciando uma nova família. Desta forma é fundamental que pais de todas as épocas possam trabalhar esta questão de um dia voltarem a ser como no início, ou seja, voltar ao “enfim sós”. É a oportunidade muitas vezes para refletir sobre todo o tempo de matrimônio e iniciar um novo ciclo de vida, os dois juntos, quem sabe realizar algum sonho que ainda não foi realizado, e preparar-se para a nova tarefa de serem avós.
Muitas vezes este sentimento é mais intenso na mulher que durante a vida dedicou-se unicamente à família, sem ter uma atividade fora do lar. Como sabemos, a vida é construída de muitas fases, e esta é uma nova fase na vida do casal, que não deve ser deixada de lado. É necessário considerar estes momentos pois muitas vezes o simples deixar de lado tem levado muitos casais à separação. Este não é o desejo do Pai. Assim, busque em oração a orientação, procure se for necessário a ajuda de um profissional, pois, da mesma forma que buscamos um médico para as dificuldades físicas, as dificuldades emocionais precisam de igual modo ser tratadas para se alcançar um vida saudável.

 Oremos:
1) Pelos casais com síndrome do “ninho vazio”;
2) Por conforto na solidão e por cura da de- pressão nesses casos;
3) Para que os casais encarem essa nova fase como uma oportunidade para um novo ciclo de vida a dois;
4) para que não aconteçam separações;
5) Por orientação e sabedoria do Espírito Santo.
 Escritor: Sócrates Oliveira – Pastor, diretor executivo da Convenção Batista Brasileira
  
62º Dia
Aposentei-Me, e Agora?
Leitura Diária: Lucas 18
Pela forma como a sociedade atual vem mudando e com o aumento cada vez mais da expectativa de vida é possível que muito em breve esta expressão vá deixar de ser usada. Algum aspecto além do aumento da expectativa de vida vem contribuindo para que a aposentadoria cada vez mais retarde tanto para homens como para as mulheres. Em todo o mundo as organizações previdenciárias estão trabalhando para que as pessoas possam se manter por mais tempo em suas atividades profissionais, tanto pelos aspectos de custeio financeiro, bem como pelos aspectos de saúde emocional, que inclusive dá origem a esta indagação do título.
Estudos têm demonstrado que muitas pessoas quando chegam ao momento da aposentadoria profissional se sentem sem mais qualquer expectativa a não ser esperar a morte. Esta não deve ser a visão dos servos do Senhor. Aliás, esta é uma oportunidade singular para iniciar uma nova etapa extremamente produtiva da vida, com a experiência, maturidade e disponibilidade, é possível ser eficientemente produtivo talvez em determinadas tarefas que você jamais poderia ter imaginado.
Muitos são os que com a aposentadoria têm voltado aos bancos escolares para o aprendizado de um novo idioma, uma nova formação acadêmica ou se dedicar a pintar, escrever, desenhar e tantas outras atividades artísticas. O mais importante é buscar ser usado do melhor modo possível, isto implica dizer que você não vai para casa e ficar parado para sempre. Veja bem o que diz o sábio em Provérbios 6:6: “Vai ter com a formiga,ó preguiçoso; olha para os seus caminhos, e sê sábio.” Mas esta é uma decisão pessoal que precisa levar em conta tudo que você sonhou na vida até chegar este momento.

Oremos:
1) Pela saúde emocional e física dos’ recém-aposentados;
2) Para que se sintam encorajados a iniciar uma nova etapa produtiva da vida;
3) Para que se animem à formação acadêmica e às atividades artísticas;
4) Para que usem o tempo livre de forma útil, inclusive na obra missionária;
5) Para que não sejam enlaçados pela preguiça.
 Escritor: Sócrates Oliveira – Pastor, diretor executivo da Convenção Batista Brasileira


63º Dia
Viuvez
Leitura Diária: Lucas 19
“Disse, porém, Rute: Não me instes para que te abandone, deixe de seguir-te; porque aonde quer que tu fores irei eu, onde quer que pousares, ali pousarei eu; teu povo é o meu povo, o teu Deus é o meu Deus; Onde quer que morreres morrerei eu, ali serei sepultada. Faça-me assim SENHOR, outro tanto, se outra coisa que não seja morte me separar de ti” (Rute 1.16, 17).
Viuvez é o estado social que um cônjuge fica quando o outro vem a falecer. Talvez esta seja a história de viuvez mais intensa que encontramos registrada na humanidade. São três mulheres que quase ao mesmo tempo ficam viúvas. Um quadro que emociona ainda hoje, apesar de tanto tempo. Aqui são três mulheres e uma nora faz juramento à sogra de acompanhá-la aonde quer que ela fosse, de estar junto de não abandoná-la. Mas a viuvez também atinge de igual modo os homens. Encontramos Abraão chorando a morte de Sara e tantos outros que poderíamos listar ou que você esteja neste momento lembrando. O lamento pela perda do cônjuge é intensamente difícil, pois muitas vezes é ruptura de sonhos, de projetos juntos que jamais serão realizados. Lamentar a viuvez é necessário mas é importante que esta lamentação não se torne um estado continuo. No passado, quando os homens eram na sua maioria o único provedor da família, este fato causou dificuldades, muitas delas com repercussão até os dias atuais. A viuvez não é o fim da vida para o cônjuge que fica. É importante a continuidade da família, dos valores que até então foram as bases desta família. Em todos os exemplos que encontramos na Bíblia, as viúvas e viúvos puderam experimentar a presença e a misericórdia de Deus, e hoje não é diferente. Assim como os servos do passado venceram estes momentos, você hoje também será com certeza um vencedor em sua família.

Oremos:
1) Para que viúvos e viúvas experimentem a presença e a graça de Deus;
2) Para que a lamentação e a murmuração não se torne um estado contínuo;
3) Pela provisão de Deus às viúvas de homens que eram o único provedor da família;
4) Para que a pessoa viúva prossiga firme com vistas à continuidade da família;
5) Para que os casais aproveitem ao máximo e com qualidade o tempo juntos até que a morte os separe. 
Escritor: Sócrates Oliveira – Pastor, diretor executivo da Convenção Batista Brasileira

 64º Dia
Dívidas
Leitura Diária: Lucas 20
“Pois qual de vós, querendo edificar uma torre, não se assenta primeiro fazer as contas dos gastos, para ver se tem com que acabar? Para que não aconteça que, depois de haver posto os alicerces, e não podendo acabar, todos os que virem comecem a escarnecer dele” (Lucas 15.28,29).
Podemos entender dívidas como o conjunto de compromissos financeiros que alguém tem que saldar em um tempo determinado. As dívidas podem ter diversas origens, muitas vezes uma pessoa pode se envolver em uma dívida em função de uma situação incontrolável a que foi submetida por um acidente ou algo parecido, no entanto, o que mais se tem observado é que as dívidas normalmente são frutos de uma maneira desorganizada de administrar os recursos.
A Bíblia diz que nós devemos ser bons mordomos, ou seja, bons administradores de tudo que vem às nossas mãos. Nós podemos comprovar isto em vários ensinos de Jesus. Assim os servos do Senhor devem procurar administrar com muito cuidado todos os seus recursos para não se tornar um escravo da dívida, como demonstra o texto acima. Faz-se necessário, antes de entrar em uma empreitada, avaliar todos os riscos possíveis, avaliar os recursos disponíveis e então partir para a empreitada. Quem segue esta orientação com certeza alcançará bons resultados e não acumulará dívidas.
Muitas pessoas iniciam com uma pequena dívida e vão se envolvendo mais e mais e terminam por serem escravizadas pelas dívidas. O melhor caminho para não cair nesta armadilha é buscar a orientação do Senhor antes de qualquer comprometimento. Mas, se por uma razão incontrolável isto acontece, busque também a orientação do Senhor e a assistência de um profissional para ajudar você a não permanecer como escravo da dívida. Lembre-se: Deus criou você para a liberdade.

 Oremos:
1) Pelas famílias endividadas;
2) Para que as famílias se organizem na maneira de administrar os recursos;
3) Para que as famílias tenham cuidado com a mordomia de tudo;
4) Para que as famílias escravizadas pela dívida encontrem os meios para a liberdade financeira;
5) Para que os chefes de família aprendam a buscar orientação do Senhor antes de qualquer comprometimento.
Escritor: Sócrates Oliveira – Pastor, diretor executivo da Convenção Batista Brasileira


65º Dia
A Família e o Desafio da Saúde Integral
Leitura Diária: Lucas 21
“Partiu, pois, Sunamita foi ter com o homem de Deus, ao monte Carmelo; sucedeu que, vendo-a de longe homem de Deus, disse a Geazi, seu moço: Eis aí sunamita; corre-lhe ao encontro e pergunta-lhe: Vais bem? Vai bem teu marido? Vai bem teu filho? Ela respondeu: Vai bem” (2 Reis 4:25,26).
Quando o profeta Eliseu passava pela cidade de Suném (2Reis 4:8) ele era convidado por uma sunamita e seu esposo, ricos, e sem filhos, para comer com eles. A partir da compreensão de que Eliseu era “um santo homem de Deus” (4:9) eles resolveram fazer um pequeno quarto em cima do muro, com uma cama, uma mesa, uma cadeira e um candeeiro e, assim, Elizeu passou a não apenas comer, mas também a pernoitar ali. Eliseu profetizou que a sunamita teria um filho e de fato um ano depois isso aconteceu (4:17). Quando o menino cresceu e estava no campo com seu pai teve uma aguda dor de cabeça. O pai mandou levá-lo à mãe (4:19) mas o menino não resistiu e acabou morrendo. A sunamita então colocou a criança morta sobre a cama do homem de Deus (4:21), procurou o seu marido para dizer-lhe que ela ia ao encontro do homem de Deus (4:22). Estranhando a repentina viagem o homem perguntou à sua esposa: “Por quê? Não é lua nova nem sábado?” (4:23) Ao que ela respondeu: “Tudo vai bem!”, e partiu! Quando chegou perto do Monte Carmelo Elizeu mandou perguntar-lhe:
“Vais bem? Vai bem teu marido? Vai bem teu filho? E ela mais uma vez respondeu: Vai bem”. A história prossegue e ela revela a Eliseu a sua amargura, concluindo pela recuperação da vida e da saúde da criança.
A sunamita e seu esposo eram ricos, com sensibilidade espiritual, tratavam com desvelo o profeta do Senhor, investiam na obra de Deus, mas tinham problemas em assumir as responsabilidades pelo bem-estar do filho, além de terem problemas com a comunicação conjugal. Eles estavam bem em alguns aspectos, mas havia problemas e nem tudo ia bem. O que se destaca aqui é que a sunamita afirmava categoricamente que tudo ia bem, quando na verdade a criança estava morta.
Como vai a saúde da família? Tem bem-estar material, mas não experimenta bem-estar conjugal? Apresenta atitudes “religiosas” compatíveis com o que se espera, mas no fundo vive distorções e desvios espirituais profundos? Tem aparência e nome de que vive, mas está morta (conf. Apocalipse 3.1 b)? Como vai a saúde da sua família?
Ore pela saúde integral da família, principalmente a saúde espiritual.

 Oremos:
1) Pela saúde integral da família;
2) Pelos pais, para que assumam as responsabilidades pelo bem- -estar de seus filhos;
3) Para que haja boa comunicação nas nossas famílias;
4) Para que sejam eliminadas todas as distorções espirituais em nossos lares:
5) Para que nossas famílias sejam verdadeiramente vivas e saudáveis.
Escritor: Josué Mello Salgado, Doutor em Teologia, pastor da Igreja Memorial Batista (Brasília-DF).

 66º Dia
A Família e o Desafio do Aborto
Leitura Diária: Lucas 22
“Quando os meus ossos estavam a ser formados, sem que ninguém o pudesse ver; quando eu me desenvolvia em segredo, nada disso te escapava. Os teus olhos viram o meu corpo ainda informe, e no teu livro todas estas coisas foram escritas, as quais iam sendo dia dia formadas, quando nem ainda uma delas havia” (Salmo 139:15,16).
Os dicionários Aurélio e Houaiss definem aborto como (jur.) “a interrupção dolosa da gravidez, com expulsão do feto ou sem ela” e “da qual resulta a morte do nascituro”. Creio que assim aprendemos desde a infância. Há entretanto novas interpretações para o aborto e que resultam em amenizar a sua seriedade. Em 2010 a então candidata Dilma Rousseff afirmou que era contra o aborto porque ele “é uma violência contra a mulher”. Na mesma ocasião ouvi de um irmão a justificativa para a posição do seu partido sobre o aborto dizendo que precisávamos olhá-lo pelo foco da saúde pública e assim descriminalizá-lo. No dia 4.10.20 I O, o n° 190 do Diário Oficial da União – Seção 3, pág. 88, publicava um termo aditivo de prorrogação ao termo de cooperação entre a União Federal (Ministério da Saúde) e a Fundação Oswaldo Cruz (RJ) para “Estudo e Pesquisa para Despenalizar o Aborto no Brasil”. Lamentável!
Há outras interpretações tão evasivas quanto essas, mas nós devemos perguntar: O que pensa o Criador e Senhor absoluto da Vida sobre o aborto? O que Ele revela sobre o ser em desenvolvimento no útero materno desde a sua fecundação?
A Bíblia deixa claro o interesse Divino sobre o “corpo” ainda informe. Assim a Bíblia afirma que o aborto é primeiramente uma violência contra a vida, e uma usurpação de uma prerrogativa divina. Em conclusão, a Bíblia chama o aborto de pecado, ainda que descriminalizado cultural e legalmente. Deus não nos criou para o pecado! Aborto: aborte essa ideia!
Ore pela família cristã para que ela sempre faça a opção pela vida e não pela morte.

 Oremos:
1) Pelo fim da prática do aborto;
2) Para que Deus não permita a despenalização nem a banalização do aborto no Brasil;
3) Para que as famílias cristãs não sejam contaminadas por interpretações evasivas e secularizadas sobre o aborto;
4) Pelas vidas humanas que estão agora mesmo no útero de suas mães, para que Deus as guarde de serem assassinadas;
5) Pelas grávidas, para que consagrem o fruto de seu ventre a Deus e recebam d’Ele a provisão necessária para o feliz e saudável nascimento de seus filhos.
Escritor: Josué Mello Salgado, Doutor em Teologia, pastor da Igreja Memorial Batista (Brasília-DF).

 67º Dia
A Família e o Desafio da Homossexualidade
Leitura Diária: Lucas 23
 “Pois do céu é revelada ira de Deus contra toda a impiedade injustiça dos homens que de têm a verdade em injustiça. Pelo que Deus os entregou a paixões infames. Porque até assuas mulheres mudaram o uso natural no que é contrário à natureza; semelhantemente, também os varões, deixando uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns para com os outros, varão com varão, cometendo torpeza e recebendo em si mesmos a devida recompensa do seu erro. assim como eles rejeitaram o conhecimento de Deus, Deus, por sua vez, os entregou a um sentimento depravado, para fazerem coisas que não convêm;” Romanos 1:26-28.
Em 1994 a caminho de metrô para o centro da cidade de Hamburgo, na Alemanha, os meus dois filhos (6 e 8 anos de idade) fizeram um comentário deselegante ao passarmos por um outdoor onde se via a demonstração homoafetiva de duas mulheres e me perguntaram o que Deus pensava daquilo. Era a primeira vez que tomávamos contato e falávamos sobre o assunto, tão comum no velho continente. Os meus filhinhos mostravam assim “a obra da lei escrita no seu coração, testificando juntamente a sua consciência e os seus pensamentos, quer acusando-os, quer defendendo-os” (Romanos 2:15). Eles já entendiam que aquilo era errado para Deus!
O texto de Romanos deixa claro que a homossexualidade é “paixão infame”, é contrária à natureza, é mudança de uso natural, é inflamação de sensualidade, é torpeza, sentimento depravado, coisa que não convém. Com tais termos “politicamente incorretos” a Bíblia qualifica a homossexualidade como pecado. Mas a Bíblia também diz que do céu é revelada a ira de Deus contra a homossexualidade! O salário do pecado é a morte, existencial e espiritual!
É preciso contudo entendermos que:
1) nós vivemos numa sociedade não cristã, com valores não cristãos. Não podemos e não devemos exigir dessa sociedade um comportamento cristão. Seria pedir uma conversão das atitudes, sem uma conversão do coração!
2) “A ira do homem não opera a justiça de Deus” (Tiago 1:20). É Deus quem castiga o pecado, não nós! Isso desautoriza a violência da homofobia,
3) Deus odeia o pecado, mas segue amando o pecador! Os que optaram pela “paixão infame” devem ser alvo da nossa pregação misericordiosa, pois a misericórdia triunfa sobre o juízo (Tiago 2:13).
Ore para que a família cristã tenha sabedoria para seguir e pregar a verdade bíblica com amor cristão (Efésios 4:15) para com todos, mesmo para com os que optaram por orientação sexual contrária à natureza e não bíblica.

Oremos:
1) Para que a família prevaleça no desafio do homossexualismo;
2) Para que Deus não permita que as leis brasileiras se degenerem a ponto de criminalizar a pregação de que o homossexualismo é pecado;
3) Pelos nossos filhos, para que não sejam presas fáceis do homossexualismo devido à militância ideológica de nossos dias;
4) Para que os homossexuais sejam alvo da pregação misericordiosa e não sofram nenhum tipo de violência;
5) Para que a família brasileira tenha sabedoria para seguir pregando a verdade bíblica com amor cristão.
Escritor: Josué Mello Salgado, Doutor em Teologia, pastor da Igreja Memorial Batista (Brasília-DF).

 68º Dia
A Família e o Desafio do Consumismo
Leitura Diária: Lucas 24
“Por que gastais dinheiro naquilo que não é pão, e o produto do vosso trabalho naquilo que não pode satisfazer’ (Isaías 55.2a).
“Conta-se que no século passado, um turista americano foi à cidade do Cairo no Egito, com o objetivo de visitar um famoso sábio. O turista ficou surpreso ao ver que o sábio morava num quartinho muito simples e cheio de livros. As únicas peças de mobília eram uma cama, uma mesa e um banco. ‘Onde estão seus móveis?’, perguntou o turista. E o sábio, bem depressa olhou ao seu redor e perguntou também: ‘E onde estão os seus … ?’. ‘Os meus?!’, surpreendeu-se o turista. ‘Mas estou aqui só de passagem!’. ‘Eu também .. .’, concluiu o sábio” (fonte: internet).
A diferença entre o consumo e o consumismo é que no consumo as pessoas adquirem somente aquilo que Ihes é necessário para a sobrevivência, enquanto no consumismo a aquisição de bens é compulsiva, i.e., impelida por uma imposição interna irresistível e sem uma reflexão sobre a impropriedade ou não da ação. Adolescentes são o alvo principal da propaganda, cujo interesse é obviamente vender e lucrar cada vez mais, sem importar se essas vendas distorcem ou prejudicam o espírito humano. Há pais que incentivam o consumismo de seus filhos, às vezes para compensar suas ausências ou para tentar assim mostrar o seu amor. Mas há também jovens e adultos compulsivamente consumistas.
O consumismo não apenas descaracteriza o espírito humano, tornando-o egocêntrico e causando uma inversão dos valores, mas também utiliza de forma errada os recursos financeiros, que poderiam ser canalizados na prática do bem ao próximo e no investimento na obra de Deus. O consumista por vezes vê na ostentação do acúmulo de bens de consumo a garantia da aceitação nos grupos sociais significativos, inclusive na igreja. Não é raro que ele veja no consumismo a razão do seu existir, e o valor da sua pessoa. Ouçamos Jesus: “E disse-lhes: Acautelai-vos e, guardai-vos da avareza; porque a vida de qualquer não consiste na abundância do que possui” (Lucas 12.15).
Ore para que a família cristã tenha consciência de que aqui estamos só de passagem, investindo recursos financeiros somente no que é necessário, deixando de lado o supérfluo.

Oremos:
1) Para que a família vença o desafio do consumismo;
2) Pelos membros de nossas famílias, para que não se deixem seduzir pelas propagandas nem cedam à tentação do consumo desenfreado;
3) Pelos pais, para que não incentivem o consumismo de seus filhos;
4) Para que Deus limpe os nossos corações do egoísmo e do materialismo;
5) Para que a família cristã se conscientize acerca da transitoriedade da vida na terra e saiba aplicar bem seus recursos.
Escritor: Josué Mello Salgado, Doutor em Teologia, pastor da Igreja Memorial Batista (Brasília-DF).

 69º Dia
A Família e o Desafio da Influência dos Meios de Comunicação
Leitura Diária: João 1
“O Senhor me respondeu disse: Escreve visão, grava-a sobre tábuas, para que possa ler até quem passa correndo” (Hb 2:2).
Os meios de comunicação de massa e interpessoais são instrumentos utilizados na realização do processo de comunicação de uma mensagem (ideia que se deseja comunicar) entre um emissor (pessoa que comunica uma mensagem) e um receptor (a quem é destinada a mensagem). Meios sonoros como o telefone e o rádio, escritos- jornais e revistas, audiovisuais – televisão e cinema e hipermídia – tv digital e internet.
Em nossos dias, de modo especial com a internet, mas ainda também com a TV, os meios de comunicação se tornaram canais poderosos, quase onipresentes, através dos quais são transmitidas não apenas mensagens, mas também valores, padrões de comportamento e convicções. A grandiosa influência dos meios de comunicação é inquestionável, e por isso não é tanto sua influência que deve nos preocupar, mas sobretudo a mensagem que é transmitida. Boa ou má, verdadeira ou falsa, edificante ou demolidora dos valores cristãos, a mensagem poderá conquistar e até dominar membros da família, estabelecendo ora o conflito no seio familiar e em consequência a desagregação familiar, ora a “reunião” e a ligação familiar. É preciso investir nas mensagens agregadoras.
As redes sociais parecem ser neste tempo, por um lado, as grandes vilãs; e por outro, as grandes vitoriosas nesse processo de comunicar valores e princípios. O ser humano vai se tornando cada vez mais “transparente” nas redes sociais, também para as obras infrutuosas das trevas.
O Senhor Deus antecipa por intermédio do profeta Habacuque um tempo como o nosso de grande azáfama, grande pressa, atividade e confusão e manda que se escreva a revelação divina concedida, gravando-a sobre tábuas, para que a possa ler até quem passa correndo. Com tal revelação não há uma demonização dos meios de comunicação, mas a percepção deles como meio de comunicação, de massa ou interpessoal, da mensagem salvadora do evangelho de Jesus Cristo e do ensino eficaz e transformador dos princípios e dos valores bíblicos. Se já não há tanta facilidade assim para a família pós-moderna se reunir presencialmente para um culto doméstico, pelo desencontro constante dos horários e compromissos, por que não se reunir, pelo menos, virtualmente para um “fastfood” espiritual de modo a reduzir as más influências dos meios de comunicação, e acentuar-Ihes as virtudes e influências positivas?
Ore para que a família cristã encontre tempo na azáfama da vida para compartilhar e transmitir valores cristãos e princípios bíblicos uns aos outros.
 Oremos:
1) Pelas famílias, para que não se deixem influenciar para o mal pelos meios de comunicação;
2) Para que o tempo gasto à frente da TV ou da internet não acarrete o esfriamento do relacionamento entre os membros das famílias;
3) Para que os veículos de comunicação sejam cada vez mais ocupados pela pregação da Palavra de Deus;
4) Por santidade na hora de acessar os meios de comunicação;
5) Para que a família cristã encontre tempo para compartilhamento cristão.

Escritor: Josué Mello Salgado, Doutor em Teologia, pastor da Igreja Memorial Batista (Brasília-DF).

 70º Dia
A Família e o Desafio da Droga
Leitura Diária: João 2
“O pecado não pode mais ditar as regras da vida de vocês. Afinal, vocês não estão mais vivendosob a velha tirania: estão vivendo na liberdade de Deus” (Romanos 6:14).
A guerra contra o crack ainda não está sendo vencida pelas autoridades, admitiu em 28/12/2012 a Secretária Nacional de Segurança Pública (fonte: Site da Agência Brasil – EBC). Talvez porque a guerra contra o crack e contra a droga não seja meramente uma questão de segurança pública, mas de segurança familiar. A guerra contra a droga começa no seio familiar.
Quer me parecer que existem pelo menos dois paradigmas da relação entre família e drogas: a) a desestruturação familiar e a ausência de genuína conversão que abrem lacunas para o domínio das famílias pelas drogas, b) a influência externa alinhada ao fator “curiosidade” sobre membros de família criados em “redomas de vidro” sem saberem o que os esperava “lá fora”.
Famílias cristãs precisam ser constituídas e mantidas nos princípios bíblicos, tendo experimentado genuína conversão, para que sejam verdadeiras trincheiras espirituais e morais na guerra contra as drogas. Famílias cristãs precisam vigiar contra influências externas, com valores não cristãos, para que o caminho que foi ensinado ao menino (Pv 22:6) não seja substituído por caminhos que parecem mais prazerosos mas que são os caminhos da morte. Além disso a comunicação dentro da família cristã deve encarar de forma transparente. os desafios deste tempo. Nós não devemos nos esquecer jamais que o caminho das drogas e do pecado se apresenta sempre bonito e prazeroso. O pecado não é feio, é bonito, é muito “oâaro” (gíria = maravilhoso, legal, bom, bonito)! Mas ele leva à morte!
Ore para que a família cristã seja constituída e mantida nos princípios bíblicos e sejam refúgio contra as drogas. Ore por sabedoria na abordagem clara e bíblica do problema das drogas.

 Oremos:
1) Para que a família não sucumba diante do desafio das drogas;
2) Pela conversão dos membros da família, melhor escudo contra as drogas;
3) Pelos filhos, para que não sejam dominados pela curiosidade de experimentar drogas lícitas e ilícitas;
4) Pela libertação e restauração dos familiares que já estão aprisionados pelas drogas;
5) Para que as nossas famílias sejam refúgio contra as drogas, sabendo tratar a questão com sabedoria e fundamentação bíblica.

Escritor: Josué Mello Salgado, Doutor em Teologia, pastor da Igreja Memorial Batista (Brasília-DF).

 71º Dia
A Família e o Desafio da Proteção do Meio Ambiente
Leitura Diária: João 3
“Tomou, pois, Senhor Deus homem e o pôs no jardim do Éden, para lavrar guardar”(Gênesis 2.15)
“Porque ardente expectação da criação aguarda manifestação (gr. apocalupsis) dos filhos de Deus” (Rom 8.19).
Há alguns anos ouvi o jornalista Joelmir Beting (falecido em 2012) fazer uma afirmação contundente: A NATUREZA NAO SE DEFENDE, ELA APENAS SE VINGA. Muitos dos chamados desastres naturais podem ser consequência da irresponsabilidade dos governos, da teimosia dos cidadãos, da nossa relação irrefletida com o meio ambiente, mas principalmente de uma presença pecaminosa do povo de Deus no mundo. Uma presença no mundo sem um sentido lato de missão, de guardar, observar, obedecer todas as coisas que Jesus ensinou (Mateus 28.20). Como em Ezequiel 22.24ss não se pode culpar apenas a natureza pelos desastres ambientais; governo, povo e igrejas têm sua parcela de culpa.
Quando Deus criou o ser humano e o colocou no jardim do Éden, ordenou claramente um desenvolvimento sustentável do planeta (Gênesis 2.15). Nem lavrar sem guardar, nem guardar sem lavrar, foi a ordem divina. Vê-se por aqui que a responsabilidade ecológica não foi uma invenção humana moderna, foi uma ordenança divina antiga.
A Escritura Sagrada afirma que toda a criação vive sob a ardente expectação, da apaixonada expectativa, de que aqueles que são chamados filhos de Deus pensem, falem e ajam como legítimos filhos de Deus! Que os filhos de Deus reproduzam em suas ações o caráter divino! Que aja coerência de vida com o nome que levamos! Por isso Ihes disse que entre os fatores principais para os pecados ecológicos estava a presença pecaminosa do povo de Deus no mundo. Curto: os nossos pecados, a nossa teimosa dureza de coração(gr. esclerocardia) para cumprir todas as ordens divinas (e não apenas as nossas prediletas) é uma das causas dos desastres ambientais.
É preciso que no seio da família valores “ecológicos” comecem a ser disseminados desde cedo para que as famílias cristãs cumpram também a ordem de lavrar e guardar o planeta; para que as famílias cristãs não experimentem a “vingança” da natureza e para que o “apocalipse”, a manifestação dos filhos de Deus cumpra a ardente expectação da criação.
Ore para que a família cristã aceite o desafio divino da proteção do meio ambiente.

Oremos:
1) Pelas famílias, para que sejam agentes de preservação do meio ambiente;
2) Pela revitalização nas famílias do princípio da mordomia cristã com relação ao meio ambiente;
3) Para que os valores ecológicos sejam disseminados desde cedo nas famílias cristãs;
4) Para que a família cristã aceite o desafio da proteção ao meio ambiente;
5) Pelo equilíbrio ambiental de nosso planeta.

Escritor: Josué Mello Salgado, Doutor em Teologia, pastor da Igreja Memorial Batista (Brasília-DF).

72º Dia
Eu e Minha Casa Serviremos a Quem?
Leitura Diária: João 4
“Agora, pois, temei ao SENHOR e servi-o com integridade e com fidelidade; deita i fora os deuses aos quais serviram vossos pais dalém do Eufrates e no Egito servi ao SENHOR. Porém, se vos parece mal servir ao SENHOR, escolhei, hoje, quem sirvais: se aos deuses quem serviram vossos pais que estavam dalém do Eufrates, ou aos deuses dos amorreus, em cuja terra habitais. Eu e a minha casa serviremos ao SENHOR” OS 24.14,15).
Nesta meditação, gostaria que refletíssemos, à luz deste texto, a preocupação de Josué com os lares do seu povo. Ele convoca o povo a uma renovação da aliança e, para isso, deveria haver uma mudança radical.
Uma renovação da aliança para sair do esfriamento espiritual.
Josué pontua algo extremamente grave, o legado negativo dos pais. Tal legado trazia no seu bojo deste- mor do Senhor, apego aos deuses estranhos e dedicação a eles.
Temer a Deus é um respeito profundo e devoção total a Ele, merecedor de toda a nossa dedicação. Ele apela para servir a Deus com integridade, isto é, com inteireza de vida. Integridade mostra o caráter daquele que faz o que disse que faria. O servir com integridade anda bem perto da fidelidade, pois Deus quer de nós a mesma fidelidade que Ele tem a nós.
Josué desejava lares aquecidos espiritualmente e, para isso, ele pediu algumas atitudes que devemos ter, mesmo milhares de anos depois:
§  Temor,
§  Integridade no servir,
§  Fidelidade,
§  Abandono total dos deuses de seus pais.
Creio que podemos aquecer espiritualmente nossos lares controlando ou eliminando os deuseszinhos do século XXI, como: trabalho, televisão, internet, lazer, vaidades, vícios, compromissos sociais, e outros, que tanto tomam lugar do tempo de devoção ao Deus vivo.
Josué decidiu manter o seu lar aquecido, dizendo: “Eu e a minha casa serviremos ao Senhor”.

 Oremos:
1) Para que nossas famílias renovem o compromisso de sair do esfriamento espiritual;
2) Para que nossas famílias renunciem a toda forma de idolatria;
3) Para que nossos lares sejam repletos de temor a Deus, integridade no servir e fidelidade;
4) Para que os deuseszinhos do século XXI não tomem o tempo de devoção a Deus;
5) Para que todos os lares cristãos vivenciem genuinamente a declaração “Eu e a minha casa serviremos ao Senhor”. 
Escritor: Antonio Mendes – Pastor da 1ª IB de Atibaia, SP

73º Dia
Valores Desvalorizados
Leitura Diária: João 5
“Valores são normas, princípios ou padrões sociais aceitos ou mantidos por indivíduos, classe, sociedade, etc.” (Dicionário Aurélio).
A humanidade necessita de valores que norteiem a sua vivência em comunidade. Muito se fala em valores que eram observados, mas hoje nem são lembrados, graças à decadência moral da família. A ausência de valores provoca na família rupturas que dificilmente serão consertadas, pois aqueles que a compõem, pai, mãe e filhos vêm adquirindo “novos” procedimentos que a têm distanciado dos padrões de Deus.
A Ética é definida por Motta (1984), como um “conjunto de valores que orientam o comportamento do homem em relação aos outros homens na sociedade em que vivem, garantindo, outrossim, o bem-estar social”, ou seja, ética é a forma que o homem deve se comportar no seu meio social.
E como podemos definir a ética cristã?
“É um conjunto de valores extraído da Palavra de Deus que deve determinar o comportamento do crente, garantindo o bom testemunho do filho de Deus. Há aqueles que definem a ética como teórica e a moral como prática. Então, a nossa ética cristã é mostrada por intermédio do nosso comportamento, visto na prática”.
O nosso código de ética é a Palavra de Deus. Trata-se de um código completo e, por isso, é completo para determinar como nossas famílias devem viver e, principalmente, desenvolver o caráter cristão dos filhos.
São valores eternos e divinamente inspirados para fazer, das nossas famílias, lares que espelhem o caráter de Cristo.
A ausência desses valores levará os lares ao caos.
“Para que temas ao SENHOR, teu Deus, e guardes todos os seus estatutos e mandamentos (valores) que eu te ordeno, tu, e teu filho, e o filho de teu filho, todos os dias da tua vida; e que teus dias sejam prolongados.” (Dt 6.2).
Os valores eternos se constituem em bens que devem ser guardados como tesouros, que enriquecem nossos lares.
Você ama, como o Salmista? “Amo os teus mandamentos mais do que o ouro, mais do que o ouro refinado” (SI 119.127).
 Oremos:
1) Pelas famílias cristãs, para que preservem os valores da Palavra de Deus em meio a uma sociedade decadente;
2) Pelas famílias em geral, para que não sejam destruídas pelos “novos” procedimentos divorciados dos padrões de Deus;
3) Para que o comportamento dos crentes reflita os valores do código de ética de Deus;
4) Para que nossos lares espelhem o caráter de Cristo;
5) Para que a sociedade como um todo perceba o caos iminente e se volte aos valores da Palavra de Deus.

Escritor: Antonio Mendes – Pastor da 1ª IB de Atibaia, SP


74º Dia
Isso Era Antigamente …
Leitura Diária: João 6
O relativismo é uma corrente que nega toda verdade absoluta e perene, assim como toda ética absoluta, ficando a critério de cada indivíduo definir a sua verdade e o seu bem.
Este é o grande perigo, que está rondando a igreja e, consequentemente, as famílias.
A verdade absoluta não existe, e cada um determina o que fazer e como fazer. O importante é ser feliz, mesmo que, para tanto, seja ignorada a Palavra de Deus.
Estariam as famílias afetadas pelo relativismo?
A influência do mundo relativista leva cada membro da família a olhar e se importar egoisticamente com seu próprio umbigo, ignorando por completo o ideal de Deus.
Quando Josué alertou as famílias a observarem dia e noite a lei do Senhor, ele estava dizendo que as VERDADES ABSOLUTAS, IMUTÁVEIS E ETERNAS dessa lei deveriam nortear as vidas das famílias do povo de Deus.
Ele chega a desafiar, dizendo: “Porém, se vos parece mal servir ao SENHOR, escolhei, hoje, a quem sirvais: se aos deuses a quem serviram vossos pais que estavam dalém do Eufrates ou aos deuses dos amorreus, em cuja terra habitais”. E se posiciona: “Eu e a minha casa serviremos ao SENHOR” (Js. 24:14).
Tudo é relativo, quer dizer, qualquer coisa serve, contanto que me agrade e satisfaça os desígnios do meu coração, mesmo que sejam maus.
Vida cristã em família é totalmente o contrário, e tem como resultado a promessa de ser bem-sucedida Js 1:7).
• O marido que tudo relativiza, diz: “Eu amo minha esposa do meu modo e não preciso de nenhuma orientação, e educo o meu filho com o modelo que eu achar melhor”.
• A esposa que relativiza, diz: “Submissão é coisa do passado, a escola é que deve educar meus filhos”.
“Não vou impor nada aos meus filhos, deixo-os livres para fazerem suas escolhas.”
• O filho que relativiza, diz: “Sou livre para escolher meus caminhos, não existe caminho certo, as verdades dos meus pais são as verdades deles, eu faço a minha verdade e obedeço à minha consciência e não aos meus obsoletos pais”.
Perceba que, em todos esses comportamentos estão presentes sentimentos como: egoísmo, ignorância da Palavra de Deus, desobediência, total destemor e desrespeito aos mandamentos e princípios da Bíblia.

 Oremos:
1) Para que nossas famílias não sejam afetadas pelo relativismo;
2) Pelos membros das nossas famílias, para que não sejam apanhados pelo egoísmo, ignorando a Palavra de Deus;
3) Pelas famílias, para que sejam norteadas pelas verdades absolutas, imutáveis e eternas da lei do Senhor;
4) Pelos maridos e pelas esposas, para que busquem na Palavra de Deus os padrões de comportamento sadio para o relacionamento conjugal;
5) Pelos filhos, para que não se rebelem contra os princípios da Bíblia.

Escritor: Antonio Mendes – Pastor da 1ª IB de Atibaia, SP


75º Dia
Pai Herói …
Leitura Diária: João 7
O pastor Pedro Litwinczuk foi meu vizinho quando pastoreava a IB Vila Prudente, em São Paulo. Lembro-me do esforço do pastor Pedro em perder um pouco da sua famosa e notável barriga, e para tanto, levantava cedo para sua caminhada. Um dia, ele num momento de descontração no lar brincava com Pedrinho, hoje pastor Pedrão. A certa altura, Pedrinho disse: Papai, quando eu crescer quero ter uma barriga igual a do senhor. Nem sei se meu colega, Pastor Pedro, se lembra disso.
Para o Pedrinho o papai Pedrão era modelo, exemplo a ser seguido. Onde estão os exemplos para os nossos filhos e para os nossos lares?
Conheci e conheço lares que são verdadeiras inspirações na igreja, e dignos de serem seguidos, pela seriedade com que encaram a vida cristã e a igreja. Conheço uma irmã com sete filhos que não mede esforços para fazer com que eles cresçam no caminho da verdade. Que exemplo!
Meu pai ensinou-me a amar a igreja com seu exemplo, pois mesmo depois de um longo dia de trabalho no sítio, ainda reunia forças e ânimo para me carregar por alguns quilômetros até a pequena congregação. O legado que recebi dele me fez um pai de família e pastor.
Inspirado por Deus, sobre os limites da liberdade cristã, o apóstolo Paulo diz: “Sede meus imitadores, como também eu sou de Cristo” (I Co I 1.1).
Sermos imitadores de Cristo, por mais difícil que seja, é a obrigação para todos os crentes.
Pais imitadores de Cristo terão filhos imitadores do Mestre. Os pais, como líderes em seus lares, devem procurar ser exemplos para que, principalmente, seus filhos tenham heróis espirituais para se espelharem.
Os pais são heróis e exemplos de vida para os filhos. Isso é um grande privilégio e uma imensa responsabilidade, pois nosso testemunho poderá aproximá-los ou afastá-los dos caminhos de Deus.

Oremos:
1) Pelos pais, para que assumam com coragem e lealdade a Deus a responsabilidade de serem exemplos para seus filhos;
2) Pelos nossos lares, para que sirvam de inspirações na igreja;
3) Para que o cansaço causado pelos nossos afazeres diários não seja uma desculpa para a falta de compromisso com a vida cristã e a igreja;
4) Pelos filhos, para que observem e imitem o bom exemplo de seus pais.

Escritor: Antonio Mendes – Pastor da 1ª IB de Atibaia, SP




 76º Dia
Decompor, Destruir, Perder suas Características Naturais, issoé DEGRADAR
Leitura Diária: João 8
A degradação da família é um processo galopante e extremamente preocupante. Como buscar ideais para a nossa pátria, com as famílias sendo solapadas pelas drogas, divórcios, pornografia, bebidas, e baladas regadas a tudo o que é nocivo?
Como ter igrejas fortes se afrouxarmos os princípios eternos de Deus?
Se a degradação da família é uma realidade num processo galopante, o que fazer?
Assusta-me a apatia dos pais no cuidado da família e da igreja, diante dessa situação demoníaca. Só pode vir de Deus o freio da degradação da família. E Ele usa a sua igreja.
Infelizmente, acho que nem todas estão desenvolvendo o papel que Deus espera.
O que esperar de um governo que patrocina “kit anti-homofobia” apoia a união de um homem com homem e mulher com mulher, chamando isso de casamento e de família? Tais “casais” já podem adotar filhos.
Como será o amanhã dessas crianças? Que concepção de família elas terão?
Proíbem aplicar a disciplina da vara, ensinada na Bíblia. Inventam leis específicas, a fim de se intrometerem na educação dos nossos filhos. São leis criadas, na sua maioria, por homens sem o mínimo temor de Deus.
Deixar para a televisão cuidar da família com novelas criadas por servos do inferno, que só fazem apologia à degradação da família, explorando sexo, adultério, traição, homossexualismo, etc.
Cristo é a única solução para salvar a família. É papel da igreja proclamar esta verdade para as famílias desesperadas e sem esperança.
A igreja não pode falhar nem silenciar-se diante do caos familiar em que vivemos. Ela é responsável para ensinar aos pais a cuidarem de seus lares à luz da Palavra.
Juntos, igreja e pais, sob o Senhorio de Cristo, podem e devem evitar a degradação da família.
“Ensina a criança no caminho em que deve andar, e ainda quando for velho não se desviará dele” (Provérbios 22.6).

 Oremos:
1) Em favor da não degradação da família;
2) Pelos pais, para que não sejam apáticos no cuidado da família e da igreja;
3) Pela igreja, para que desempenhe com firmeza o papel que Deus espera para a preservação da família;
4) Pelos nossos governantes, para que se arrependam das tentativas de degradar a família e se voltem para os valores da Palavra de Deus;
5) Para que Deus guarde os lares brasileiros destes atentados e salve a família.
 Escritor: Antonio Mendes – Pastor da 1ª IB de Atibaia, SP
  
77º Dia
Corrigir por Amor
Leitura Diária: João 9
Quando meu pai via uma criança fazendo manha, emburrada, gritando sem nenhum respeito e ignorando as ordens da mãe, ele dizia: “Quantas palmadas se perdem neste mundo”.
Fui criado com disciplina e não tenho nenhum trauma, muito pelo contrário, sou grato pelas palmadas que me fizeram muito bem. Meus filhos também foram criados debaixo da disciplina bíblica, sem sequelas ou traumas, transformando-os em três homens fiéis a Deus, e muito bem-sucedidos na vida. “Não retires da criança a disciplina, pois se a fustigares com a vara, não morrerá. Tu a fustigarás com a vara e livrarás a sua alma do inferno” (Provérbios 23:13,14).
A Bíblia não menciona nenhum tipo de espancamento, mas uma correção idealizada por Deus para fazer, dos nossos filhos, homens e mulheres honrados, obedientes e educados.
Muita gente cria métodos de educação, mas o que funciona mesmo são os métodos de Deus. Os métodos do mundo são ineficazes, basta ver como está a juventude brasileira.
Lemos que cresce de forma acentuada o consumo de bebidas alcoólicas entre os adolescentes.
O governo não pode ter nenhuma autoridade sobre a maneira como educamos nossos filhos, só Deus a tem.
As autoridades não precisam fazer leis contra a disciplina. Todo e qualquer abuso disciplinar deve ser punido e, para isso, crianças, idosos, incapazes e mulheres, são protegidos pelas leis já existentes.
O que está acontecendo é uma intromissão abusiva das autoridades, querendo nos empurrar, goela abaixo, um sistema utópico, elaborado por gente sem o mínimo temor a Deus.
Se você não corrigir seu filho com a vara da correção hoje, amanhã ele poderá apanhar da polícia. Nunca deixe de obedecer à Palavra, pois o próprio Jesus disse: “Errais em não conhecer a Verdade”.

 Oremos:
1) Para que os pais criem seus filhos debaixo da disciplina bíblica;
2) Pelos pais, para que não confundam disciplina bíblica com espancamento;
3) Pela valorização dos métodos de Deus para criação dos filhos;
4) Pela não intromissão abusiva do governo sobre a maneira como educamos nossos filhos;
5) Pelos nossos filhos, para que cresçam na obediência à Palavra de Deus e não venham a sofrer no futuro.

Escritor: Antonio Mendes – Pastor da 1ª IB de Atibaia, SP

 78º Dia
Divórcio
Leitura Diária: João 10
- Lembra-se de fulano?
- Aquele casado com a sicrana?
- É, esse mesmo, se separaram …
Quantas vezes você já presenciou este diálogo? Quantos dos seus parentes, amigos e conhecidos estão
separados?
Muitos?!
Vemos com tristeza, espanto e muita preocupação, que esse mal já se aninhou no meio evangélico.
É chegada a hora de prepararmos as famílias para lutarem contra esta arma do inimigo, que é abominável aos olhos de Deus (MI 2.16).
O divórcio faz desaparecer a diferença entre os lares cristãos e os não cristãos. À medida que essa diferença desaparece, é quebrado o impacto entre o santo sobre o mundano. O certo se confunde com o errado e vice-versa, e os “cristãos” relativizam os absolutos de Deus, na busca de justificar seus pecados.
A família sempre foi o maior objetivo do ataque satânico. Tudo começou no jardim do Éden, com o primeiro casamento. O Diabo sabe que seu fim se aproxima, e não admite sofrer a derrota sozinho. Seu intento é manchar a igreja de Jesus, atacando as famílias.
Satanás sabe que uma igreja, com famílias fortes e alicerçadas nos princípios eternos de Deus, é uma fortaleza contra seus ataques.
Sabe-se que até já existe uma organização demoníaca, especializada em treinar e infiltrar nas igrejas, homens bem apresentáveis com o objetivo de aliciar mulheres, principalmente esposas da liderança, a fim de causar escândalos e destruir lares.
Meus irmãos! As famílias se constituem no alvo preferido de Satanás, que tem no divórcio a sua maior arma de destruição. No divórcio, ele faz você acreditar que “vale tudo” pelo direito de ser feliz. Faz você acreditar que o perdão não existe no relacionamento marido e mulher. Induz a crer que a solução é desunir o que Deus uniu, negar as promessas do altar e se entregar ao conselho do ímpio, na demoníaca prática do divórcio.

 Oremos:
1) Para que o mal do divórcio não tome conta do meio evangélico, assim como do mundo;
2) Para que os valores cristãos sobre o casamento não sejam relativizados;
3) Para que Deus preserve a família contra os ataques ferozes do Diabo;
4) Pela igreja, para se fortaleza contra esses ataques;
5) Pelos casais cristãos, para que permaneçam casados, buscando em Deus a renovação constante do amor e do respeito.

Escritor: Antonio Mendes – Pastor da 1ª IB de Atibaia, SP

  79º Dia
Adolescentes e Jovens Saudáveis têm um Relacionamento Intimo com Deus
Leitura Diária: João 11
“Somos transformados de glória em Glória na mesma imagem.”
É incrível saber que o Deus criador de todas as coisas tem uma história para você enquanto caminha seguindo os seus passos, suas pegadas. Neste relacionamento o que Deus deseja é construir em você a identidade de Cristo. A relação pessoal e íntima com Deus é uma decisão que precisa ser tomada diariamente. Sendo assim, você consegue desfrutar a transformação de fé em fé, de glória em glória, de acordo com o caráter de Cristo que opera em sua vida.
Cristo é o nosso padrão de intimidade com Deus. Sua presença habitacional em nós é a resposta para o problema básico de uma vida ou de um povo. Daí a vital importância do nosso relacionamento com Deus, da nossa intimidade com Ele.
O segredo principal do relacionamento com o Senhor é a conversão a Deus. É voltar ao Calvário, sempre que se fizer necessário, para que haja comunhão com Deus. Nascidos de novo pela Conversão a Cristo, passamos a experimentar um relacionamento novo – Cristocêntrico. Relacionamento que começa, existe, permanece e termina na Cruz com a visão do Trono, para um relacionamento perfeito e eterno, na glória. Esse relacionamento nos leva para a deslumbrante glória na presença de Deus, onde nossa ânsia é satisfeita, aqui e para sempre.
Você vai sentir que o Senhor está sempre próximo. Vai começar a perceber Deus como Pai e desfrutar desta paternidade e considerar Jesus Cristo como seu melhor amigo. Você não vai se sentir sozinho. Você pode ter momentos de solidão, mas será capaz de sentir sua presença com você. Ele prometeu: “nunca te deixarei, nem te desampararei”. O pecado vai começar a perder seu atrativo. O Espírito Santo falará por intermédio de você. Você terá o desejo de Deus ser exaltado por meio de sua vida, de seu comportamento, suas palavras, e seu trabalho.

 Oremos:
1) Para que Deus produza cada vez mais em nós a identidade de Cristo;
2) Para que os adolescentes e jovens cristãos vivenciem mais intimidade com Deus;
3) Por uma verdadeira conversão daqueles adolescentes e jovens de nossas igrejas que ainda não desfrutam de um relacionamento pessoal e novo com Cristo;
4) Pela juventude de nossas igrejas, para que sejam cheias do Espírito Santo e, assim, o pecado perca seu poder atrativo;
5) Pelos adolescentes e jovens cristãos cujos pais e irmãos não são convertidos, para que sejam fortes e corajosos no testemunho de Cristo em suas famílias.

Escritora: Gilciane Abreu – Juventude Batista Brasileira
 80º Dia
Adolescentes e Jovens Saudáveis Honram seus Pais
Leitura Diária: João 12
Cresci em um lar onde os valores familiares sempre foram muito bem delimitados. O respeito aos pais, a admiração pelos cabelos brancos de experiência dos avós, a obediência às tias e tios e a fidelidade com os primos. Tudo bem claro nos exemplos que tive, e por isso hoje posso claramente entender que meu caráter ali se formou.
O que vemos na sociedade em relação aos adolescentes e jovens tem sido outra história. A fidelidade deu lugar à traição e desrespeito aos próprios pais, em um emaranhado de mentiras e situações ruins com que os filhos “presenteiam” os seus responsáveis. O conflito entre gerações tem causado brigas e mortes, decorrentes de uma falta incessante de exemplo próximo da busca pela presença de Deus nos relacionamentos familiares dessa juventude. Os pais precisam cultivar uma vida saudável com Deus para que os filhos criem esse desejo. A honra é conquistada, não imposta. Abraão foi obediente a Deus e recebeu como presente a obediência e saúde de seu filho. Com certeza Isaque tinha orgulho de ser filho do pai das nações e vice-versa.
Como juventude, qual a nossa função? Orar pela vida espiritual de nossos pais, interceder pelos nossos lares e não nos corrompermos com a situação mundial familiar. Nosso Deus nos exorta a cuidarmos da criação d’Ele, e nossa família faz parte deste plano. A nossa saúde espiritual depende disso, mas que não o façamos buscando compensação. Que busquemos ser filhos relevantes para nossos pais e assim nossos futuros filhos olharão para nós e conseguirão compreender a presença do Pai em nossas vidas, nos trazendo honra de pai e de mãe.
Honre a Deus e seu filho te honrará sem precisar de uma palavra. Que Deus nos abençoe.
  
Oremos:
1) Pelos nossos adolescentes e jovens, para que saibam honrar seus pais e avós;
2) Pela vida espiritual dos pais e avós de nossos adolescentes e jovens e, se for o caso, pela sua conversão;
3) Para que os pais dos nossos adolescentes e jovens, especialmente os que não são cristãos, compreendam e apoiem a caminhada de seus filhos com Deus e no ministério;
4) Para adolescentes e jovens façam sua parte na manutenção da saúde da família;
5) Para que os pais honrem a Deus, facilitando que sejam honrados por seus filhos ..

Escritor: Ronan Lima – Juventude Batista Brasileira


81º Dia
Adolescentes e Jovens Saudáveis têm Compromisso com a Leitura da Bíblia e Oração
Leitura Diária: João 13
“Habite ricamente em vós Palavra de Cristo” (Colossenses 3:16).
Como vimos, não é exagero ler demais a Palavra de Deus, mas sim uma necessidade. Ler a Bíblia, absorver a Bíblia, ingerir a Palavra é uma ordem de Deus para nós.
Sem a Palavra não há relacionamento com Deus. Nela encontramos o próprio Deus, encontramos o nosso começo com Cristo, salvação. Com ela alimentamos o nosso relacionamento com Deus, que deve ser forte e constante. Com ela haverá quebrantamento, regozijo e emoções sensibilizadas pelo Espírito Santo.
A Palavra é instrumento de restauração, de libertação, de cura para nossa alma doente. É a base de tudo. Ela fortalece o espírito, conforta a nossa alma, fortalece a personalidade por dentro até Cristo fluir.
A Palavra não pode ser apartada do tratamento interior que o Espírito Santo faz e quer fazer em cada crente e que dura a vida inteira. Ela é remédio para nossa alma marcada pelo pecado. Ela gera paz, poder, alegria saúde, força, vitória (Josué 1:6-8, Provérbios 4:20-23).
A ordem de Deus para Josué foi ser forte, corajoso para herdar a terra, mas apresentou o meio para essa conquista – fazer e não se desviar da Palavra para que fosse bem-sucedido. E continuou: Falar constantemente, meditar e fazer o que a Lei ordenava para fazer prosperar o seu caminho.
A nossa alma tem sede da Palavra, e ela deverá ocupar lugar central na vida da cada cristão que desejar desfrutar da presença de Deus. O grande problema de muitos crentes é desprezar a Palavra, empobrecendo espiritualmente. Também o desvalor pela Palavra abre um espaço enorme para Satanás atacar.
Precisamos ler a Palavra devagar, meditando, examinando (João 5:39), extraindo o seu ensino, anotando, descobrindo verdades ocultas. Isso significa alimentar-se da Palavra de Deus, relacionar-se com Ele.
A Palavra é bússola que conduz o filho de Deus até encontrar-se com o comandante face a face, mas precisa ser praticada. Só conhecê-la e não colocá-la a valer na sua vida, de nada adianta, e nenhum valor ela tem.


Oremos:
1) Para que adolescentes e jovens tenham cada vez mais compromisso com a leitura da Bíblia e com a oração;
2) Por adolescente e jovens quebrantados e sensibilizados pelo Espírito Santo;
3) Para que os líderes de juventude das igrejas sejam exemplos de vida devocional para seus liderados;
4) Para que nossos adolescentes e jovens encontrem verdadeira alegria na leitura e na meditação bíblica e no momento secreto de oração;
5) Para que cada adolescente e jovem tenha a Bíblia como bússola de verdade para a vida.

Escritora: Gilciane Abreu – Juventude Batista Brasileira


82º Dia
Adolescentes e Jovens Saudáveis Desenvolvem um Namoro que Agrada a Deus
Leitura Diária: João 14
Em época de fim de ano, o nascimento de Jesus é sempre relembrado por nós. Filmes, peças teatrais, festivais de presépios, todos exaltam a linda história de amor de Deus pela humanidade. Venho me apegar ao casal escolhido para ser os tutores do Rei na terra, evidenciado em segundo lugar nesta época. José era um carpinteiro e Maria era uma jovem virgem que subitamente se viu grávida em uma sociedade altamente rígida em seus valores. Imagino que eles tinham um relacionamento de muito respeito entre eles e a sociedade via isso. Deus via isso e por isso os escolheu agora imaginem as falas, as indagações pela situação da virgem escolhida… Deus teria sido cruel com um casal tão correto em suas ações? Claro que não. Vemos aqui o Senhor nos surpreendendo constantemente com seus planos perfeitos, pois eles se tornaram pais terrenos do Rei dos reis, aquele que veio para nos salvar. E glórias a Deus pela vida deles que ouviram a voz e orientações do anjo, creram na promessa e caminharam em santidade acima de palavras e acusações.
Este exemplo de fé inspira uma juventude a ser saudável em seu namoro. A Bíblia nos exorta em caminharmos com Deus em todos os momentos, em buscá-lo primeiramente para que outras coisas sejam acrescentadas em nosso caminhar. A vida sentimental não fica de fora dessa premissa. Quando queremos alguém perto, quando desejamos uma pessoa, precisamos primeiramente saber se é desejo de Deus. Em segundo lugar, é necessário uma boa conversa com o Pai para que Ele direcione os passos do desenrolar deste relacionamento. A partir destes dois passos você saberá o que fazer pelas orientações do Espírito Santo, que é o melhor conselheiro amoroso que existe. Não adianta tentar burlar o curso da vida, pulando etapas. Adianta, sim, viver uma vida boa, perfeita e agradável. Essa vida é a vontade de Deus.
Deus escolhe casais para abençoar vidas. Seja um desses.
 Que Deus nos abençoe.
Oremos:
1) Pelos namoros dos nossos adolescentes e jovens, para que sejam agradáveis a Deus;
2) Pelos namorados cristãos, para que saibam se respeitar mutuamente;
3) Por santidade nos relacionamentos afetivos dos jovens e adolescentes cristãos;
4) Para que nossos adolescentes saibam esperar e descansar na boa, perfeita e agradável vontade de Deus na área sentimental, e não ceder diante dos apelos sensuais do mundo;
5) Pelos pais de nossos adolescentes e jovens, para que também não se amoldem ao mundo, permitindo a queima de etapas no curso da vida de seus filhos.
 Escritor: Ronan Lima – Juventude Batista Brasileira

 83º
Adolescentes e Jovens Saudáveis Escolhem Amigos Certos
Leitura Diária: João 15
“Em todo tempo ama amigo para a hora da angústia nasce o irmão” (Provérbios 17.17).
Na vida as escolhas que fazemos refletem durante toda a nossa existência. As escolhas de nossos amigos não são diferentes. Há um dito popular que diz: “Diga-me com quem andas e te direi quem és”. Precisamos observar aqueles com quem vamos dividir nossas cargas, nossos segredos. Candidatos a amigos estão em vários locais: escola, trabalho, igreja e por isso devemos ter um olhar bem atento. Antes de escolhermos os amigos, devemos ter em mente que melhor amigo como Jesus não encontraremos, mas deve ser Cristo nosso parâmetro para a escolha ideal de quem vai desfrutar da nossa amizade. Foi o próprio Jesus que nos disse em João 15.14: “Vós sereis meus amigos, se (lzerdes que eu vos mando.”Essa amizade deve ser cultivada, aprimorada. É a Ele que devemos contar todas as nossas necessidades. Há um hino muito conhecido, que diz:
“Em Jesus amigo temos mais chegado que um irmão. Ele manda que levemos tudo a Deus em oração.” Esse é o amigo verdadeiro!
Entretanto, ninguém é uma ilha. Somos cidadãos de duas pátrias: a terrena e a celestial. Aqui na pátria terrena devemos fazer amigos sempre. Para isso, o apóstolo Paulo deu algumas recomendações em Filipenses 4.8: “Quanto ao mais, irmãos, tudo que é verdadeiro, tudo que é honesto, tudo que é justo, tudo que é puro, tudo que é amável, tudo que é de boa fama, se há alguma virtude, e se há algum louvor, nisso pensai.” Isso ajuda muito a escolher um amigo. Peça a direção de Deus, e conte com seu grande amigo Jesus. A escolha será acertada!

 Oremos:
1) Pelos nossos adolescentes e jovens, para que saibam selecionar suas amizades;
2) Para que encontrem sempre em Jesus o melhor e verdadeiro amigo;
3) Para que encarem suas amizades com não crentes como oportunidades de ganhar almas para Jesus;
4) Pelos amigos dos nossos adolescentes e jovens e por suas famílias;
5) Pela salvação dos amigos de nossos adolescentes e jovens.

Escritora: Gilciane Abreu – Juventude Batista Brasileira


84º Dia
Adolescentes e Jovens Saudáveis Influenciam a sua Geração
Leitura Diária: João 16
“Tende em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, pois ele, subsistindo em forma de Deus, não julgou como usurpação o ser igual Deus; antes, si mesmo se esvaziou, assumindo forma de servo, tornando-se em semelhança de homens; e, reconhecido em figura humana, si mesmo se humilhou, tornando-se obediente até à morte e morte de cruz” (Filipenses 2.5-8).
“Tende em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus”.
Influenciar a nossa geração é ser testemunha já convocada para essa obra. Diante desse desafio, precisamos abrir mão de nós mesmos em favor de algo muito maior, o Reino.
Está em cada um de nós essa produção de uma contracultura cristã que apresente Deus em sua essência e sem novas roupagens. Sim, o Deus criador que tem no ser humano sua maior criação e isso fará com que todas as pessoas se sintam amadas. Todos somos pecadores, e isso é um outro aspecto importante, pois somos colocados como iguais e conduzidos ao esvaziamento pessoal. Essa proclamação deve respeitar culturas, pensamentos e a individualidade. Precisamos buscar pontos que permitam que o evangelho em sua integralidade penetre e faça sentido, dando um novo rumo à vida de cada pessoa. Entendo que as dificuldades são muitas por conta de uma sociedade cada vez mais plural, mas creio que a transformação ocorrerá se voltarmos nossos olhos para Cristo e tivermos sua própria sensibilidade pulsando dentro de nós. Vamos deixar a presunção de que estamos aqui para ensinar, e, ao contrário, buscar a humildade e o serviço para apresentarmos o evangelho vivo e transformador.
Alcançaremos povos, etnias e nações se percorrermos a curta distância entre mente e coração, se tivermos um compromisso de amor e escutarmos o clamor que vem de todos os lados. Continue dependendo de Deus e lembre-se de que, no frigir dos ovos, métodos e estratégias são meras ilusões de eficácia diante da majestade de Deus.

Oremos:
1) Pelos nossos adolescentes e jovens, para que influenciem positivamente a sua geração;
2) Para que não se amoldem ao mundo, mas produzam uma contracultura cristã bíblica e corajosa;
3) Para que a juventude cristã tenha sabedoria do alto para desenvolver uma pregação do evangelho em sua integralidade e que faça sentido a uma sociedade plural
4) Para que a juventude cristã volte seus olhos para Cristo e encontre n’Ele a sensibilidade para impactar o mundo;
5) Para que deixe a presunção e busque com humildade o caminho do serviço e da evangelização viva e transformadora.
 Escritor: Igor Bonan – Juventude Batista Brasileira


85º Dia
Adolescentes e Jovens Saudáveis têm o Desejo de Fazer Missões
Leitura Diária: João 17
“Mas em nada tenho minha vida por preciosa, contanto que cumpra com alegria minha carreira, e o ministério que recebi do Senhor Jesus, para dar testemunho do evangelho da graça de Deus” (Atos 20.24).
 Fazer missões é uma coisa que dá ao cristão uma alegria que não se pode medir. E ter esse desejo mostra que o Espírito Santo, que habita em você, está convidando-o(a) para exercer esse maravilhoso mandamento de Jesus. É indo por todos os lugares e anunciar o reino de Deus e que Jesus Cristo salva. Li num livro chamado Paixão pelas Almas, de Oswald Smith, que “A luz que brilha forte longe, perto brilha muito mais.” Se você faz missões levando as pessoas que estão longe a ver a luz de Cristo, perto você conseguirá irradiar essas maravilhosa luz. Dessa forma as pessoas verão Jesus por seu intermédio!

Onde você está é um campo missionário! Nossa família, nossos vizinhos, num banco de ônibus, num hospital, todos esses lugares são espaços onde podemos fazer missões. Você pode fazer mais, dedicando sua preciosa vida à nobre tarefa de pregar a salvação, indo aos mais longínquos campos, usando os dons e talentos que Deus lhe deu. A Bíblia, em I João 2.14, diz que o jovem é forte: “Eu vos escrevi, jovens, porque sois fortes, e a palavra de Deus está em vós, e já vencestes o maligno”. Você pode fazer missões orando pelos missionários, pedindo a proteção de Deus para os missionários. O missionário Willian Carey, quando foi para a índia, disse aos seus amigos: “Eu vou descer a mina, vocês seguram as cordas.” Isso nos lembra da contribuição financeira, que também é fazer missões. Fazer missões é obedecer a Cristo e amar aqueles por quem Cristo morreu.
Faça a sua parte!
 Oremos:
1) Para que nossos adolescentes e jovens tenham cada vez mais desejo de fazer missões;
2) Para que tenham alegria em cumprir o “ide” de Jesus;
3) Para que vejam a localidade em que estão como um campo missionário, mas sem perder também a visão do campo distante;
4) Pelo despertamento de adolescentes e jovens para a dedicação de suas vidas e planos à obra missionária nacional e mundial;
5) Para que nossos adolescentes e jovens sejam sustentadores de missões.
 Escritor: Igor Bonan – Juventude Batista Brasileira


86º Dia

Famílias Saudáveis Oram pela Obra Missionária
Leitura Diária: João 18
“Pedro, pois, estava guardado no cárcere; mas havia oração incessante Deus por parte da igreja favor dele” (Atos 12:5).
Famílias saudáveis que amam e vivem missões têm como prioridade em suas vidas o envolvimento em oração pela obra missionária. Todos sabem que qualquer empreendimento, seja ele qual for, necessita de sustento, necessita de condições para avançar. Como um carro, sem combustível é impossível prosseguir. E quando falamos de missões não é diferente. A oração é o combustível para o avanço da obra missionária.
A oração é a grande arma que temos para vencermos as barreiras! Por intermédio da oração, as famílias poderão ir aos campos missionários ajudando na conquista da Pátria para Cristo! As Escrituras Sagradas mencionam várias vezes o poder da intercessão: “a oração feita por um justo pode muito em seus efeitos” (Tiago 5:16).
Já pensou na evangelização do Brasil sem que missionários sejam enviados? E sem os recursos para o sustento da obra? Agora imagine o trabalho de missões sem ORAÇÃO. Impossível! O envio de obreiros é muito importante, mas antes do envio, o Senhor nos orienta a orarmos a Ele pedindo Obreiros para sua Seara. Então, mais importante que o envio, é a oração. O recurso é de Deus e Ele move os corações agradecidos para investir em sua obra. Quando oramos ao Senhor, Ele por sua graça e misericórdia continua a chamar os obreiros e dar os recursos por meio da igreja para que a obra missionária possa avança no Brasil e no mundo.
A exemplo a Bíblia nos fala do caso de Pedro sendo livre da prisão em Atos 12. “Pedra, pois, estava guardado no cárcere; mas havia oração incessante Deus por parte da igreja favor dele.” E como resultado da bondade de Deus e da intercessão da igreja em favor de Pedro, ele foi livre da mão de Herodes. Por meio da oração nossas famílias farão a diferença na Conquista da Pátria para Cristo! Contamos com você e sua família para que juntos possamos interceder pela obra missionária na sua cidade, no seu estado, no Brasil e no mundo!

 Oremos:
1) Por famílias saudáveis que amem e vivam missões;
2) Pelas nossas famílias, para que sejam sustentadoras da obra missionária em oração;
3) Por mais obreiros para a seara;
4) Pelos nossos missionários de Missões Estaduais, Missões Nacionais e suas famílias;
5) Pelos nossos missionários de Missões Mundiais e suas famílias.

Escritor: Fernando Brandão – Pastor, diretor executivo de Missões Nacionais

 87º Dia
Famílias Saudáveis Contribuem para a Obra Missionária
Leitura Diária: João 19
“Mas tenho tudo, tenho-o até em abundância; cheio estou, depois que recebi de Epafroditoo que da vossa parte me foi enviado. Como cheiro suave, como sacrifício aceitável e aprazível a Deus” (Filipenses 4.18).
Este era o sentimento que estava no coração do apóstolo Paulo após receber uma contribuição da igreja de Filipos. Paulo agradece aos irmãos de Filipos, pois eles tinham enviado ajuda a ele por intermédio de Epafrodito. Paulo faz questão de mencionar que todo aquele esforço da igreja em abençoá-lo estava sendo visto e recebido “Como cheiro suave, como sacrifício aceitável aprazível Deus”. Nos versículos anteriores Paulo menciona a participação da igreja em sua vida e no seu ministério desde o início quando ele deixou Filipos para ensinar em Tessalônica “Todavia, fizestes bem, associando-vos na minha tribulação. E sabeis também vós, ó (rlipenses, que, no início do evangelho, quando parti da Macedônia, nenhuma igreja se associou comigo no tocante dar receber, senão unicamente vós outros” (Filipenses 4.14,15).
Que sentimento nobre movia os corações destes amados irmãos de Filipos. Eles tinham a plena convicção de que era melhor dar do que receber. Eles tinham corações generosos. Entregavam não com o objetivo de receber algo em troca, mas como fruto da gratidão a Deus por tudo aquilo que o Senhor já Ihes tinha dado. E mais, estes preciosos irmãos tinham a plena consciência de que era um grande privilégio participar da propagação do evangelho com o uso de seus bens: Eles tinham alegria em contribuir!
Que a cada dia possamos desenvolver este mesmo sentimento em nossas famílias. O Sentimento de gratidão ao Senhor por tudo aquilo que Ele nos tem dado. E que possamos, assim como os filipenses, nos envolver ainda mais na propagação do evangelho, doando o melhor do que temos e do que somos para a glória do nosso Deus, afinal: “Deus ama a quem dá com alegria” (2Coríntios 9.7) e esta ação é recebida “Como cheiro suave, como sacrifício aceitável aprazível Deus”.
 Oremos:
1) Por famílias saudáveis que contribuam para a obra missionária;
2) Para que Deus aceite nossas ofertas missionárias como sacrifício aprazível;
3) Para que Deus nos dê o privilégio de contribuir cada vez mais com missões como família;
4) Pelos pais, para que sejam exemplos de contribuintes com missões;
5) Pelos filhos, para que aprendam desde cedo a amar e cooperar com a obra missionária.
 Escritor: Fernando Brandão – Pastor, diretor executivo de Missões Nacionais


 88º Dia
Famílias Saudáveis Demonstram Atitudes de Compaixão e Graça
Leitura Diária: João 20
“E percorria Jesus todas as cidades povoados, ensinando nas sinagogas, pregando o evangelho do reino, e curando toda sorte de doenças enfermidades. Vendo ele as multidões, compadeceu-se delas, porque estavam aflitas exaustas como ovelhas que não têm pastor” (Mateus 9.35,36).

Ao ler o texto de Mateus 9 nós podemos notar que Jesus percorria as cidades, aldeias ou povoados, ensinando nas sinagogas deles, pregando o evangelho e curando as enfermidades e moléstias entre o povo. Jesus era alguém que estava grande parte do seu tempo convivendo com as pessoas e vendo o seus desafios diários. O verso 36 nos diz:“Vendo ele as multidões, compadeceu-se delas, porque estavam aflitas exaustas como ovelhas que não têm pastor”.

Uma palavra que chama muito a nossa atenção é compaixão! Sentimento somado a ação. É sede de amor e de misericórdia. Ao conviver diretamente com as pessoas Jesus estava vendo o quanto as multidões estavam desorientadas. Era mais que um sentimento de pena por alguém que sofre. A Parábola do bom samaritano deixa isso bem claro: o sacerdote e o levita tiveram pena daquele homem caído à beira da estrada. Mas o samaritano compadeceu-se do homem ferido, parou e cuidou integralmente dele. A parábola nos ensina que a verdadeira religião é a prática do amor. É crer fazendo. É viver o que crê, e fazer o bem. Tiago diz: “A religião pura sem mácula, para com nosso Deus e Pai, é esta: visitar os órfãos e as viúvas nas suas tribulações” (Tiago 1.27).
É com este mesmo sentimento que o Senhor Jesus tem convocado as nossas famílias a olharem ao nosso redor. Veja quantos necessitados, abandonados e carentes estão à beira da estrada, destruídos pelo pecado, assaltados pelo mal. Quanta ruína e tragédia! Somos chamados a agir como Jesus, ajudar alguém hoje, fazer o bem, levar uma palavra de conforto e de paz ajudando a levantar o caído que está à beira do caminho. Lembre-se de Provérbios 19.17: “Quem se compadece do pobre ao SENHOR empresta, e este lhe paga o seu benefício.” Este é um tempo oportuno para que nossas famílias abençoem os mais necessitados que estão à beira do caminho!

 Oremos:
1) Por famílias saudáveis que demonstrem atitudes de compaixão e graça;
2) Por mais sensibilidade em nossas famílias diante da necessidade das pessoas ao nosso redor;
3) Para que nossas famílias tenham mais amor; 4) Pelas famílias carentes a nossa volta;
5) Por chefes de família cheios do Espírito Santo que liderem suas casas e sua igreja no caminho da compaixão e graça.
Escritor: Fernando Brandão – Pastor, diretor executivo de Missões Nacionais


89º Dia
Famílias Saudáveis Levam Outras Pessoas a Jesus
Leitura Diária: João 21
“Alguns foram ter com ele, conduzindo um paralítico, levado por quatro homens. E, não podendo aproximar-se dele, por causa da multidão, descobriram eirado no ponto correspondente ao em que ele estava e, fazendo uma abertura, baixaram leito em que jazia o doente. Vendo-lhes fé, Jesus disse ao paralítico: Filho, os teus pecados estão perdoados”(Marcos 2.3-5).

Em Mateus 9.1, num texto paralelo a este, Cafarnaum é conhecida como a cidade de Jesus – “a sua própria cidade” é a expressão que encontramos ali. Jesus estava de volta. Imagine então o alvoroço que estava lá em Cafarnaum. Todos comentando sobre a volta de Jesus, muitos indo em direção a sua casa. Imagine a quantidade de pessoas que não gostaria de estar com o Mestre. Marcos faz questão de mencionar que havia uma multidão que já tinha se aproximado de Jesus. Agora no meio de todo este alvoroço aparecem quatro homens conduzindo um paralítico até Jesus. De repente no lugar em que Jesus estava começa a baixar um leito com aquele doente. Com toda a certeza a realização desta operação não foi fácil! No entanto, quando há fé e perseverança o milagre acontece. Então diz o verso 5: ”Vendo-Ihes fé, Jesus disse ao paralítico: Filho, os teus pecados estão perdoados”.
Este texto nos ilustra muito bem como vale a pena levar pessoas a Jesus. Nós não sabemos os nomes deles, no entanto a fé destes quatro homens marcou história. Eles foram instrumentos de bênçãos na vida daquele paralítico. Notamos estes quatro homens se envolvendo com alguém que provavelmente estava à margem da sociedade. Um paralítico. Alguém que muitas vezes era acusado por causa da sua enfermidade. Era alguém que não podia ajudar a si mesmo. Fico a imaginar como poderia ser a sua vida. Notamos a sua total incapacidade de dirigir-se sozinho até Jesus. Era necessário que alguém o levasse.
Atualmente nós encontramos em nossa sociedade muitas pessoas como aquele paralítico. Pessoas que não conseguem chegar a Jesus. Quem são estes? Todos que estão longe da graça de Deus. O Homem longe de Deus precisa da minha e da sua ajuda. Da ajuda de nossas famílias. Ele é um paralítico espiritual. Precisamos ser como estes quatro homens. Nossas famílias precisam se envolver com pessoas que não têm condições de ir sozinhas a Jesus. Lutas e dificuldades estão diante de nós, mas que possamos pedir a Deus as estratégias corretas para levá-las a Jesus. Que nossas famílias sejam instrumentos de Deus para abençoar outros que não conseguem se achegar a Jesus. Que Deus nos use diariamente para a sua glória!

Oremos:
1) Por famílias saudáveis que conduzam outras famílias até Jesus;
2) Pelo engajamento das nossas famílias na obra de evangelização;
3) Por sabedoria e estratégia correta de Deus para alcançar os perdidos;
4) Para que os obstáculos na evangelização não nos desanimem de perseverar;
5) Para que nossas famílias selam instrumentos de Deus ar abençoar outros.

Escritor: Fernando Brandão – Pastor, diretor executivo de Missões Nacionais


90º Dia
Famílias Saudáveis Visitam o Campo Missionário
Leitura Diária: Atos 1
“Mas recebereis poder, ao descer sobre vós Espírito Santo, ser-me-eis testemunhas, tanto em

Jerusalém, como em toda Judeia Somaria, até os confins da terra” (Atos 1:8).
Orar por missões e investir na obra missionária de fato é um grande privilégio. No entanto, visitar um campo não tem nada igual. Estar com o missionário, conhecer os seus desafios e a sua realidade enriquece muito a nossa vida. Participar de um projeto nas férias ou conhecer o campo missionário é uma grande oportunidade para uma família saudável abençoar e ser abençoada fazendo missões. Você estaria disposto(a) a aceitar este desafio juntamente com sua família? Há muitas maneiras de você e sua família conhecerem o campo missionário e participar como um missionário voluntário.
Você e sua família podem participar das ações evangelísticas promovidas por sua igreja. Participando dos grupos pequenos, ministrando estudos bíblicos, visitando pessoas que ainda não reconhecem Jesus como Senhor e Salvador, ou visitando as frentes missionárias de sua igreja. Participem e conheçam os desafios missionários da sua Jerusalém. Toda a família pode começar fazendo missões aí na sua igreja local. Também você pode participar dos desafios de Missões Estaduais. Há muitos campos missionários frutos do trabalho das nossas convenções estaduais. Veja com o seu pastor quais são os campos missionários do seu estado e veja a possibilidade de passar um dia com a família missionária e conhecer os desafios missionários do seu estado.
E mais, Missões Nacionais e Missões Mundiais oferecem a você e sua família a possibilidade de participarem de muitas maneiras como missionários voluntários em diversos campos no Brasil e no mundo. Que tal passar a suas férias em um lar oferecendo amor e carinho às crianças? Ou conhecer os desafios do sertão brasileiro? Participar de uma TRANS em um dos estados brasileiros? Ou conhecer os desafios missionários do Haiti, da América Latina, África, Oriente Médio ou Ásia? Eis uma grande oportunidade de você e sua família conhecerem um campo missionário e serem testemunhas do evangelho da graça de Deus ajudando a conquistar a Pátria para Cristo e os povos não alcançados! Convide sua família e aceite o desafio!

 Oremos:
1) Por famílias que visitem o campo missionário;
2) Para que nossas famílias sejam despertadas e encorajadas a participar de projetos missionários de curta duração;
3) Para que nossas famílias se engajem mais nas ações evangelísticas locais;
4) Para que nossas famílias invistam no envio de seus membros como missionários voluntários;
5) Para que os desafios do campo missionário não soem aos nossos ouvidos como um apelo distante dirigido apenas a outras famílias e não à nossa.

Escritor: Fernando Brandão – Pastor, diretor executivo de Missões Nacionais

 91º Dia
Famílias Saudáveis Entregam seus Filhos ao Senhor
Leitura Diária: 1Samuel 1 
“Por isso eu também o entreguei ao Senhor, pois todos os dias que viver, ao Senhor estará entregue.


adoraram ali ao Senhor’ (Samuel 1:28).
A Bíblia nos conta a história de Ana. Uma mulher que queria muito ter um filho, mas sofria duramente por ser estéril. A vida de Ana foi marcada pela tristeza e pelas provocações de Penina. Mas Ana busca ao Senhor em oração. Esta mulher que tinha este grande desejo de ser mãe abre o seu coração para Deus e pede-lhe um filho. No entanto ela faz uma aliança com o Senhor ao receber este precioso presente ela o entregaria ao Senhor. Veja a sua oração: “SENHOR dos Exércitos, se benignamente atentares para aflição da tua serva, de mim te lembrares, e da tua serva te não esqueceres, lhe deres um filho varão, ao SENHOR darei por todos os dias da sua vida, sobre sua cabeça não passará navalha” (1Samuel 1:11).
Deus bondosamente ouviu o clamor de Ana e a presenteou com a chegada de um lindo filho, que recebeu o nome de Samuel.
Os dias foram passando, como nos mostra o texto bíblico, mas Ana não deixou o tempo apagar aquele precioso desejo do seu coração: “Ana, porém, não subiu disse seu marido: Quando for menino desmamado, levá-lo-ei para ser apresentado perante SENHOR para lá (tear para sempre” (verso 22). De fato, conforme o prometido, assim Ana o fez. Havendo-o desmamado, levou-o consigo, com um novilho de três anos, um efa de farinha e um odre de vinho, e o apresentou à Casa do SENHOR, a Siló. Era o menino ainda muito pequeno. Disse Ana ao sacerdote Eli: Ah! Meu senhor, tão certo como vives, eu sou aquela mulher que aqui esteve contigo, orando ao SENHOR. Por este menino orava eu; e o SENHOR me concedeu a petição que eu lhe fizera. Pelo que também trago como devolvido ao SENHOR, por todos os dias que viver; pois do SENHOR pedi. eles adoraram ali SENHOR” (1Samuel 1:26-28).
Talvez este seja um dos grandes desafios que os pais enfrentam nestes dias. O desafio da entrega. Famílias saudáveis que amam missões entregam seus filhos ao Senhor. Para que a vontade de Deus seja feita por intermédio deles. Se for desejo de Deus convocá-los para servirem como ministros do Reino, assim o Senhor o fará. No entanto, fica o desafio para cada pai, cada mãe fazer como Ana – devolver seus filhos a Deus e deixar que Deus os direcione em todas as coisas. Inclusive em sua vocação. Samuel teve toda uma vida de dedicação à obra do Senhor. Assim também pode acontecer com seus filhos. No entanto, faça como Ana: devolva seus filhos para Deus! Você estaria disposto a entregar o seu Samuel como forma de gratidão e adoração ao Senhor?

 Oremos:
1) Por famílias saudáveis que entreguem seus filhos ao Senhor;
2) Pelos pais, para que se lembrem da dedicação de seus filhos no altar e não os desestimulem à obra missionária quando Deus os chamar;
3) Pelos pais, para que encarem como motivo de grande honra e alegria o chamado de seus filhos;
4) Pelos pais, para que, se for o caso, compreendam com amor e gratidão a Deus a decisão de seus filhos pelo ministério;
5) Pelos filhos, que, se isso acontecer, não desobedeçam ao chamado de Deus e sejam dirigidos inteiramente por Ele.
 Escritor: Fernando Brandão – Pastor, diretor executivo de Missões Nacionais


92º Dia
Famílias Saudáveis Vivem para a Glória de Deus
Leitura Diária: 1Pedro 2
“Convém que ele cresça e que eu diminua” (João 3:30).
Este tem sido um tempo de grandes desafios para todos nós. Quando olhamos para o ser humano deparamos com grandes males como o orgulho, o egocentrismo e o egoísmo. De fato estes são sintomas que estão presentes atualmente em nossa sociedade e muitas vezes têm buscado tomar lugar dentro do nosso povo. Estes sentimentos levam o ser humano a cada dia se tornar mais distante de Deus e a ser um roubador da glória de Deus. Um homem busca glória para si mesmo. Este é um tempo em que os homens já estão até mesmo querendo determinar o que Deus tem que fazer! Não é isso que a Palavra de Deus nos ensina. Quando olhamos para a vida de João Batista, nós temos um grande exemplo de alguém que viveu para a glória de Deus. Ele mesmo fez a seguinte afirmação a respeito de Jesus: “Convém que ele cresça que eu diminua” (João 3:30).

Viver para a glória de Deus é todos os dias buscar ter o mesmo sentimento de João Batista em nossos corações. E querer todo o tempo que Jesus seja glorificado por intermédio de nossas palavras e ações. Devemos reconhecer diariamente que toda a glória deve ser dada unicamente a Ele. Paulo foi claro nos ensinando em Romanos 11:36: “Porque dele, e por meio dele, para ele são todas as coisas. ele, pois, glória eternamente. Amém!” Quanto mais nos relacionamos com Deus mais reconhecemos quem Ele é e assim lhe rendemos a nossa adoração.
Termino esta nossa semana de meditações lembrando mais uma vez de Paulo escrevendo à igreja em Corinto: “Portanto, quer comais, quer bebais ou façais outra coisa qualquer, fazei tudo para glória de Deus.” Este texto nos chama a atenção, pois tudo o que fizermos deve glorificar a Deus. Que o nosso relacionamento conjugal, nossos filhos, nossa família, em nosso trabalho, com nossos amigos, tudo seja para glória de Deus. Que a cada dia reconheçamos mais e mais quem Deus é e o glorifiquemos pela sua grandeza! Afinal, para isso é que fomos resgatados, como Pedro nos ensina: “Vós, porém, sois raça eleita, sacerdócio real, nação santa, povo de propriedade exclusiva de Deus, fim de proclamardes as virtudes daquele que vos chamou das trevas para sua maravilhosa luz”.
Que todos os dias nossas famílias possam afirmar: Nós vivemos para a glória de Deus!
  
Oremos:
1) Por famílias saudáveis que vivam para a glória de Deus;
2) Para que Jesus cresça em nossa vida e cada um de nós diminua;
3) Para que vivamos em família de modo que toda a glória por nossas realizações seja atribuída somente a Deus;
4) Para que tudo que fizermos em família glorifique a Deus;
5) Para que nossas famílias reconheçam mais e mais quem Deus é.
 Escritor: Fernando Brandão – Pastor, diretor executivo de Missões Nacionais

 93º Dia
Ensine as Crianças a Orar
Leitura Bíblica: Deuteronômio 6.4-9 e 31.12,13
Lembro-me do dia que um menino de 11 anos estacionou um carrinho de mão, daqueles utilizados em obras, na porta do local onde nos reuníamos como igreja. Perguntei por que ele havia levado o carrinho e o menino me disse que queria emprestar para a obra da igreja.
Eu era missionária na cidade de Morro do Chapéu/BA e estávamos havia alguns meses orando pedindo a Deus condições de adquirir um terreno para construir o templo. Na noite anterior, durante a semana de oração, comunicamos à igreja que tínhamos firmado um compromisso de compra, mesmo sem ter todos os recursos que necessitávamos. Todos os irmãos, do mais novo ao mais idoso, do maior ao menor oravam incansavelmente suplicando ao Senhor que multiplicasse os poucos recursos que tínhamos e todos nós trabalhávamos juntos em favor de um propósito comum.
A atitude do menino, porém, indicava o tipo de atitude que Deus espera de nós: fé. Ele não teve dúvidas de que Deus responderia a oração e por isso levou seu carrinho de mão para emprestar para a obra mesmo parecendo que era cedo para aquilo. Era o início do ano de 2009. Dois anos depois, o terreno já estava pago e no fim do ano o templo foi inaugurado com dezenas de pessoas presentes. Naquele dia lembramos todo o esforço, todo o empenho de cada irmão, no entanto, sabíamos que tudo tinha vindo de Deus, que aquele local onde podíamos agora nos reunir para celebrar a Deus e comunicar as Boas-Novas do evangelho havia sido adquirido por meio de muita oração, inclusive das crianças.
Numa outra vez, ouvi uma menina durante a EBD agradecendo a Deus pelo novo local de cultos da igreja e pelo balanço e campinho de futebol para as crianças nos fundos do templo. Ela agradeceu porque gostava muito de ficar ali. Quando adoeci as crianças oraram pelo meu restabelecimento e me enviaram cartinhas dizendo que não se esqueciam de mim. Quando fui transferida de campo missionário novamente as muitas cartinhas de crianças dizendo que estariam orando por mim onde quer que eu estivesse.
Vemos nisso que as crianças aprendem a orar, aprendem a confiar profundamente em Deus quando são ensinadas. E podemos ter a certeza de que Deus ouve a oração dos pequeninos porque ele vê seus corações, sua fé e a sinceridade com que o buscam. Por isso é tão importante ensinar as crianças a orar.
Crianças oram com fé. Crianças oram esperando em Deus. Como precisamos aprender a orar com as crianças, como precisamos ensinar as crianças a orar!

Oremos:
1)Pelas nossas crianças, para que sejam sempre meninos e meninas de fé;
2) Para que nossos lares sejam lugares de oração;
3)Para que Deus ouça a oração das crianças que clamam por mudanças em suas famílias;
4) Para que as famílias e os ministérios que atuam entre as crianças ensinem sobre o amor de Deus;
5) Para que os adultos aprendam com a fé e a sinceridade das crianças.

Escritora: Jaqueline de Carvalho Augusto da Hora Santos, missionária coordenadora do programa de evangelização de crianças

94º Dia
Deus Ouviu o Choro do Menino
Leitura Bíblica: Gênesis 21.8-21
Ismael era apenas um menino quando se viu num momento de grande aflição. Por conta da ordem de Sara, ele e sua mãe foram mandados embora de casa.
No deserto a água acabou, sua mãe, Hagar, deixou-o debaixo de um arbusto e sentou-se a certa distância para não vê-lo morrer. Tudo o que estavam vivendo era apenas dor e sofrimento, porém o texto diz que Deus ouviu o choro do menino.
Muitas vezes relações familiares tumultuadas, necessidades materiais, abandono paternal, rejeição, violência, abusos de todo tipo são alguns dos problemas que nossas crianças vivem hoje, fazendo-as chorar.
É triste ver que as crianças são as que mais sofrem quando os adultos tomam atitudes equivocadas. As consequências são sentidas de forma mais dolorosa exatamente por aquelas que deveriam estar debaixo de proteção, cuidado, zelo e amor.
O texto bíblico de hoje nos mostra que as decisões que Abraão, Sara e Hagar tomaram afetaram de imediato o menino Ismael. menino chorou. Choro é expressão de sentimento, emoção. Deus viu o que se passava com aquela criança e se importou com seu sofrimento.
Ainda hoje há milhares de crianças chorando por tantas situações difíceis. Ainda hoje Deus ouve o choro dos meninos e meninas que passam pelo sofrimento bem cedo em suas vidas.
Deus ama as crianças e Ele está com elas da mesma forma que esteve com Ismael. Ele é sensível ao sofrimento que muitas delas vivem, estendendo seu amor, compaixão e graça.
Precisamos ser mais cautelosos em nossas decisões familiares, lembrando que cada atitude tomada pode trazer consequências boas ou ruins para nossas crianças.
O lar precisa ser um lugar de proteção e amor para os pequenos. A igreja tem que ser o lugar de amparo para aquelas que vivem situações dolorosas.

 Oremos:
1) Pelas crianças que estão vivendo situações dolorosas e por suas famílias;
2) Para que cada vez mais a igreja e as famílias cristãs se constituam lugares de amparo para as crianças que sofrem;
3) Para que as crianças cresçam em famílias estruturadas espiritual e economicamente;
4) Para que as crianças em risco social encontrem o amor e cuidado de Deus;
5) Por todos aqueles que atuam na evangelização e no cuidado das crianças em vulnerabilidade social.

Escritora: Jaqueline de Carvalho Augusto da Hora Santos, missionária coordenadora do programa de evangelização de crianças

 95º Dia
O Desafio da Nova Geração
Leitura Bíblica: Salmo 78.1-8
As crianças do mundo de hoje vivem um momento fantástico. Nasceram num mundo com infinitas possibilidades, com novas tecnologias que surgem todos os dias, tornando as mudanças da vida diária tão rápidas quanto elas. Twitter, Facebook, Blogs, MSN, SMS são algumas das novas conexões feitas nos relacionamentos interpessoais.
Porém há imensos desafios neste novo cenário que se desenrola diante de todos nós. Os adultos que criam todas estas facilidades e recursos não têm sido modelos ou mesmo referência de vida a seguir. Vivemos uma crise de valores em nossa sociedade, um tempo de frieza espiritual e abandono dos princípios cristãos.
A Bíblia nos orienta a ensinar à nova geração os mandamentos do Senhor. O texto fala sobre a de ensinar a ser fiel, diferentemente de seus pais, que tiveram um coração desleal para com Deus.
O encontro de gerações mediado pelos avanços tecnológicos torna-se o desafio da década. Essa geração possui qualidades que não existiam no passado e a melhor forma de ajuda-los é potencializar estas características que os diferenciam para ensiná-los a fazer escolhas sensatas, baseadas em valores positivos, fundamentadas na Bíblia, a Palavra daquele que “é o mesmo ontem, hoje e eternamente”.
Muito mais que novas tecnologias, a nova geração precisa de novos exemplos de vida a seguir, pessoas que vivam o verdadeiro evangelho de Cristo Jesus e não apenas falem sobre ele. Um belo discurso, palavras elaboradas não convencem este grupo que aprende tão cedo a pesquisar no Google as respostas que necessitam.
Ouçamos os conselhos: “O que ouvimos e aprendemos… não os esconderemos dos nossos filhos; contaremos à próxima geração os louváveis feitos do Senhor, o seu poder e as maravilhas que fez” (Salmo 78.3,4).
Por maiores que sejam as mudanças tecnológicas do mundo moderno, não nos esqueçamos de transmitir à nova geração os louváveis feitos do Senhor.

 Oremos:
1) Por pais, mães, avós, tios, tias e irmãos que sejam fiéis a Deus e sejam modelos de vida a seguir pela nova geração;
2) Para que a evangelização e o discipulado das crianças comece na família;
3) Para que os pais ensinem os filhos a andar com Deus;
4) Pela transformação das famílias pelo evangelho de Cristo;
5) Para que as crianças encontrem coerência entre o nosso discurso e a nossa vida.

Escritora: Jaqueline de Carvalho Augusto da Hora Santos, missionária coordenadora do programa de evangelização de crianças

 96º Dia
Uma Geração de Timóteos
Leitura Bíblica: 2Timóteo 1.1-18 e 3.14-17
O nome Timóteo significa aquele que honra/adora a Deus. Podemos ver que a forma como Timóteo viveu fez valer o significado de seu nome.
Sua mãe, Eunice, e sua avó Lóide foram mulheres que amaram a Deus e o ensinaram desde cedo a amá-lo também. O resultado foi uma vida de temor e serviço ao Senhor, que se tornou conhecida por meio do testemunho do companheiro de ministério, o apóstolo Paulo.
Assim como Eunice e Lóide ensinaram desde a infância de Timóteo as “sagradas letras”, os pais da atualidade também têm a responsabilidade de transmitir o padrão bíblico para as crianças. Uma criança que aprende hoje a respeito das leis de Deus será sábia, obediente, seguindo de perto o Senhor. E amanhã será um verdadeiro discípulo de Cristo perfeitamente preparado para toda boa obra.
Faça de sua criança um Timóteo, alguém que honre/adore a Deus. Não passe para outros a responsabilidade que é sua de transmitir os caminhos do Senhor, não terceirize o ensino, a educação. Viva o evangelho de forma que a criança de sua família veja em você, em seu exemplo, em suas atitudes a glória de Cristo.
As crianças que crescem vivendo a Bíblia serão no futuro os timóteos que promoverão o reino de Deus, sustentarão a fé, honrarão o nome de Jesus, viverão de forma a glorificar o Senhor no meio de uma geração marcada pela impiedade.
Devemos ensinar as verdades de Deus com fidelidade, na expectativa do toque do Espírito Santo no coração de nossas crianças. Não é nossa ação somente que produzirá o resultado, mas sim o coração sensibilizado pelo Espírito. Porém, cabe a nós transmitir aos filhos a tocha da fé.
  
Oremos:
1) Pelas crianças de nossa família (filhos, sobrinhos, primos), para que tenham um coração sensível ao toque do Espírito Santo de Deus;
2) Pelos pais, para que sejam fiéis ao Senhor e que por meio do exemplo conduzam seus filhos a Jesus;
3) Para que os lares cristãos sejam locais de adoração a Deus;
4) Pelos filhos dos pastores e missionários, para que cresçam amando e temendo o Senhor;
5) Para que nossas crianças cresçam vivendo a Bíblia.

Escritora: Jaqueline de Carvalho Augusto da Hora Santos, missionária coordenadora do programa de evangelização de crianças

 97º Dia
Crianças Vítimas de Abuso
Leitura Bíblica: Salmo 56
O lugar menos seguro para uma criança é perto de alguém mal intencionado.
O que mais ameaça as crianças nos lares, igrejas, escolas, projetos sociais são pessoas mal intencionadas, que, aproveitando a liberdade existente nesses lugares, se aproximam delas com desejos impuros.
Às vezes pessoas designadas para cuidar, como professores, funcionários de creches e escolas, pessoas envolvidas na educação infantil nas igrejas, abusam ou maltratam crianças. Mas o abusador não tem um sinal na testa. Não existe um único perfil para pessoas que cometem abusos físicos, emocionais ou sexuais e seus motivos são muito variados.
Segundo a Organização Mundial da Saúde, abuso infantil e maus-tratos são todas as formas de maus-tratos físicos ou emocionais, abuso sexual, abandono ou negligência, exploração comercial que resulta em danos à saúde, à sobrevivência, ao desenvolvimento ou à dignidade da criança no contexto de um relacionamento de responsabilidade, confiança e poder.
É mais fácil para uma comunidade admitir que aconteçam abusos físicos e emocionais do que reconhecer o abuso sexual, que muitas vezes não é discutido devido ao tabu que envolve este assunto. No entanto, é assustador o número de crianças que são vítimas do abuso. E as consequências e marcas que ele deixa são terríveis para aqueles que sofrem tamanho mal.
Creio que Deus é poderoso e amoroso o suficiente para curar as feridas deixadas na vida de crianças vítimas de toda a sorte de abuso. Mas precisamos agir no sentido de evitar que este sofrimento continue sendo notícia nas páginas diárias dos jornais. Um número imenso de crianças está vivendo este drama e os servos de Deus precisam trabalhar para aniquilar este mal, tratando abusados e abusadores.
Nas famílias precisa existir um limite bem claro até onde vai a disciplina e onde começa o abuso. É preciso estar atento às pessoas que cercam as crianças a fim de protegê-las dos agressores que podem estar em qualquer lugar.
As igrejas precisam estar atentas àqueles que atuam entre os pequenos; precisam ser um lugar de segurança e principalmente um lugar onde crianças e famílias que sofrem um dano como este encontrarão apoio, solidariedade, afeto, esperança e o caminho da cura emocional que o abuso causa: Jesus!
* Texto adaptado da Revista Mãos Dadas Ano VI N.16, março/2007.

 Oremos:
1) Pelas crianças vítimas de abuso, para que Deus venha em socorro delas;
2) Por justiça contra os agressores, e para que se arrependam e sejam regenerados pelo poder do Espírito Santo;
3) Para que Deus guarde as nossas crianças da violência física, emocional e sexual;
4) Para que a igreja seja bíblica e sábia no tratamento dos problemas que surgirem nessa área
5) Para que as famílias estejam atentas na prevenção e identificação imediata dos abusos secretos.

Escritora: Jaqueline de Carvalho Augusto da Hora Santos, missionária coordenadora do programa de evangelização de crianças

 98º Dia
Crianças à Beira do Caminho
Leitura Bíblica: Lucas 10.25-37
Certa vez li um texto de Ariovaldo Ramos, falando sobre as crianças esquecidas. Me emocionei porque percebi que muitas vezes há milhares delas bem ao meu lado e nem percebo. Inspirada naquele texto que li, compartilho algumas das reflexões que me fizeram pensar e mudar de atitude na esperança que produza o mesmo resultado na vida daqueles que terão oportunidade de ler.
A situação do mestre da lei retrata bem o estado da igreja brasileira. Temos pensadores e teólogos de todos os tipos, temos ótimas escolas de teologia, mas continuamos sendo uma igreja que sabe ‘tudo’ sobre Deus, mas não sabe a quem amar. Jesus mostrou como a misericórdia e amor devem ser demonstrados de forma prática, porem nós não conseguimos entender isso, porque o evangelho que vemos no Brasil é o evangelho do mestre da lei: um evangelho capaz de dizer “Eu sei o que é amar a Deus, mas não sei quem é o meu próximo”.
A criança é quem está à beira do caminho. Não é apenas uma questão de ver com os olhos, mas sim com o coração aquelas que precisam ser amadas e tratadas com misericórdia. O Brasil tem uma pessoa agonizando à beira do caminho. É uma criança que sofre pelo descaso do estado, pela falta de políticas públicas, pela violência doméstica, pelos abusos, pelo abandono familiar, pelas dificuldades de uma adoção tardia, pela ausência de uma educação de qualidade e saúde pública capaz de intervir diante de uma enfermidade inesperada.
Não podemos continuar agindo como o mestre da lei. Precisamos nos identificarmos com aqueles que estão necessitando de cuidado, ao invés de passar de largo pelas crianças estiradas; precisamos socorrer aquelas que representam o futuro deste país. Precisamos perceber as crianças que estão à beira do caminho, tais como as crianças indígenas e o infanticídio cultural que ainda é um problema comum em algumas aldeias; as crianças sem registro civil, inexistentes perante o estado e sem nenhum direito; crianças vítimas de violência armada organizada vivendo sob o “regime paralelo” do crime; crianças que vivem em trabalho forçado, algumas vezes em regime de escravidão infantil; crianças vítimas de aborto e que tem seu direito à vida negado ainda no ventre; crianças vivendo nas ruas das grandes cidades algumas vezes entrando na dependência das drogas; crianças que não têm oportunidades de convivência social por conta dos preconceitos que atingem aquelas que necessitam de acessibilidade.
O coração que ama a Deus serve o próximo caído à beira do caminho.
 * Texto adaptado da Revista Mãos Dadas Ano VIII N.21 setembro/200B.

 Oremos:
1) Pelas crianças deixadas à beira dos nossos caminhos;
2) Pelos nossos governantes, para que adotem políticas públicas eficazes nas áreas da saúde e da educação e contra a violência doméstica e o abandono familiar;
3) Pelas igrejas, para uma real identificação com a necessidade das crianças abandonadas;
4) Pelas crianças, para que não sejam presas fáceis do crime organizado, do tráfico de pessoas, da prostituição e do trabalho forçado;
5) Pelo fim da prática do aborto.

Escritora: Jaqueline de Carvalho Augusto da Hora Santos, missionária coordenadora do programa de evangelização de crianças


99º Dia
Famílias Fortalecidas, Crianças Saudáveis!
Leitura Bíblica: João 4.49-54; Lucas 7.1 1-16; Mateus 17.14-21
A Bíblia traz algumas histórias de famílias que viviam situações difíceis e que conseguiram ver seus dilemas solucionados quando colocaram diante de Jesus suas angústias.
Vemos, no início do ministério de Jesus, a cura do filho de um oficial do rei. A melhora do menino foi extraordinária. A cura resultou em uma grande festa que atingiu toda a família do garoto.
Lucas relatou a ressurreição do filho único de uma viúva em um povoado. Jesus sentiu a dor daquela mulher ao vê-la andando ao lado do esquife de seu filho acompanhada por uma pequena multidão.
Na Galileia, Jesus parece querer aproveitar a morte da filha única de Jairo, o líder da sinagoga, para dar mais uma aula prática para seus discípulos. Pediu segredo logo depois de ressuscitá-la, milagre que realizou em particular, no quarto dela, acompanhado apenas do pai, mãe e três discípulos.
Ao descer do monte da Transfiguração, no qual a glória de Jesus foi revelada, Ele encontra uma situação conflituosa, um pai buscando ajuda para seu filho que sofria de ataques demoníacos.
Muitas outras histórias poderiam ainda ser citadas, porém o comum em todas elas é que as famílias tinham problemas de diferentes níveis, mas todos causavam preocupação, angústia, dor, sofrimento, preocupação. Estas pessoas procuraram por Jesus e encontraram nEle mais do que soluções para seus problemas, encontraram a vida, a paz, a salvação.
As famílias de hoje continuam vivendo situações difíceis e muitas vezes inesperadas. Enquanto estivermos neste mundo estaremos sujeitos a toda a sorte de problemas, mas famílias saudáveis são aquelas que levam a Jesus suas dificuldades. Famílias que não se acusam ou se culpam por problemas que surgem, mas que se apoiam mutuamente e juntos buscam no Senhor a solução.
Famílias saudáveis emocionalmente e espiritualmente promovem um ambiente onde as crianças também são saudáveis a aprendem a buscar em Deus as soluções para os problemas da vida, transformam as dificuldades em oportunidades para serem “fortalecidos no Senhor e na força do seu poder”. Ser saudável não significa estar livre dos problemas, mas sim buscar naquele que “é poderoso para fazer tudo, muito mais além daquilo que pedimos ou pensamos” as soluções. Fortaleçamos nossas famílias dependendo somente de Deus em qualquer circunstância. Desta forma nossas crianças crescerão saudáveis confiando no Senhor.

 Oremos:
1) Pelas famílias que estão atuando nos campos missionários;
2) Pelas famílias que estão enfrentando dificuldades, para que se fortaleçam no Senhor;
3) Pelas crianças de nossas famílias, para que cresçam saudáveis confiando em Deus;
4) Pelas crianças em geral, para que sejam guardadas das iniciações em doutrinas e rituais demoníacos.

Escritora: Jaqueline de Carvalho Augusto da Hora Santos, missionária coordenadora do programa de evangelização de crianças
  
100º Dia
Famílias Saudáveis – é Tempo de Agradecer e Continuar!
Leitura Diária: Josué 24.1-27
Louvamos a Deus pelos 100 dias em que oramos em família. Por meio desses preciosos momentos o Senhor nos permitiu ver, sem dúvida, muitos frutos de conciliação, amor e paz na família, mas a Missão ainda não foi cumprida.
Nestes tempos difíceis devemos nos manter alerta para que nossas famílias permaneçam na presença do Senhor. São tempos em que se milita abertamente pela desestruturação familiar. Os interesses pessoais, muitas vezes duvidosos, e os desejos exagerados pelo consumo têm suplantado o cuidado com a família. Sua desestruturação e a redução de sua importância têm gerado muitos efeitos colaterais em nossa sociedade. A violência doméstica, as drogas, o crescimento do divórcio são alguns exemplos desse efeito nocivo da falta de cuidado com a família.
Gosto muito da declaração de Josué, que, ao fim da carreira que o Senhor lhe impôs, disse: “quanto a mim, eu e minha casa serviremos ao Senhor”. A trajetória de Josué não foi fácil, mas apesar de tanta responsabilidade e trabalho, preservou a família e não pensou apenas em si mesmo. No fim de sua carreira o seu discurso não dizia apenas de si mesmo, mas ele era uma família – “Eu e a minha casa serviremos ao Senhor” – como que afirmando que iria continuar, que sua escolha era firme.
Diante disso precisamos nos perguntar o quanto estamos integrados a nossas famílias. Essa parece ser uma pergunta importante a fazer. Será que de fato nos sentimos parte integrante dela, uma parte indissociável, entrelaçada de tal forma que se vamos servir a Deus faremos isso juntos? Meu irmão, minha irmã, precisamos continuar a orar com nossas famílias, pois nossa tarefa ainda não terminou.
Este foi apenas um treinamento, 100 dias que nos ajudaram a entender que precisamos avançar, mas precisamos fazer isso juntos, nós e as nossas famílias. Juntos rumo a uma experiência de oração e comunhão com Deus, que nos transformará, nos fortalecerá e produzirá efeitos que não adoecerão a nossa geração, mas irão transformá-la para a glória de Deus.
Vivamos, em família, para a glória de Deus!



Oremos:
1)      Agradeçamos ao Senhor pela realização dos 100 Dias de Oração Impactando a Família;
2)      Oremos pela continuidade da vida de oração em família;
3)      Oremos pelo fortalecimento dos valores bíblicos nas famílias brasileiras;
4)      Oremos para que nossas famílias sejam exemplo para a sociedade brasileira;
5)      Ore por sua família.

Escritora: Jaqueline de Carvalho Augusto da Hora Santos, missionária coordenadora do programa de evangelização de crianças







 

EU SOU UMA MULHER AMADA, ACEITA, VALORIZADA, UNGIDA, INTELIGENTE ABENÇOADA, CONTROLADA, MÃE, COMPANHEIRA, ALEGRE, AMIGA, SÁBIA E VITORIOSA EM TODAS AS ÁREAS DA MINHA VIDA.

You Might Also Like

0 Deixe seu comentário

Obrigada pela visita !

Deus te abençoe com toda a sorte de bençãos nas regiões celestiais.

Eu declaro que você viverá dias de alegria,de paz de saúde,de prosperidade,de amor.Nesses dias, o Senhor mudará a sua sorte e a sua boca se encherá de riso e a sua família viverá o melhor de Deus. Em nome de Jesus.